Guest Post »
Militância negra repudia obras de rafucko

Militância negra repudia obras de rafucko

Exposição de anti-souvenirs do artista e humorista Rafael Puetter, o Racfucko, tem cunho racista, de acordo com movimento negro

Por 

No dia 12 de Abril, militantes do movimento negro organizaram ato em frente ao Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica, Rio de Janeiro, para manifestar desconforto e repúdio às obras da “Expo Monstruário” de Rafael Puetter, o Rafucko, parte do projeto ComPosições Políticas. O Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica recebe também as obras de outros 11 artistas, entre eles, 6 moradores das favelas cariocas.

Racfucko criou produtos alusivos à violência do estado carioca contra a população negra. Entre os materiais, há um cartão postal com jovens negros em posição de abordagem policial e um carro com diversas perfurações, em lembrança aos 5 jovens assassinados com 111 tiros pela Polícia Militar. O preço do produto é de R$ 111,00.

A mercantilização de objetos que fazem alusão ao sofrimento da população preta, pobre e periférica causou revolta na comunidade negra. Robin Batista, autor de texto crítico sobre a obra de Rafucko, relata o seu desconforto com a venda do sofrimento negro. “Além do problema de tocar em uma ferida de forma insensível ao que as pessoas diretamente atingidas poderiam sentir, tornar isso um produto banaliza ainda mais a dor que sentimos”.

ImagemMonstruário2

ImagemMonstruário3

Para Marcos Romão, coordenador do SOS Racismo e do portal Mamapress, o problema central não é a venda dos anti-souvenirs, mas sim o racismo embutido neles. “A questão não é a mercantilização. A questão é que se está vendendo um produto racista. Se ele fizesse uma obra anti-racista e ganhasse dinheiro, não teria problema. Quanta gente não ganha dinheiro com isso. O que está acontecendo é a banalização do racismo”.

O posicionamento controverso de parte da esquerda com relação à questão racial é um tema delicado. Romão lembra inclusive de posicionamento racista tido pelo jornal O Pasquim, símbolo de resistência durante a ditadura militar, para dizer que existem diversos grupos de esquerda. “Há esquerdas e esquerdas. Há a esquerda que quer sempre colonizar e a outra que é aberta à discussão e realmente quer combater o genocídio”. Na época, o movimento negro exigiu retratação e o Pasquim se desculpou pelo ato.

ImagemMonstruário5

ImagemMonstruário4

Rafucko

Em sua página oficial no Facebook, o artista pediu desculpas e concedeu explicações sobre as suas intenções com a obra.

A imagem do carro fuzilado 111 vezes é emblemática desta violência, e por isso achei que poderia usá-la como símbolo da minha crítica. Não queria, com isso, causar mais sofrimento para pessoas cuja dor eu não posso nem mensurar. Sou homem, branco, de classe média, e não sou alvo direto desta violência. Mas ela me atravessa, como humano. E tenho a consciência de que sou, assim como toda a população, co-responsável por esta dinâmica, pois as balas que saem dos fuzis de policiais são financiadas por nós. Por isso, peço desculpas às pessoas que se sentiram ofendidas e pelo impacto negativo que isso causou nas famílias que perderam entes queridos. Reconheço que deveria ter havido mais reflexão sobre estes aspectos durante o processo criativo. Espero que ainda assim consigam ver que existe lugar e urgência para todos na luta por direitos humanos e valorização da vida”.

Sobre a intencionalidade de Rafucko, Marcos Romão pensa que isso não é o ponto central. “Provavelmente não tinha a intenção de ser racista, mas o tiro foi dado e foi um tiro no pé. Se havia a intenção de ajudar as pessoas, não ajudou. Se havia a intenção de denunciar algo através do seu trabalho de arte, não denunciou. Muito pelo contrário, reforçou os preconceitos e o racismo que se tem em relação ao negro na sociedade”.

Debate no centro Hélio Oiticica e os desdobramentos

Dezenas de pessoas foram no dia 12 de Abril ao local da exposição para debater com o artista, Rafael Pueter, o Rafucko. Depois da conversa e da pressão feita pela comunidade negra, foi pedido que o vídeo e o evento no Facebook de divulgação dos anti-souvenirs fossem apagados. As obras da exposição não fazem mais parte do acervo da ComPosições Políticas  desde o dia 9 de Abril, sábado.

AtoExpo2

AtoExpo1

 

Luana Viera, integrante do coletivo Frener, compareceu ao protesto e relata as barreiras postas para que a comunidade negra participasse do debate com Rafucko. Ela contou que enquanto a manifestação começava do lado de fora, os portões foram trancados e as senhas para a entrega de senhas para a entrada cessadas. O caminho foi pulas as janelas. “Foi doloroso ter que nos submeter a pular janelas, nos remeter a um passado doloroso de situações degradantes para ter acesso a um debate que falava de nós, sobre nossa articulação como comunidade e sermos impedidos. Eu como mulher preta, mãe de conco filhos, me senti humilhada. Meus direitos como cidadã foram totalmente violados”.

Luana recorda que muitas críticas foram feitas e pedidos foram postos. Mesmo sem a resposta oficial do artista, ela pensa que a mensagem foi transmitida. “Foi pedido para que ele fizesse uma reflexão e que escrevesse uma nova carta, mais coerente e sensata assumindo sua culpa e reconhecendo seus privilégios e também mostrasse aos seus fãs que o estão defendendo, que até ele viu que fez um desserviço e por isso não quer apoio para o trabalho que realizou”.

Composições Políticas é um projeto realizado pela Bonito e Compri em parceria com o Observatório de Favelas/Galpão Bela Maré, e conta com a colaboração do Dissidências Criativas,  do coletivo Maré Vive, e do Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica. ComPosições Políticas tem patrocínio da Prefeitura do Rio de Janeiro e ficará em aberto até o dia 25 de maio.

 

Related posts