Memórias de uma negra e uma peça em busca de apoio

Bora mudar um pouquinho o rumo da prosa e de estética:

por Sulamita Esteliam Do A Tal Mineira

Pense em uma mulher preta e favelada ser escritora em 1960.

Pense nessa mulher sendo mãe solteira de três filhos, um de cada pai.

Pense na revolução que foi essa vida.

Quarto de Despejo é o título do livro escrito por Carolina Maria de Jesus. Um livro de memórias de uma favelada, negra, mineira, e sua perspectiva a partir da vida em seu quartinho de madeira, lata e papelão. Um livro sobre as pessoas, os princípios e/ou sua traição, sobre a luta pela sobrevivência.

Toda a vida de Carolina é um questionamento. Uma plataforma de resistência. Espelho de outras vidas de centenas de milhares de mulheres negras dos sete cantos deste nosso Brasil. Mulheres que desafiam a ordem vigente. Sobreviventes.

É uma história que precisa ser contada, e recontada – centenas, dezenas, milhares de vezes. Contada por vozes diferentes, de mil formas diferentes, para que não se perca. E inspire Carolinas e Marias a trazerem seu testemunho, a tornarem pública sua marca no mundo.

A narrativa em destaque  encontrei no perfil da amiga mineira Eda Costa Renzulli, atriz, cantora e mestra de canto, duas semanas atrás. Extrato de um texto bem-escrito, que compartilho na sequência da abertura, em livre adaptação – por respeito e vício.

Agora, assista ao vídeo:

Eda, de turbante, integra o grupo Circo Teatro Olho da Rua, de Beagá; junto com as também atrizes e cantoras Carlandréia Ribeiro e Laís Lacôrte – pela ordem de entrada em cena, no vídeo.

Convidaram a produtora Aláfia Cultura para somar-se ao projeto da vez: bancar o desafio de representar a vida e as memórias de Carolina: Memórias de Bitita – o coração que não silenciou.

Sem recursos ou incentivo cultural, saíram em busca de financiamento coletivo, através doVariável, sítio belo-horizontino que busca sustentação financeira para projetos culturais – a exemplo de outros, Brasil afora.

O espetáculo teatral está previsto para estrear dia 16 de junho próximo, no Teatro Espanca, sob o Viaduto Santa Tereza, centro de Beagá.  O prazo, portanto, está nos calcanhares da produção. O projeto custa R$ 16 mil 500, e você pode contribuir dentro das suas possibilidades: as cotas vão de R$ 20 a R$ 4 mil, abertas até dia 11 de junho.

memc3b3rias-de-bitida

Ficha Técnica

Elenco:

Carlandréia Ribeiro
Eda Costa Renzulli
Laís Lacôrte

Direção: Jacó do Nascimento
Direção musical: Junim Ribeiro
Preparação corporal: Dulce Beltrão
Preparação vocal: Eda Costa
Idealização do projeto: Carlandréia Ribeiro
Realização: Circo Teatro Olho da Rua
Produção executiva: Aláfia Cultura

 

+ sobre o tema

Escritora Elisa Pereira lança amanhã “Sem Fantasia”, seu segundo livro!

Na próxima terça-feira (29), às 19h, será lançado “Sem...

Jovens, negras da periferia: elas são o que querem ser!

Por Nayra Lays, 17 anos, moradora do Grajaú, São...

“O Quarto de Despejo está vivo”, afirma filha de Carolina Maria de Jesus

Em 60 anos do livro “Quarto de Despejo: Diário...

O (não) lugar da mulher negra nas campanhas publicitárias

Uma recente propaganda promovida pela prefeitura de Fortaleza teve...

para lembrar

Camila Pitanga protagoniza viagem incrível à África do Sul

Camila Pitanga embarcou recentemente para uma experiência incrível. Junto...

Feminismo negro: violências históricas e simbólicas

É fundamental explicitar as grandes distâncias que ainda separam...

Marielle, semente! Mulheres negras eleitas provam que luta da vereadora não foi em vão

Apesar da eleição de deputados defensores do porte de...

Quem tem medo das pedagogas negras?

Não vou me demorar em responder a pergunta que...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=