Maria Júlia Coutinho nova garota do tempo do Jornal Nacional é alvo de racismo na internet

Uma das grandes novidades desta nova fase do Jornal Nacional é a presença de Maria Júlia Coutinho como garota do tempo. Ela tem sido um dos destaques e virou notícia esta semana por ter corrigido William Bonner, seu chefe, ao vivo.

Por Odair Braz Jr., do R7

O R7 deu esta notícia, que foi para a página do portal no Facebook. E os comentários foram uma surpresa. Houve vários elogios, mas alguns deles tinham forte conteúdo racista pelo simples fato de Maria ser negra. O pior deles foi de um tal de Venâncio Rodrigues, que nem se sabe se é um perfil real. Ele escreveu para uma internauta, que tinha elogiado a beleza e o talento de Maria Júlia, que só estava falando isso “por ser preta como ela”. Antes ele tinha dito que a jornalista tinha “cabelo ruim”. O comentário causou imediatamente revolta entre os usuários e foi denunciado por vários deles, como você pode ver abaixo (tem até quem tenha curtido o post do sujeito):

print

O pior é que Venâncio não foi o único. Houve também outros comentários do tipo, como este: “essa repercussão é só porque ela é negra. Se fosse branca, como é normalmente, não seria pauta de matéria”. Mais sem noção impossível, né? É óbvio que qualquer jornalista que “corrija” Bonner ao vivo será notícia na hora, independentemente de ser branco, negro, homem ou mulher. E isso levando em consideração que o que Maria fez foi algo na boa, sem afrontar o âncora de verdade. Maria Júlia apenas lembrou a Bonner que o termo mais apropriado é “tempo firme” e não “tempo bom” quando se fala de que haverá sol. Essa descontração de Maju, como é carinhosamente chamada, é que está dando notoriedade à nova garota do tempo.

Mas o que é inacreditável que hoje em dia ainda exista gente que tenha esta mentalidade. A internet é um campo aberto para as pessoas postarem o que quiserem, o que é algo positivo. O problema é que temos de nos deparar com esse tipo de atitude. Felizmente, ao mesmo tempo em que há gente assim, também há o outro lado, com pessoas que denunciam e combatem esses racistas.

 

Leia Também:

Jornalista negra posta foto nas redes sociais e sofre enxurrada de ataques racistas

+ sobre o tema

Por que as altas desigualdades persistem?

Com o fim da escravidão, nutria-se a esperança de que...

A indiferença e a picada do mosquito

Não é preciso ser especialista em saúde para saber que condições...

Capitalismo é incompatível com democracia, afirma escritor Achille Mbembe

Um dos mais importantes pensadores do mundo, o camaronês Achille...

para lembrar

Carta aberta a uma mãe

Carta aberta de uma mãe que não sabe o...

Adolescentes denunciam racismo e agressão em shopping de Salvador

Eles têm 15 anos e caso teria ocorrido assim...

Descolonizar a língua e radicalizar a margem

Uma resenha sobre “Um Exu em Nova York” de...

“Kbela”, filme sobre a relação da mulher negra com o cabelo crespo, foi eleito melhor do MOV

O curta-metragem carioca Kbela, da diretora Yasmin Thayná (PUC-Rio),...
spot_imgspot_img

‘Questão do racismo tem a ver com a sobrevivência do capitalismo’, diz Diva Moreira, intelectual negra de MG

"A despeito da rigidez da estrutura de dominação, eu sou uma mulher de muita esperança." É assim que a jornalista, cientista política, ativista e...

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...
-+=