Marta rebate acusação de racismo feita por jornal

A ministra da Cultura, Marta Suplicy, minimizou na quarta, 2, a crítica feita pelo jornal alemão Süddeutsche Zeitung à presença de apenas um negro (Paulo Lins, de Cidade de Deus) e um indígena (Daniel Munduruku, autor de 43 livros) entre os 70 escritores levados para a Feira do Livro de Frankfurt, que homenageia o país e acontece na próxima semana: “O Brasil vive um momento de transformação, e nas próximas gerações teremos número maior de negros participando. Hoje, infelizmente, não temos”, disse.

Em texto publicado em agosto, o jornal sugeriu racismo na escolha dos escritores. A ministra lembrou que a prioridade foi dada a autores já traduzidos, para que o público da feira tenha acesso às obras depois dos debates: “Toda lista tem um recorte que provoca discussão. O critério não foi étnico, mas a qualidade estética e a tradução. A Feira de Frankfurt é comercial”. A coordenadora do Centro Internacional do Livro da Biblioteca Nacional, Moema Salgado, afirma que é um pedido da feira que os escritores convocados tenham livros traduzidos para outras línguas.

Seis dias antes da abertura do evento, Marta foi ao Rio para dar entrevistas sobre ele. Ressaltou as 442 bolsas oferecidas para estimular editoras estrangeiras a traduzir autores brasileiros – o número contabiliza trabalhos feitos desde 2010, quando o Brasil foi anunciado como homenageado. Marta garante que as dificuldades e atrasos provocados pela troca de gestores em sua pasta, na Biblioteca Nacional e no Itamaraty foram superados, e que todas as contratações foram concluídas. “Tivemos problemas, mas viramos a página.” As últimas licitações, de hospedagem (que sairá por R$ 92.164), contratação de assessoria de comunicação para divulgar o Brasil (R$ 81.739) e de empresa para fazer a produção de 26 eventos na cidade (R$ 517.710) foram encerradas na semana passada.

“Se a nossa literatura não circula no Brasil, não é por falta de autores”, disse Nei Lopes, escritor com uma vasta obra com temática africana, à reportagem. “Ela tem sido estudada e publicada na Alemanha, na Inglaterra, nos EUA, etc. Se o MinC acha que literatura boa é a que vende aos milhares, só tenho a lamentar. E dizer que sigo fazendo a minha parte.”

 

 

Fonte: A Tarde 

+ sobre o tema

Fernanda Lomba lança o curta-metragem “A Noite”

A produtora executiva Fernanda Lomba lança em parceria com...

CUIR- Filme e Experimento- América Latina

Em junho, uma pauta social relevante ganha especial projeção...

“A imagem de um herói negro nessa escala é realmente empolgante”, diz roteirista

Em entrevista ao Mother Jones, Joe Robert Cole afirmou...

para lembrar

Encontro de Cinema Negro tem recorde de inscrição de filmes

O eletrizante Hear Me Move (Ouça Meus Movimentos, em tradução...

Rihanna lidera parada de singles por quinta semana consecutiva

A música "Rude Boy" de Rihanna liderou as paradas...

Quanto Jimi Hendrix ganhou para ser headliner do Woodstock 1969?

Mesmo corrigido, cachê foi bem baixo quando comparado a...

O ‘Raízes’ está de volta e traz a diva da bossa negra Elza Soares

São boas notícias para os aficionados da world music...
spot_imgspot_img

Diaspóricas 2: filme revela mundo futurista a partir do olhar de mulheres negras

Recém-lançado no Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental (FICA), em Goiás, no último dia 13 de junho, o filme “Diaspóricas 2” traz o protagonismo negro feminino e brasileiro...

Obrigada Shirley

É com muita tristeza que compartilhamos a notícia do falecimento da Shirley Villela, nossa companheira e amiga, tecedora da Redes da Maré, de 2013...

Gilberto Gil é homenageado na Uerj por contribuições culturais ao país

Cantor, compositor, escritor, produtor musical, imortal da Academia Brasileira de Letras, ex-ministro da Cultura. Dono de vários talentos e posições, Gilberto Gil ganhou nesta...
-+=