Militar que não sabia estar grávida dá à luz no Afeganistão

Britânica só descobriu trabalho de parto ao reclamar de dores abdominais; regras impedem grávidas no front

 

CAMP BASTION, HELMAND, AFEGANISTÃO – Uma militar britânica deu à luz um menino durante uma missão no Afeganistão, sem saber que estava grávida. O parto foi realizado no acampamento militar britânico Camp Bastion, na Província de Helmand, uma das mais instáveis do país.

O bebê nasceu prematuro de cinco semanas. “Mãe e bebê estão em condição estável”, afirmou o Ministério da Defesa britânico em um comunicado. A mulher, uma soldada da Artilharia Real que não foi identificada, somente descobriu que estava prestes a dar à luz após reclamar de dores abdominais.

A criança foi concebida antes de sua chegada ao Afeganistão, em março. De acordo com a imprensa britânica, a soldada seria originalmente de Fiji.

Assistência

Segundo o Ministério da Defesa, a política militar não permite que mulheres sejam enviadas ao campo de batalha quando estão grávidas, mas que neste caso específico a gravidez era desconhecida. Uma equipe de pediatras viajará especialmente da Grã-Bretanha ao Afeganistão nos próximos dias para dar a assistência adequada à mãe e à criança e acompanhar a remoção dos dois do país.

Esta é a primeira vez que uma soldada britânica dá a luz na frente de batalha, mas desde 2003 cerca de 200 militares já tiveram suas missões interrompidas no Iraque e no Afeganistão após descobrirem que estavam grávidas. No ano passado outra soldada deu à luz apenas duas semanas após retornar de um período de seis meses no Afeganistão.

Gravidezes não detectadas são raras, mas em alguns casos as mulheres não têm aumento visível do tamanho da barriga e a menstruação não é interrompida. Uma pesquisa realizada em 2002 na Alemanha verificou que 25 de 475 mulheres não sabiam que estavam grávidas quando entraram em trabalho de parto.

BBC Brasil – Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

 

 

Fonte: Estadão

+ sobre o tema

Contra homofobia, Beyoncé faz bandeira LGBT humana no palco; assista

Sempre surpreendendo, a cantora Beyoncé fez uma bandeira LGBT...

Objetivo de princesas da Disney não é mais o casamento, revela estudo

Na Disney, histórias de princesas são negócio de gente...

Publicada nomeação da professora Matilde Ribeiro para o cargo de diretora do Campus dos Malês

Nesta quinta-feira (22), foi publicada no Diário Oficial da...

para lembrar

Inscrições para Prêmio Marielle Franco vão até junho

Os textos para o Prêmio Marielle Franco devem ser...

Jean Wyllys apresenta projeto para legalizar o aborto no País

Na contramão das propostas da bancada conservadora que ganharam...

Viveremos por Sueli Carneiro

A mulher que cuida das crianças pede ao menino...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...
-+=