Maturidade cerebral e a maioridade penal

Investir na promoção de ambientes saudáveis, culturalmente ricos e livres de violência e negligência pode trazer benefícios mais consistentes e duradouros na redução de criminalidade

Por Fernando Mazilli Louzada, da Carta Educação 

Marcelo Camargo/Agência Brasil

A redução da criminalidade é desejo de toda a sociedade. Inúmeras medidas têm sido sugeridas com esse objetivo, incluindo a redução da maioridade penal. É fundamental que a discussão dessa medida – indubitavelmente complexa em diversos aspectos – seja norteada por resultados de pesquisas em diferentes áreas do conhecimento, incluindo a perspectiva das neurociências.

A trajetória de desenvolvimento cerebral é um processo intrincado, influenciado por fatores genéticos e ambientais. O amadurecimento do cérebro só se completa na vida adulta, após os 20 anos de idade. Um dos eventos associados a esse amadurecimento é a aquisição de mielina pelos neurônios: a mielinização. A mielina é fundamental para aumentar a velocidade de transmissão do impulso nervoso e a consequência da sua falta pode ser evidenciada em doenças desmielinizantes, como é o caso da esclerose múltipla.

Quando nascemos, apenas uma parcela dos neurônios do córtex cerebral apresenta-se mielinizada. É o caso de regiões de processamento sensório-motor, por exemplo. Piaget já sabia disso sem se preocupar em olhar para o cérebro. Já em outras áreas, como as pré-frontais, a mielinização ocorre mais tardiamente. Como o próprio nome informa, estão localizadas na região anterior do cérebro e são as que completam por último seu amadurecimento.

Elas são essenciais para o desenvolvimento das funções executivas – aquelas responsáveis pelo controle de nossas ações, tomada de decisão e inibição da impulsividade. Comportamentos socialmente aceitáveis dependem desse amadurecimento e do consequente fortalecimento das conexões entre essas áreas e os sistemas cerebrais de regulação emocional, os quais amadurecem mais precocemente. Em outras palavras, o amadurecimento cerebral permite a “incorporação do futuro” no controle de nossos comportamentos, ou seja, eles passam a ser cada vez mais influenciados por suas consequências futuras.

BJ Casey, professora da Psicologia da Universidade de Yale, nos EUA, é uma das maiores autoridades mundiais no tema desenvolvimento cerebral na adolescência. Resultados de seus estudos mostram que o amadurecimento temporalmente desigual dos sistemas cerebrais gera consequências comportamentais como maior sensibilidade a recompensas, a ameaças e a influências sociais. Por exemplo, adultos, quando submetidos a jogos de simulação que envolvem riscos – como cruzar uma avenida em um sinal amarelo – comportam-se de maneira similar se estiverem sozinhos ou observados pelos pares.

Isso não ocorre com adolescentes. Quando observados pelos pares expõem-se muito mais a riscos, evidenciando a imaturidade dos sistemas cerebrais envolvidos. Essas evidências são compatíveis com dados que mostram o grande número de delitos cometidos em grupos por adolescentes. Além disso, nessa faixa etária, a capacidade cognitiva, já bastante desenvolvida, é mais sensível às influências emocionais, aumentando a probabilidade de tomada de decisões menos adequadas, principalmente aquelas que envolvem a necessidade de autocontrole.

 

O estabelecimento da maioridade penal é uma medida de proteção dos adolescentes em virtude de suas vulnerabilidades. Segundo a professora Casey, evidências recentes mostram que vulnerabilidades semelhantes também estão presentes em jovens adultos – entre 18 e 21 anos – e que essas similaridades deveriam ser levadas em consideração na adoção políticas legais e sociais. Segundo ela, o que deveria ser discutido nos EUA é a possibilidade de aumento – e não redução – da maioridade penal.

A redução da criminalidade em nosso país depende de um amplo conjunto de medidas – não há uma bala de prata. Na perspectiva das neurociências, o conhecimento da importância dos primeiros anos de vida para o desenvolvimento humano sinaliza que o investimento na promoção de ambientes saudáveis, culturalmente ricos e livres de violência e negligência na primeira infância pode trazer benefícios mais consistentes e duradouros na redução de criminalidade. Em um cenário ideal, a discussão da redução da maioridade penal perderia seu sentido.

 

Fernando Mazilli Louzada, doutor em Psicologia (Neurociências e Comportamento) pela Universidade de São Paulo (2000) e pós-doutorado pela Harvard Medical School (2006). Atualmente é Professor Associado do Departamento de Fisiologia da Universidade Federal do Paraná.

+ sobre o tema

Lula para Gaviões: ‘esta é uma das maiores homenagens que recebo em toda minha vida’

Presidente Lula, internado no Hospital Sírio Libanês, grava uma...

Governador do Texas diz que Obama leva a América em direção ao socialismo

Na manchete do Drudge Report, ontem, "Governador do Texas...

‘Não existem dois Brasis’; leia íntegra comentada do discurso de Lula após a vitória

No primeiro discurso após ser eleito presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva,...

para lembrar

Dizer que o consumidor sozinho vai mudar o mundo é uma besteira – Por: Leonardo Sakamoto

Quando veiculo uma denúncia de trabalho escravo envolvendo...

Gás no Maranhão vai gerar desenvolvimento social?

Por: Sakamoto "É meia Bolívia. É metade do que o...

“Pessoas pensam que racismo não é sobre elas”, diz Thiago Amparo, da FGV

Os desafios da diversidade nas empresas foi tema de...

O que foram as manifestações de junho e o que é insustentável afirmar sobre elas

A grande questão que se coloca hoje na ressaca...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...
-+=