MC Carol denuncia a violência policial e critica a Lava Jato em música; ouça

‘Delação premiada de pobre é tortura’ denuncia MC Carol

Em setembro passado, duas centenas de pessoas do Morro do Preventório queimaram três ônibus em Niterói. Pranteavam o conterrâneo Felipe de Oliveira Pinna, então com 25 anos, baleado por fuzil em uma operação da Polícia Militar na comunidade. Segundo familiares, ele voltava de consulta médica.

PorMARIA CLARA MOREIRA, da Folha de S. Paulo 

Indignação semelhante à dos manifestantes move a música de Carolina de Oliveira Lourenço, a MC Carol. Criada no Preventório, a funkeira conquistou dos bailes na favela às baladinhas universitárias com o feminismo de “Meu Namorado é o Maior Otário” e a denúncia do genocídio dos povos indígenas de “Não Foi Cabral”.

Mantendo a verve crítica, a MC se debruçou sobre uma realidade que vê de perto em sua nova faixa, “Delação Premiada”.

“É um funk proibidão, mas demos uma camuflada, porque eu não quero ser tachada como cantora de proibidão —quando os policiais pegam esses funkeiros, agridem, levam preso, às vezes matam”, afirma Carol em entrevista à Folha.

Sobre uma batida de trap funk, ela dispara versos sobre casos de violência e abuso de poder por parte de policiais —”É negro e favelado/ Então tava de pistola”— e relembra casos que comoveram a opinião pública, como o desaparecimento do pedreiro Amarildo de Souza, levado a uma Unidade de Polícia Pacificadora em 2013 e nunca mais visto.

“O funk é uma libertação, uma forma do favelado se comunicar e mostrar o que acontece dentro da comunidade para as pessoas que não sabem. Quero contar coisas que acontecem lá todos os dias: um morador inocente que é morto, uma criança que leva uma bala na cabeça. Não são todos os casos que vão parar na televisão”, diz a cantora.

LAVA JATO

O título da faixa é uma reprimenda à diferença de tratamento policial entre infratores da favela e criminosos de colarinho branco, em especial os investigados pela Operação Lava Jato.

“Você vê esses bandidos ricos [investigados da Lava Jato], eles muitas vezes nem são algemados, só colocam a mão para trás para entrar na viatura”, critica. “Para o favelado abrir a boca, é choque e porrada. O rico, se falar a verdade, ganha recompensa. Delação premiada de pobre é tortura.”

A funkeira também faz coro às críticas do afastamento da presidente Dilma Rousseff do cargo.

“O Brasil é um país corrupto desde a chegada de Cabral. Quem entra na Presidência, mesmo que seja honesto, não tem força para mudar nada de verdade. Eu espero que a Dilma volte. É a menos pior [da classe política].”

+ sobre o tema

Coordenadoria Municipal de Juventude SP vai priorizar combate à violência contra jovens negros

Coordenadoria Municipal de Juventude anuncia, durante debate com movimentos,...

Governo dos Homens Brancos

13 de maio de 2016. Dia que devia ser...

Carrefour não quer clientes negros e pobres

Fonte: Casal 10- A rede Carrefour tem uma longa lista...

Mario Balotelli em campanha contra o rascismo em Itália

O jogador já foi vítima de insultos racistas por...

para lembrar

Blatter defende rebaixamento como forma de punir racismo no futebol

O presidente da Fifa, Joseph Blatter, defendeu punições severas,...

Frequentadores eram barrados na porta por serem negros

O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) denunciou, na...

Imitação de Wozniacki no Brasil vira tema de debate sobre racismo nos EUA

O jogo exibição da última sexta-feira, em São Paulo,...
spot_imgspot_img

Número de crianças e adolescentes mortos pela polícia cresce 58% sob governo Tarcísio, apontam dados da SSP

O número de crianças e adolescentes mortos pela polícia aumentou 58% entre 2022 e 2023 — primeiro ano do governo de Tarcísio de Freitas (Republicanos) —,...

A ‘inteligência artificial’ e o racismo

Usar o que se convencionou chamar de "inteligência artificial" (pois não é inteligente) para realizar tarefas diárias é cada vez mais comum. Existem ferramentas que, em...

Funcionária de academia será indenizada por racismo: “cabelo de defunto”

Uma funcionária de uma academia em Juiz de Fora (MG), na Zona da Mata, será indenizada em R$ 15 mil por sofrer racismo. De...
-+=