Michelle Obama revela que fez fertilização in vitro para gerar suas filhas

Enviado por / FontePor Agência EFE, no G1

A ex-primeira-dama dos Estados Unidos Michelle Obama revelou que se submeteu a tratamentos de fertilização in vitro para engravidar de suas duas filhas, Malia e Sasha, segundo trechos de uma entrevista divulgada nesta sexta-feira (9) pela emissora de televisão americana “ABC”.

A esposa do ex-presidente Barack Obama reconheceu que ela e seu marido decidiram optar por essa via depois que Michelle sofreu um aborto espontâneo há cerca de 20 anos, uma situação que a fez sentir “que tinha falhado”.

“Eu senti como se tivesse falhado porque não sabia que os abortos espontâneos eram tão comuns, pois não falamos sobre eles”, disse Michelle Obama em entrevista ao programa “Good Morning America” da emissora “ABC”, que será exibida na íntegra neste domingo (11).

“Essa é uma das razões pelas quais acredito que é importante falar com as jovens mães sobre o fato de que abortos involuntários acontecem”, acrescentou a ex-primeira-dama.

Michelle Obama, advogada graduada na Universidade de Harvard, explicou que, a uma certa idade, se deu conta de que “o relógio biológico é real” e que “a produção de óvulos é limitada”.

“Me dei conta disso quando tinha 34 e 35 anos. Tínhamos que fazer fecundação in vitro”, afirmou Michelle Obama, cujas filhas, Malia Ann e Sasha, têm agora 20 e 17 anos, respectivamente.

O casal Obama gozou de longas férias em lugares exóticos depois que Donald Trump assumiu a presidência, mas, depois deste período, os dois voltaram a marcar presença em eventos públicos.

A fertilização

Obama ao lado das filhas Malia (esq.) e Sasha (foto de arquivo)  (Foto: Reuters/Pete Souza/Casa Branca)

A técnica começa com a estimulação da ovulação na mulher através de hormônios por um período que pode ser de 8 a 12 dias. Os óvulos maduros são retirados e depois fecundados por um espermatozoide fora do organismo, em laboratório.

Na fertilização in vitro clássica, os óvulos ficam 24 horas em meio de cultura com espermatozoides à espera de serem fecundados naturalmente.

Já a injeção intracitoplasmática de espermatozoides envolve a injeção de um único espermatozóide diretamente no óvulo. Esta técnica foi desenvolvida no início dos anos 90 como um tratamento para a infertilidade masculina, mas agora é a forma mais praticada.

A partir deste momento formam-se os embriões. Alguns dias depois, o especialista em reprodução avalia quantos desses embriões se desenvolveram para serem implantados no útero da paciente e possivelmente gerar um bebê.

 

+ sobre o tema

Michelle Obama: ‘Muitos dos homens que estão em posições de liderança não merecem estar’

Ex-primeira dama americana faz tour pela Ásia para defender...

Ministro Paulo Guedes, fui empregada doméstica e preciso te dizer uma coisa

O Brasil ainda vive um ranço colonial. Por isso,...

Vilma Reis toma posse como Ouvidora Geral da DPE

“Nas noites em que pacientemente cosemos as redes da...

para lembrar

Tom Morello volta ao Brasil e pede justiça para Marielle

Quem acompanha a trajetória do guitarrista Tom Morello, sabe...

Filha mais velha de Obama, Malia atrai legião de fãs com seu estilo

Filha do dono da caneta mais poderosa do mundo,...

Gaby Amarantos fala sobre racismo: ‘Aperta o coração’

Única mulher negra no sofá do "Saia justa", do...

Ela atuou em uma série da Globo: “Meus 15 minutos de fama quase me destruíram”

A fama é uma amante cruel. Num momento, Jaqueline...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=