Menino de oito anos é vítima de racismo no litoral de São Paulo: ‘não deveria estar aqui por ser preto’

Enviado por / FonteO Globo, por Luísa Marzullo

Agressões vieram de outras crianças em um conjunto habitacional em Praia Grande

Davi, de apenas oito anos, foi vítima de discriminação racial, injúria e ameaça dentro do conjunto habitacional onde mora, em Praia Grande, no litoral de São Paulo, a partir de outras crianças. O caso ocorreu no domingo (13), quando o menino desceu para a área comum do condomínio na tentativa de fazer amizade com moradores da sua faixa etária. Em entrevista ao G1, Priscila Romão, mãe de Davi, contou que ele sempre foi muito comunicativo e que, após o ocorrido, ficou escondido em uma parte sem iluminação do prédio.

– Ele não está bem, não quer comer, não quer brincar e chora o tempo todo. Ele sempre falou tudo certinho, mas ficou totalmente gago – revelou a mãe ao portal.

O caso foi registrado na última sexta-feira (18) na Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi), na capital paulista.  O GLOBO teve acesso ao boletim de ocorrência. No documento está descrito que dois adolescentes – um de 12 anos e outro de dez- disseram a Davi que ele não poderia estar ali por conta de sua ‘cor de pele preta’. O mais velho teria dito, inclusive, que chegaria ‘às vias de fato’ caso o menino permanecesse na área comum. Uma menina de dez anos também teria ofendido a criança de ‘macaco, negro, horroroso e nojento’.

De acordo com Ricardo Tassilo de Albuquerque, especialista em Antropologia Social e Letramento Racial pela UFRJ, o racismo visa deteriorar um grupo étnico de diversas formas e, neste caso, trata-se de uma questão estrutural.

– Essas crianças aprenderam isso em casa. Com 10, 12, 13 anos, a gente não tem estrutura e nem mesmo maturidade para aprender isso em outro lugar. O preconceito é uma herança da escravidão, uma ensinança hereditária. Nesta faixa etária, absorvemos pela confiança – comenta o antropólogo.

O especialista destaca ainda a frase de Nelson Mandela como essencial para compreender a problemática.

– Mandela foi claro ‘Ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor de sua pele, por sua origem ou ainda por sua religião. Para odiar, as pessoas precisam aprender, e se podem aprender a odiar, elas podem ser ensinadas a amar’ – completa Tassilo, que acredita que seja papel do Estado promover ações de conscientização sobre o preconceito racial.

Diante do choque, Davi ainda não consegue expressar em voz alta o trauma que sofreu e desenvolveu uma gagueira nervosa. Segundo Maria Francisco Mauro, mestre em Psiquiatria pelo PROPSAM/IPUB/UFRJ, a falta de mecanismos emocionais do menino cria este mal-estar.

+ sobre o tema

Os argentinos não são brancos

A autoimagem do país não corresponde ao que se...

Direitos humanos: ONU cobra justiça no caso Genivaldo

A Polícia Federal (PF) fez, ontem, a perícia da...

Cotas: Derrota para o Racismo

por Carlos Alberto Lungarzo texto de 30-abril-2012 Há três dias,...

para lembrar

Paraná abre concurso para contratar engenheiros

O governador Beto Richa autorizou a abertura de...

‘200+20’: ‘Temos que ensinar esta nação a ser antirracista’, diz Ana Flávia Magalhães Pinto

Em “Escritos de liberdade”, livro de 2018, a historiadora...

Webinar: Racismo no Esporte

Programação: Moderador: Caio Medauar Advogado especializado em Direito Desportivo e Membro da...

Amarildo, presente!

Por: Elaine Tavares A caminhada dos Guarani em protesto contra...
spot_imgspot_img

Fifa apresenta pacote de medidas contra o racismo no esporte

A Federação Internacional de Futebol apresentou um pacote de medidas contra o racismo no esporte. O mundo do futebol está reunido em Bangkok, na Tailândia, onde...

Tragédia no Sul é ambiental, mas sobretudo política

Até onde a vista alcança, o Rio Grande do Sul é dor, destruição. E vontade de recomeçar. A tragédia socioclimática que engolfou o estado, além da...

Para os filhos que ficam

Os seus pais vão morrer. É ainda mais difícil se dar conta disso depois de um Dia das Mães, como foi o último domingo....
-+=