Maya Angelou e Basquiat juntos: a infância sem medo

Roberto Almeida 

“As imagens de Maya com as pinceladas duras e assustadoras de Basquiat, criam uma narrativa de que o medo e o terror está nos olhos de quem os vê”

O viver com imensa intensidade une as histórias da escritora Maya Angelou e do pintor Jean-Michel Basquiat. Maya, que morreu dia 28 de maio, aos 86 anos, escreveu nada menos que 7 (sete!) autobiografias. E Basquiat, expoente da arte urbana novaiorquina, morreu precocemente em 1988, aos 27 anos, quando experimentava o sucesso. A união artística de ambos, em um raro livro para crianças, virou uma explosão de cores e sentimentos – mesmo que escritora e pintor não tenham trabalhado juntos originalmente.

Life Doesn’t Frighten Me (ou A vida não me assusta), sem tradução ou edição no Brasil, foi uma aposta de Sara Jane Boyers, da editora Stewart, Tabori & Chang, de Nova York. Ela combinou o famoso poema de Maya, que reflete sua força para encarar a luta por direitos civis, com as telas coloridas e, ao mesmo tempo, soturnas de Basquiat. O resultado é tocante para qualquer idade. O livro foi publicado em 1993 e, uma pena, não ganhou edições posteriores.

Garatujas Fantasticas
Garatujas Fantasticas


Maya transmite a ideia que a vida vale a pena, e que é preciso despojar sentimentos negativos para construir uma sensação de plenitude e coragem. Para isso, ela usa imagens diretas, como “dragões cuspindo fogo nos meus lençóis”, “leões soltos”, “cães latindo em alto volume”, “fantasmões em nuvens”, “sombras nas paredes / barulhos no corredor”, que aproximam o leitor de experiências pessoais problemáticas.

Após cada verso que descreve o medo, ela repete: Life doesn’t frighten me at all (A vida não me assusta nem um pouco).

Garatujas Fantasticas
Garatujas Fantasticas

As imagens de Maya, lado a lado com as pinceladas duras e assustadoras de Basquiat, criam uma narrativa de que o medo e o terror está nos olhos de quem os vê. E apontam para uma faceta alegre e pueril em desvendar suas origens. Afinal, de onde vêm nossos medos? E como surge nossa coragem em decifrá-los? A solução, para Maya, parece partir do princípio da aceitação da vida como um grande campo de descobertas e enfrentamento.

Ela diz: “I go boo / Make them shoo / I make fun / Way they run / I won’t cry / So they fly / I just smile / They go wild / Life doesn’t frighten me at all.” Ou, em tradução livre: “Eu protesto / Me livro do resto / Eu me divirto / Eles fogem / Não vou chorar / Eles voam / Abro um sorriso / Eles se desesperam / A vida não me assusta nem um pouco”.

A ligação de versos como esses é quase umbilical com as pinturas de Basquiat, especialmente se a gente exaltar a história do pintor. Filho de um haitiano com uma porto-riquenha, ele desenhou e pintou desde criança – seus professores já viam muito potencial no menino. Depois de fugir de casa, ainda bastante jovem, começou a grafitar e sempre manteve um pé na infância em suas obras.

Para ilustrar bem o encontro da força de Maya com a energia de Basquiat, encontramos uma narração linda de uma garota de 10 anos do poema de Maya com as imagens do livro. Vale a pena ouvir e admirar a combinação dos versos com as obras. Uma bela homenagem a ambos, que fizeram história no campo artístico e dos direitos civis.

 

 

Fonte: Opera Mundi

 

+ sobre o tema

Nenê faz 14 pontos, mas Denver perde no Arizona para o Phoenix

Nuggets sofrem a quinta derrota em dez jogos na...

‘A canção não vai deixar de existir’, diz Gilberto Gil

Músico baiano gravou depoimento ao Museu da Imagem e...

Snoop Dogg assina contrato com TV e será repórter nos Jogos Olímpicos de Paris

O rapper americano Snoop Dogg vai estrear em uma nova função...

para lembrar

ANASTÁCIO: Semana da Consciência Negra está preparada

Fonte: Aquadiana -   Em Anastácio, já está...

Clara Moneke: ‘Enquanto mulher negra, a gente está o tempo todo querendo se provar’

Há um ano, Clara Moneke ainda estava se acostumando a ser...

Estamos sendo justos com Pelé?

No momento em que Pelé deixou o Hospital Albert Einstein,...

Machado de Assis

Machado de Assis     (...) Assim são as páginas da...
spot_imgspot_img

Segundo documentário sobre Luiz Melodia disseca com precisão o coração indomado, rebelde e livre do artista

Resenha de documentário musical da 16ª edição do festival In-Edit Brasil Título: Luiz Melodia – No coração do Brasil Direção: Alessandra Dorgan Roteiro: Alessandra Dorgan, Patricia Palumbo e Joaquim Castro (com colaboração de Raul Perez) a partir...

Tony Tornado relembra a genialidade (e o gênio difícil) do amigo Tim Maia, homenageado pelo Prêmio da Música Brasileira

Na ausência do homenageado Tim Maia (1942-1998), ninguém melhor para representá-lo na festa do Prêmio da Música Brasileira — cuja edição 2024 acontece nesta quarta-feira (12),...

Estou aposentada, diz Rihanna em frase estampada na camiseta

"Estou aposentada", é a frase estampada na camiseta azul que Rihanna, 36, vestia na última quinta-feira (6), em Nova York. Pode ter sido uma brincadeira, mas...
-+=