Milhares de pessoas marcham em Paris no maior protesto contra a reforma trabalhista

Pelo menos 60 presos e 40 feridos na marcha que foi o ponto alto das mobilizações sindicais

Por CARLOS YÁRNOZ, do El Pais 

Philippe Martinez, o líder da CGT, o principal sindicato da França, queria desmentir na rua aqueles que predizem um declínio da pressão social contra a reforma trabalhista. A mobilização, que começou há três meses, culminou na terça-feira com a primeira demonstração de nível nacional em Paris, em plena Eurocopa. Participaram cerca de 80.000 pessoas, segundo a polícia (um milhão, segundo os organizadores) e houve confrontos com policiais, pelos quais foram presas 60 pessoas e 40 ficaram feridas (incluindo 29 policiais), segundo a direção da polícia. A CGT deu, assim, uma demonstração de força em um braço de ferro com o Governo que Martinez quer levar “até o fim”, apesar de já ter consumido seus principais trunfos.

Desde o início dos protestos, em março, houve dezenas de manifestações, mas a de terça-feira foi a única que a CGT planejou para trazer à capital trabalhadores e estudantes de todo o país. Martinez disse que essa marcha em Paris foi “uma demonstração” de que a mobilização não perdeu fôlego, mas que está aumentando. Em cidades como Marselha e Toulouse também houve manifestações na terça-feira.

O percurso em Paris, de mais de cinco quilômetros entre a Place d’Italie e os Invalides, foi completamente preenchido com cortejos de diferentes seções locais e regionais dos setores industriais e de serviços. Martinez estava convencido de que seriam superados amplamente os números da manifestação de 31 de março, a maior já registrada até agora: 390.000 pessoas em todo o país (1,2 milhão, de acordo com os sindicatos, e 28.000 em Paris). Agora, os números em toda a França foram de 125.000, segundo a polícia e 1,3 milhão de acordo com os sindicatos.

As centrais sindicais tinham fretado mais de 700 ônibus para o transporte de militantes e simpatizantes, mas Martinez disse que vários empresários se recusaram a fornecer seus veículos.

Uma hora e meia depois do início da manifestação de Paris aconteceram graves incidentes e confrontos com a polícia. Dezenas de encapuzados destruíram vitrines e mobiliário urbano, viraram carros e incendiaram veículos estacionados, enquanto lançavam garrafas e outros objetos nos policiais. Alguns desordeiros destruíram quinze grandes vidraças do importante hospital Necker.

 

Continue lendo aqui 

 

Leia Também: 

Conheça 55 ameaças aos seus direitos em tramitação no Congresso Nacional

+ sobre o tema

EUA se abstêm pela primeira vez em voto na ONU contra embargo a Cuba

Pela primeira vez, os Estados Unidos se abstiveram de...

“É melhor morrer em pé do que viver de joelhos”

Quem ama as liberdades democráticas que se mire em...

Peritos das Nações Unidas avaliam condições de vida dos africanos em Portugal

Por: António Pereira Neves Genebra, 14 mai...

Cornel West: Goodbye, American neoliberalism. A new era is here

Trump’s election was enabled by the policies that overlooked...

para lembrar

Alckmin comemora pesquisa e diz que deixará secretaria na quinta-feira

Provável candidato do PSDB ao governo de São Paulo,...

Judith Butler: “Matar é o ápice da desigualdade social”

Filósofa norte-americana, alvo de protestos no Brasil no ano...

A filosofia da arte e o valor terapêutico de cuidar do bonsai

PODE AJUDAR A EXERCITAR A PACIÊNCIA NESTE MUNDO DE...

Lula defendeu o piso salarial de R$ 1.024,00 para professores

Categoria está em greve em São Paulo; sem Dilma,...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...
-+=