Minha transição capilar – Por Mari e Lu Araujo

Hoje eu vim compartilhar a história de transição capilar de duas irmãs que não só cresceram juntas. Elas fizeram química juntas, se arrependeram juntas, passaram pela transição juntas e hoje divam por aí com um black maravilhoso. A Mari compartilhou a história das duas comigo e eu quero que vocês conheçam e espero que sirva de incentivo para muitas meninas.

Do Aline Franca

Tudo começou quando éramos criança, não podíamos usar o cabelo solto, era uma aberração, também não podíamos usar certos penteados. Lembro-me que minha mãe relaxou meu cabelo quando eu tinha apenas 5 anos de idade, e depois claro relaxou o da minha irmã também, quando ela atingiu essa idade.

Usamos todos os tipos de relaxamentos, e chegávamos a ficar com a cabeça ferida de tão agressivas que eram as químicas, mas mesmo assim nem minha mãe nem nós não abríamos mão do sofrimento, claro para sermos no mínimo aceitas.

mari-e-ju-transicao-antes

Minha irmã teve corte químico várias vezes ficou com o cabelo detonado com várias falhas, eu via no rosto dela o sofrimento, meu cabelo sempre resistiu mais, porém teve uma vez que ele caiu muito, e tive que cortar bem baixinho, mas mesmo assim continuei a relaxar, e dessa vez com guanidina e progressiva.

transicao-mari-e-ju-trancas

Tudo começou a mudar quando a Luciene entrou no coral, e conheceu pessoas que usavam black, foi nosso primeiro contato com o crespo e cacheado natural, também conhecemos nesse momento as meninas q usavam tranças e eram lindas e estilosas, foi aí q minha irmã decidiu usar as tranças para deixar voltar o cabelo natural, eu também fiz isso, até então não sabíamos q estávamos em transição, não conhecíamos esses termos, mas começamos a pesquisar e a conhecermos outras histórias como a nossa e chegamos até aqui. Seguimos fortes, agora sem escamas nos olhos, podemos ver que devemos alastrar essa ideia e lutarmos contra o preconceito.

transicao-mari-ju-depois

Gente, o que é mais importante de ressaltar na história delas é como essa falta de referência que temos, com pessoas semelhantes, pode distorcer a nossa ideia de beleza. Quando crianças as princesas que amamos são lindas e possuem cabelos lisos, na adolescência as artistas que faziam parte de nossas vidas também era assim. Mas hoje em dia, temos tantas inspirações maravilhosas de mulheres que usam seus cabelos crespos e cacheados, que podemos mudar a história das próximas gerações, para que alisar e relaxar seja uma opção e não uma obrigação.

Quem quiser conhecer mais a história das duas pode assistir a esse vídeo que elas gravaram, além de lindas são super simpáticas.

Quer ver a sua história de transição por aqui? Me envie um e-mail para [email protected] com o título “Minha transição capilar”.

Gostou deste post? Então me siga nas redes sociais e fique por dentro de tudo o que rola por aqui.

Facebook: www.facebook.com/alinerancablog

Youtube: www.youtube.com/alinefrancablog

Twitter: www.twitter.com/alinefrancablog

Instagram: @aline_franca

+ sobre o tema

Quantas autoras negras você já leu?

Em tempos de quarentena, por que não aproveitar para...

A Casa Grande vai ficar pequena

Ao entrar na universidade, assim como outras estudantes, coloquei...

Carta às mulheres solteiras: agência, amor próprio e a solidão da mulher negra

Nesse dia dos namoradXs, eu fiquei com vontade de...

Na origem de um feminismo negro

Nova obra destaca, entre sonho e história, figura mítica...

para lembrar

Serena Williams deixou uma mensagem a todas as mães. “Se eu consegui, elas também conseguem”

Depois de ter perdido contra Angelique Kerber no torneio...

A mulher presa no Brasil é jovem, negra e com baixa escolaridade

Relatório mais recente sobre o aumento da população carcerária...

Marinete da Silva, mãe de Marielle, passa a integrar Comissão da Mulher da OAB-RJ

Marinete da Silva, mãe de Marielle Franco, entrou para...

A invisibilidade da estética negra: a dor do racismo sobre nossos cabelos

Não é novidade que a estética negra – expressão...
spot_imgspot_img

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...

Comida mofada e banana de presente: diretora de escola denuncia caso de racismo após colegas pedirem saída dela sem justificativa em MG

Gladys Roberta Silva Evangelista alega ter sido vítima de racismo na escola municipal onde atua como diretora, em Uberaba. Segundo a servidora, ela está...

Uma mulher negra pode desistir?

Quando recebi o convite para escrever esta coluna em alusão ao Dia Internacional da Mulher, me veio à mente a série de reportagens "Eu Desisto",...
-+=