Marido de bicampeã olímpica de vôlei acusa Carrefour de racismo

Rede de hipermercados diz que operadora de caixa, que estava em fase de experiência, foi desligada

O cantor Vinícius de Paula, marido da bicampeã olímpica de vôlei Fabiana Claudino, acusa o hipermercado Carrefour de racismo. O caso, segundo afirmou em redes sociais, ocorreu na tarde de sexta-feira (7) em uma unidade da rede em Alphaville, na região de Barueri, na Grande São Paulo.

Segundo o artista, ele tentava passar pelo caixa preferencial, que estava vazio, quando a funcionária do local disse que não poderia atendê-lo, porque se surgisse alguém com direito de uso do local, ela tomaria multa.

“Eu disse que, se isso acontecesse, eu daria o lugar pra essa pessoa”, escreveu Vinícius de Paula no Instagram. Na sequência, o artista contou que a atendente insistiu, e ele se dirigiu para a fila de outro caixa.

“Quando olho para trás, a atendente estava com uma cliente branca não preferencial no caixa”, continuou. “Fui querer entender o que aconteceu naquele momento. Obviamente ninguém soube me explicar, mas eu sei o que aconteceu”, publicou o artista, que é negro e citou em sua publicação o hipermercado como uma empresa com histórico racista.

O marido da jogadora afirmou ter procurado a gerência e nada foi resolvido.

Em nota, o Carrefour confirmou que Vinícius de Paula teve o atendimento recusado por uma operadora de caixa na fila preferencial, sem justificativa, e que a mulher, que estava em período de experiência, foi imediatamente afastada pela gerência e desligada no mesmo dia.

“Acolhemos o cliente no mesmo momento, tendo seguido em contato com ele desde então e continuamos abertos ao diálogo”, afirma a nota. “Lamentamos profundamente a dor causada ao senhor Vinicius e sua família. Nossa política é de tolerância zero contra qualquer tipo de comportamento desrespeitoso, além de promover esforços constantes na conscientização dos nossos colaboradores”, afirma o hipermercado.

No sábado (8), Vinícius de Paula gravou vídeo ao lado da mulher e do advogado Hédio Silva Júnior, que classificou o caso como crime e disse que o hipermercado não ficaria impune.

“Ele [o cantor] está absolutamente traumatizado do ponto de vista emocional e psíquico e, pelo jeito, o Carrefour não implantou nenhum programa significativo [contra racismo]”, afirmou o advogado no vídeo. “O Carrefour é uma empresa que não aprende, que mata negro, que ultraja, que constrange”, disse.

À Folha o advogado disse que vai entrar com uma ação na Justiça requerendo indenização por danos morais e a cassação do funcionamento da unidade. “O Carrefour é réu confesso e contumaz nesse tipo de violência. Racismo é crime”, afirmou.

Silva Júnior também pretende requerer na Justiça imagens de câmeras de monitoramento para provar que não havia ninguém no caixa preferencial.

Na nota, o Carrefour disse nesta segunda-feira (10) que nos últimos anos assumiu a responsabilidade de fazer uma transformação de dentro para fora no combate ao racismo estrutural no país, com investimento de mais de R$ 115 milhões, com maior foco na área de educação.

Em fevereiro, um ajustamento de conduta fechado entre o Carrefour e os Ministérios Públicos Federal e do Rio Grande do Sul e as Defensorias do estado e da União definiu que o grupo terá que destinar R$ 68 milhões para o pagamento de mais de 800 bolsas de estudo e permanência para pessoas negras em instituições de ensino superior de todo o Brasil, para reparar os danos morais coletivos como consequência da morte de João Alberto Silveira de Freitas, homem negro que foi espancado até a morte por asfixia em um supermercado da rede em novembro de 2020.

Freitas fazia compras com a mulher quando foi abordado violentamente por dois seguranças do supermercado. Agredido com chutes e socos por mais de cinco minutos, foi sufocado e não resistiu. O espancamento foi registrado em vídeos feitos por celular.

O Ministério Público do Rio Grande do Sul denunciou seis pessoas por suspeita de homicídio triplamente qualificado na morte de Freitas.

“Todos os nossos colaboradores são constantemente capacitados para uma postura antirracista e recentemente firmamos uma parceria com a Faculdade Zumbi dos Palmares para criação do primeiro curso de nível superior para formação de profissionais na área de segurança visando combater o racismo.”

Também em rede sociais, Fabiana Claudino comentou o episódio envolvendo o marido. “Não aprendem com tudo que já aconteceu, né? Até quando?”, questionou.

O advogado do cantor diz que ao assinar o TAC, o Carrefour se comprometeu com obrigações para se evitar que situações como a da loja em Alphaville ocorram. “E não é o que está acontecendo.”

+ sobre o tema

Estrangeiros, portugueses e organizações protestam contra a xenofobia na Europa

Fonte: Radioagência NP Uma manifestação contra as políticas de imigração...

Multidão protesta na Itália contra fascismo e racismo

Cortejo ocorre em Macerata, onde jovem atirou em negros  Do...

Meu black não é assim

Esse artigo foi escrito por mim e pelo Militante...

Histórico – Racismo explícito na Guarda Civil em 1929

Os idealizadores da recém instituída Guarda Civil de...

para lembrar

A barbárie é branca

Ao assumir o Ministério dos Direitos Humanos e Cidadania...

Promotoria deve pedir júri popular para PMs por 9 mortes em Paraisópolis, em SP

Para evitar que fiquem impunes as nove mortes ocorridas em...

Após Paraisópolis, OEA pede que Brasil se solidarize com população negra

Em audiência feita no Haiti, na sexta-feira passada (6),...
spot_imgspot_img

Uma supernova

No dia em que minha irmã nasceu, a Nasa fotografou uma supernova no universo. Quando minha irmã nasceu, foi uma das maiores alegrias da minha...

Número de crianças e adolescentes mortos pela polícia cresce 58% sob governo Tarcísio, apontam dados da SSP

O número de crianças e adolescentes mortos pela polícia aumentou 58% entre 2022 e 2023 — primeiro ano do governo de Tarcísio de Freitas (Republicanos) —,...

A ‘inteligência artificial’ e o racismo

Usar o que se convencionou chamar de "inteligência artificial" (pois não é inteligente) para realizar tarefas diárias é cada vez mais comum. Existem ferramentas que, em...
-+=