Maria Firmina dos Reis sofreu muito preconceito, mas foi a primeira romancista brasileira

Este ano, comemoram-se 190 anos de nascimento da escritora maranhense Maria Firmina dos Reis, apontada como a primeira romancista brasileira.

Por  Nicole Ayres Luz Do Homo Literatus

Durante muito tempo, sua produção foi ignorada em detrimento de escritoras como a potiguar Nísia Floresta (1810-1885), nome importante na luta feminista, e a paulista Teresa Margarida da Silva e Orta (1711-1793), considerada a primeira mulher a escrever ficção no Brasil, fato contestável porque ela viveu a maior parte de sua vida em Portugal. Firmina é pioneira, porém, por ter conseguido publicar seus romances autonomamente, não sem esforço, além de atuar no magistério, tendo sido responsável inclusive pela inauguração de uma escola mista e gratuita no Maranhão, o que causou grande polêmica na época.

maria_bormann_large

Maria Firmina nasceu em São Luís, em 1825. Mulata, bastarda e pobre, sofreu muito preconceito, contra o qual lutou bravamente, provando seu valor no campo intelectual. Era prima do escritor e educador Sotero dos Reis, de quem recebeu apoio. Ela foi aprovada em concurso público para professora primária, na cidade de Guimarães, e denunciou as injustiças ocorridas no campo da educação, de difícil acesso no século XIX.

Seu romance mais famoso é Úrsula, publicado em 1859. De temática abolicionista, a obra retrata os horrores da escravidão e desenvolve as camadas psicológicas dos personagens negros, de grande importância no enredo, apesar de ter no plano principal o amor impossível entre dois personagens brancos. Em outro romance, Gupeva, de 1870, a autora aborda o indianismo: um chefe indígena se apaixona por uma moça vinda da Europa, sem saber que se trata de sua meia-irmã. São histórias bem novelescas, com um pano de fundo que retrata a sociedade de maneira ferrenha.

Firmina também foi contista, poetisa, charadista e compositora de música. Escreveu artigos críticos para jornais locais, compôs o Hino à Libertação dos Escravos e o conto A Escrava, aderente aos ideais antiescravistas e republicanos. Mãe adotiva de dez crianças, solteira toda a vida, morreu pobre, cega e esquecida em sua casa, em Guimarães, 1917. Felizmente, alguns autores e pesquisadores da atualidade resgataram sua importância, comentando sua vida e obra. Tanta ousadia não poderia ter sido em vão.

+ sobre o tema

Lista: as seis mulheres reunidas na série ‘Filósofas brasileiras’

No imaginário popular, não é raro que a primeira...

Negro, homossexual e ex-evangélico transforma discriminação em literatura

“Você não é homem não?! Aprende a se defender”. Por Rodrigo...

A cada 2 dias ocorre um feminicídio em São Paulo

Dados da Secretaria de Segurança Pública do Estado de...

para lembrar

Calar é preciso

Sem a possibilidade de parar no Dia Internacional da...

No carnaval, a cada quatro minutos uma mulher foi agredida no Rio

Dados da PM abrangem apenas aquelas que pediram socorro...

Simone de Beauvoir e o professor de literatura

A responsabilidade do autor diante da literatura não se...
spot_imgspot_img

‘Abuso sexual em abrigos no RS é o que ocorre dentro de casa’, diz ministra

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, considera que a violência sexual registrada contra mulheres nos abrigos que recebem desalojados pelas enchentes no Rio Grande...

ONU cobra Brasil por aborto legal após 12 mil meninas serem mães em 2023

Mais de 12,5 mil meninas entre 8 e 14 anos foram mães em 2023 no Brasil, num espelho da dimensão da violência contra meninas...

Após um ano e meio fechado, Museu da Diversidade Sexual anuncia reabertura para semana da Parada do Orgulho LGBT+ de SP

Depois de ser interditado para reformas por cerca de um ano e meio, o Museu da Diversidade Sexual, no Centro de São Paulo, vai reabrir...
-+=