Marcha denuncia o descaso com o extermínio da juventude negra

Em sua 5ª edição, ato que será realizado nesta terça-feira, em Vitória, faz parte de campanha estadual

Kauê Scarim

A Marcha Estadual Contra o Extermínio da Juventude Negra chega à sua quinta edição nesta terça-feira – no memorável 20 de novembro, data da morte, em 1695, do líder quilombola Zumbi dos Palmares, quando é celebrado o Dia da Consciência Negra. Organizada pelo Fórum Estadual da Juventude Negra do Estado (Fejunes), a marcha faz parte do calendário dos militantes capixabas desde 2008, quando a entidade lançou campanha contra o extermínio de jovens negros.

Neste ano, a manifestação está marcada com concentração às 8h, na antiga Capitania dos Portos, no Centro de Vitória. O tema do ato de 2012 é “O racismo mata: não fique parado”, remetendo ao problema do grande índice de mortalidade de jovens negros no Estado. Segundo o Fejunes, o objetivo da campanha é denunciar esse fato, no intuito de reverter o quadro de ausência de profunda falta de políticas públicas e ações afirmativas para o setor.

Os índices estaduais mostram que, realmente, essa realidade está longe de ser fácil. A taxa de homicídio de negros do Espírito Santo é de 62,3 mortes por 100 mil habitantes, segundo o Mapa da Violência 2012. Para se ter uma noção, em relação aos brancos, o índice é de 17,1 por 100 mil.

Já em relação aos jovens, ou seja, pessoas entre 15 e 24 anos, o Estado apresenta a gigantesca taxa de 116,7 mortes por 100 mil habitantes. Considerando os dados do Ministério da Saúde que apontam que, no Brasil, 53% dos homicídios registrados são de jovens e, desses, 75% são negros, é possível estimar a alta posição do Espírito Santo no ranking de mortalidade da juventude negra.

Além disso, o Mapa da Violência mostra que a Região Metropolitana da Grande Vitória é a quarta do país em taxa de homicídios, com 68,6 mortes violentas por 100 mil habitantes. Vitória é a terceira capital mais violenta: 67,1 homicídios por 100 mil.

Os índices, principalmente pelo fato de que a maioria dos jovens assassinados encontra-se em regiões da periferia metropolitana, mostram o tamanho da falta de políticas públicas que garantam dignidade para essa população, hoje carente não só de segurança, mas também de empregos, acesso a ensino e à saúde e moradia de qualidade.

Fonte: Século Diário

+ sobre o tema

Poesia: Ela gritou Mu-lamb-boooo!

Eita pombagira que riscaseu ponto no chãoJoga o corpo...

Geledés participa do I Colóquio Iberoamericano sobre política e gestão educacional

O Colóquio constou da programação do XXXI Simpósio Brasileiro...

A mulher negra no mercado de trabalho

O universo do trabalho vem sofrendo significativas mudanças no...

para lembrar

Observatório de Favelas propõe protocolo de atuação de polícia nas comunidades

A organização Observatório de Favelas apresentou hoje proposta...

“O grande medo dos alunos era o caveirão”

Como a lógica de guerra operada pelo Estado...
spot_imgspot_img

Negros são maioria entre presos por tráfico de drogas em rondas policiais, diz Ipea

Nota do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) mostra que negros são mais alvos de prisões por tráfico de drogas em caso flagrantes feitos...

Um guia para entender o Holocausto e por que ele é lembrado em 27 de janeiro

O Holocausto foi um período da história na época da Segunda Guerra Mundial (1939-1945), quando milhões de judeus foram assassinados por serem quem eram. Os assassinatos foram...

Caso Marielle: mandante da morte de vereadora teria foro privilegiado; entenda

O acordo de delação premiada do ex-policial militar Ronnie Lessa, acusado de ser o autor dos disparos contra a vereadora Marielle Franco (PSOL), não ocorreu do dia...
-+=