Mercado da beleza acompanha empoderamento da mulher negra no Brasil

Indústria ainda é nicho, mas consumidoras têm mais produtos à disposição no mercado.

Por Amanda Veloso, do Brazil Beauty News

As indústrias da beleza e da moda definiram padrões estéticos continuamente perseguidos por consumidoras em todo o mundo. Mas em um país miscigenado como o Brasil, referências associadas a características europeias e norte-americanas raramente representam a realidade.

Mais da metade (53,6%) da população brasileira é formada por negros e pardos, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No entanto, a representatividade negra na mídia e nos ideais de beleza ainda é bastante restrita. Além disso, o mercado brasileiro de cosméticos é limitado quanto à oferta de produtos que atendem às características específicas da pele negra e dos cabelos cacheados. Resultado: o mercado formado por 104 milhões de brasileiros negros ainda é encarado como um nicho.

Nos últimos anos, porém, as brasileiras têm se identificado cada vez mais com sua própria beleza, valorizando o visual natural dos fios naturais e realçando seu tom de pele com maquiagens desenvolvidas especialmente para esse mercado. A exaltação à beleza negra ganha força em episódios como a vitória de Sabrina de Paiva no concurso Miss São Paulo 2016. Em agosto, a edição americana da revista Vogue se referiu a Taís Araújo como “a estrela de TV mais estilosa do Brasil”, em uma matéria que não apenas celebra a beleza e os looks da atriz, mas seu engajamento na luta contra o preconceito e o racismo.

A valorização dos cabelos cacheados e a busca por tratamentos que mantenham os fios saudáveis são um novo mercado que ganha força no Brasil, destaca o vice-presidente do Sistema Embelleze, Jomar Beltrame. Em 2014, a marca criou uma linha específica para o cuidado com os cachos, que foi ampliada e hoje conta com 60 produtos diferentes, entre shampoos, condicionadores, cremes e finalizadores.

Há cerca de três anos, identificamos um movimento de valorização dos fios naturais e vimos que o empoderamento das mulheres de cabelos cacheados vinha ganhando espaço no Brasil. Percebemos que era hora de investir em um novo mercado e criamos nossa primeira linha segmentada: a família Meus Cachos”, explica Beltrame. A linha Rituais Meus Cachos, um dos lançamentos deste ano, é composta por produtos formulados com óleos vegetais e ingredientes que proporcionam texturização, hidratação e combatem o frizz.

O executivo acredita que tendência veio para ficar. “Estamos fazendo pesquisas e testes ininterruptamente, para não só acompanhar essa demanda, como sair na frente com produtos inovadores”, acrescenta.

A oferta de artigos de beleza voltados à população negra é recente no Brasil e foi só a partir dos anos 1990 que o acesso se tornou possível pela indústria local, como aponta a linguista Amanda Braga, autora do livro ‘História da Beleza Negra no Brasil’. No mercado de maquiagem, esse movimento é ainda mais sutil, com uma oferta de produtos ainda tímida e pouco divulgada. A Quem Disse, Berenice? estampa belezas negras em algumas campanhas e aposta na diversidade de cores para atender às várias tonalidades de pele encontradas no país. São mais de 100 cores de batom, 70 de sombra e 50 de esmalte. Segundo a marca, bases, corretivos e pós faciais são alguns dos produtos específicos para esse mercado.

Fomos estudar a fundo os tons de pele das brasileiras e construímos uma régua de 18 tons para que cada mulher possa encontrar a base que mais combina em sua pele. Ela é fruto de um estudo realizado com cerca de 250 brasileiras, que levou em conta mulheres de 50 ascendências diferentes e 48 tonalidades de pele”, explica Marcella Nogueira, gerente de maquiagem e perfumaria da Quem Disse, Berenice?.

A Phebo, pertencente à Granado e conhecida por seus sabonetes, também possui corretivos, blushes e bases para a pele negra em sua linha de maquiagem, lançada em 2012. Os produtos são livres de óleos e parabenos, desenvolvidos para atender à oleosidade natural da pele negra.

+ sobre o tema

Escritora Elisa Pereira lança amanhã “Sem Fantasia”, seu segundo livro!

Na próxima terça-feira (29), às 19h, será lançado “Sem...

O conferencismo e o marchismo como formas de lutas políticas

Aconteceu em Brasília, em 18 de novembro, a Marcha...

“O Quarto de Despejo está vivo”, afirma filha de Carolina Maria de Jesus

Em 60 anos do livro “Quarto de Despejo: Diário...

Mulheres Maravilhosas: Cristiane Sobral

Não me lembro exatamente como entrei em contato com...

para lembrar

Camila Pitanga protagoniza viagem incrível à África do Sul

Camila Pitanga embarcou recentemente para uma experiência incrível. Junto...

Filha mais velha de Obama, Malia atrai legião de fãs com seu estilo

Filha do dono da caneta mais poderosa do mundo,...

Marielle, semente! Mulheres negras eleitas provam que luta da vereadora não foi em vão

Apesar da eleição de deputados defensores do porte de...

Ela atuou em uma série da Globo: “Meus 15 minutos de fama quase me destruíram”

A fama é uma amante cruel. Num momento, Jaqueline...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=