Masculinidade e a importância de investir também em causas masculinas

Hoje, quando falamos em “questões de gênero”, o empoderamento feminino é e a bola da vez. Há questões sérias que afetam predominantemente o sexo feminino, como abuso sexual, violência doméstica e abandono paterno, que precisam de políticas públicas e de investimento privado. Espaços de poder e decisão seguem sendo predominantemente masculinos no Brasil: na esfera pública, mulheres representam hoje 12% do Congresso Nacional, 10% do Senado e apenas um dos 27 governadores é mulher; já na esfera corporativa, apenas 14% dos CEOs são mulheres e 11% dos assentos em conselhos administrativos das grandes empresas é ocupado por uma pessoa do sexo feminino. Sem tirar luz da importante luta feminina por igualdade de oportunidades e das questões que afetam predominantemente as mulheres, precisamos ampliar a discussão e investir recursos nas questões masculinas.

Por Patricia Lobaccaro, do ECOA

Foto: nappy.co

Existe um componente masculino na extrema pobreza e vulnerabilidade. Em um artigo na revista Advancing Philanthropy, Susan Raymond fala que o setor filantrópico não está investindo em causas masculinas como deveria. A autora examina pesquisas recentes relacionadas a gênero e situação de extrema pobreza e, ao contrário do que pode se supor, a extrema pobreza nos EUA atualmente está relacionada ao gênero masculino, especialmente considerando questões raciais. As disparidades educacionais e salariais entre homens brancos e negros é maior do que as disparidades educacionais e salariais entre mulheres brancas e negras. Meninas negras que nasceram em situação de pobreza têm mais chances de conseguir emprego do que rapazes negros que cresceram em ambientes similares.

O livro Men Without Work – America’s Invisible Crisis aponta um número crescente de homens que não estão trabalhando nem procurando emprego, que a participação masculina no mercado de trabalho vem diminuindo e que as taxas de desemprego estão crescendo mais entre os homens. Tudo isso reflete muito além do impacto na renda familiar, gerando consequências sociais e comunitárias que tendem a crescer. No Brasil, 95% da população carcerária é masculina, portanto, os egressos do sistema prisional, com enormes desafios de reinserção socioeconômica após o cumprimento de penas, são majoritariamente homens. Além disso, mais de 90% da população em situação de rua também é do sexo masculino.

Isso não quer dizer que as questões femininas não sejam importantes, mas sim que no financiamento de políticas públicas e de projetos sociais deveria haver um foco igualitário entre os gêneros, o que não vem ocorrendo.

Uma questão que me chama muito a atenção é o abandono paterno. O Brasil tem 5,5 milhões de crianças sem o nome do pai na sua certidão de nascimento. Nesse cenário, ao mesmo tempo em que é importante financiar projetos que reduzam o efeito desse abandono (apoiando mulheres que terão que gerar renda e cuidar dos filhos sozinhas), temos que trabalhar essa questão com homens e meninos no sentido de prevenir esse tipo de comportamento. Precisamos ter uma discussão mais profunda sobre masculinidade no terceiro setor.

Alguns projetos importantes focam nisso, como A Call To Men – líder em questões de masculinidade; a iniciativa da ONU He For She – que trabalha com homens em apoio à igualdade de gênero; e o Instituto FreeFree – que, além de trabalhar com meninas e mulheres, inclui os meninos na promoção de um mundo com menos abuso e violência. Destaco também o importante trabalho do Instituto ProMundo, que tem inúmeras iniciativas como a MenCare – que promove o envolvimento igualitário dos homens nas práticas de cuidado e de paternidade equitativa e não violenta. Contudo, no universo do financiamento de projetos, essas iniciativas são exceções no portfólio das fundações.

O setor social é o que promove inclusão, que precisa ser também de pautas. Se almejamos uma relação saudável entre os gêneros, precisamos abraçar todos os públicos e projetos de acordo.

+ sobre o tema

Adele sobre amamentação: ‘A pressão em cima de nós é absolutamente ridícula’

No show que aconteceu na última terça-feira (22) na...

Núcleo da Unicamp abre inscrições para o concurso “Grafite Feminista”

O Núcleo de Estudos de Gênero Pagu, da Unicamp,...

Lista: as seis mulheres reunidas na série ‘Filósofas brasileiras’

No imaginário popular, não é raro que a primeira...

para lembrar

Liberdade caça jeito

Quem reivindica direitos, demanda a democratização do poder, luta...

“O sistema não está quebrado. Está funcionando exatamente como planejado”

Apesar de entendermos o quanto a construção da masculinidade...

A escola falhou se o aluno acha que menina é inferior

Na foto acima, seriam prezados alunos ou prezadas alunas?...
spot_imgspot_img

Homens ganhavam, em 2021, 16,3% a mais que mulheres, diz pesquisa

Os homens eram maioria entre os empregados por empresas e também tinham uma média salarial 16,3% maior que as mulheres em 2021, indica a...

Escolhas desiguais e o papel dos modelos sociais

Modelos femininos em áreas dominadas por homens afetam as escolhas das mulheres? Um estudo realizado em uma universidade americana procurou fornecer suporte empírico para...

Ministério da Gestão lança Observatório sobre servidores federais

O Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos (MGI) lança oficialmente. nesta terça-feira (28/3) o Observatório de Pessoal, um portal de pesquisa de...
-+=