Militante feminista do movimento negro é inserida em grupo de neonazistas e vira alvo de ataques racistas

Grupo é composto por homens que se autodefinem como “hetero normais” e que “odeiam gays e nordestinos”

No dia do seu aniversário, ocorrido no último domingo (8), a influencer e militante do movimento negro de Colatina (ES), Carol Inácio, ganhou o seu pior presente: teve o seu número de telefone inserido em um grupo de WhatsApp autodenominado “Homens nazistas” e sofreu uma série de ataques racistas.

Assim que teve o seu número inserido no grupo, os ataques começaram: “Negras fedem a bicho”, “mesma coisa que transar com animal”, “no BBB 2022 poderia ter uma senzala de vidro só para negros”.

Além dos ataques acima, Carol Inácio recebeu outros tão odiosos quanto: “Se chegar uma Nêga Obesa pra você, dizendo que você é privilegia e tem que dar a vez para ela, o que vai fazer?”, perguntou um dos membros do grupo nazista, e teve como resposta: “dou uma paulada na cabeça dela”.

A militante acredita que foi inseria no grupo por conta do seu posicionamento político e por ser integrante do Movimento Mulheres Negras de Colatina.

Em suas redes, Carol Inácio revelou que já procurou as autoridades e que registrou um Boletim de Ocorrência, pois, “tem medo de que algo pior aconteça”.

Apesar das ameaças, a militante afirmou que não vai se ausentar da luta política. “Reafirmo, não vou me ausentar da luta, independente das ameaças, eu só quero que as autoridades competentes investiguem esses casos. Estamos vivendo um retrocesso”, declarou Carol Inácio.

Homens opressores e nazistas

De acordo com informações d’O Globo o grupo no qual Carol foi inserido se chama “Realities – Red Pill Opressor” e se descreve como: “Somos homens, brancos, hetero normais, devido a isso te oprimimos, né? Portanto, assuma seu lugar de inferioridade total”.

Abaixo da descrição, mais informações dão tônica do grupo: “gayzismo é doença” e “feminismo é lixo”.

O grupo é administrado por um homem com o nome de Anderson e o telefone dele possui o código de Massachusetts (EUA) e ele se descreve como uma pessoa nazista e que odeia gays e nordestinos.

+ sobre o tema

Ativistas negros interrompem discurso de Hillary Clinton no sul dos EUA

Ativistas afro-americanos do grupo "Black Lives Matter" ("Vidas Negras...

Quatro teses contra a acusação de vitimismo de negros, mulheres e LGBT

Para Aristóteles, o termo falácia significa um raciocínio falso...

O racismo começa na gravidez

Série de reportagens aborda a realidade de mulheres negras...

Merkel se solidariza com deputadas atacadas por Trump

O presidente dos EUA disse que as parlamentares deveriam...

para lembrar

spot_imgspot_img

Tragédia no RS apaga pessoas negras e escancara racismo ambiental

No início dos anos 2000, viajei a Mato Grosso do Sul para participar de um evento universitário. Lembro que na época eu causei espanto...

Racismo em escolas de Niterói: após reunião com mãe de dois adolescentes vítimas de insultos, deputada vai oficiar MP, polícia e prefeitura

Após uma reunião com Renata Motta Valadares, mãe de dois adolescentes de Niterói que foram vítimas de racismo em duas diferentes escolas particulares, a deputada estadual...

Câncer: racismo aumenta mortes entre população negra, indica estudo

Dados do Ministério da Saúde, levantados por pesquisadores do Rio de Janeiro e divulgados em abril último, demonstram que o acesso ao diagnóstico e...
-+=