Minha mãe e Luíza Brunet – As Marias

(belas não recatadas e não do lar)

Por Eloa Kátia Coelho Enviado para o Portal Geledés

Luíza Brunet foi corajosa ou simplesmente foi mulher do seu tempo?
Minha mãe também foi corajosa criou 5 filhos, foi mulher do seu tempo!
Por muito tempo tive sentimento profundo de abandono materno.
Até que entendi que ela era vítima de uma sociedade estruturada no patriarcado, no machismo e na lavagem de honra…

Nossa! Que bom que na vida tem este tempo: – Até que…
Por que vítima não pode ser tratada como culpada em hipótese alguma.
Mas infelizmente hoje os tempos são outros, será?
Acho que sim, vejamos…

O tempo foi meu amigo e até que senti e entendi que a coragem dela, minha mãe, estava em trabalhar para garantir as condições favoráveis em ter 5 filhos somente a estudar e estudar e estudar…

Ela colocou comida na mesa e livros na mochila!
Ficaria triste se Luíza Brunet não fosse à mulher do seu tempo…
Porque coragem a gente sabe que ela tem…

E muita, aliás, vem de uma família de muita coragem e muita labuta…
Sabe o que é ser pobre e mesmo rica não negou suas origens e nem escondeu a sua 1ª profissão de babá (doméstica).

Minha mãe não foi babá e nem doméstica era Cozinheira Internacional de forno e fogão, ganhava muito R$…

Se fosse bem administrado seríamos ricos e muito.

Era muito requisitada pelos melhores restaurantes da cidade.

Cozinhar era sua terapia, sua vida e o fazia muito bem.

Mas o que aproxima estas duas mulheres, afinal você deve estar a perguntar?
A relação com que os homens as tratam, as coisificam, ou tão pior como as maltratam ou desfilam como troféu…

Meu pai casou com minha mãe porque ela era linda e muito linda mesmo…
Sei que também gostava dela, mas isto não foi o limite/suficiente para, por vezes, aliás, muitas vezes, desrespeitá-la, inclusive, publicamente.

O preço de sua beleza, baseado no machismo estruturado dava a ele, infelizmente, o direito de ficar incomodado com qualquer olhar que aparecia, afinal ela era bela e beleza é vista por diversos olhos e contemplada por diferentes pessoas, né Luíza?

E isto ao julgamento dele era motivo de violência psicológica, hostil e abusiva pelo fato dela ser bela e ter autonomia econômica.

Ela tinha o que muitas mulheres não tinham a tal da autonomia econômica assim como a Luíza e tantas Marias; Estranhamente esta autonomia econômica ela investiu diretamente, em nós, seus filhos e não nela, por quê?

Ela estava sob o invólucro e/ou envoltório da cultura do seu tempo.
Oprimida colocou sua válvula de escape no trabalho e virou workaholic.
De verdade mesmo convivíamos com ela aos sábados a tarde e domingo o dia inteiro.
Acredito que então o que sobrou, a ela foi se agarrar na maternidade e virar a supermãe.
Muito super mãe…

Ele a queria e a tratava como dono, ele a coisificou no seu tempo.
Este é o patriarcado, o machismo, o princípio da violência doméstica, de relações abusivas e de agressões físicas, Luíza que o diga assim como tantas Marias que estão por aí!
Linda e muito lindas… E daí?

Ele a queria e a tratava como dono, ele a coisificou no seu tempo.
Este é o patriarcado, o machismo, o princípio da violência doméstica, de relações abusivas e de agressões físicas, Luíza que o diga assim como tantas Marias que estão por aí!
Linda e muito lindas… E daí?

Sem voz e sem falas, elas se esquecem da vida colorida e perdem suas próprias identidades.
Na maioria das vezes viram co-dependentes do seu agressor, muito parecido com a síndrome de Estocolmo; Esta opressão desencadeia baixa estima, inseguranças, fobias, transtornos afetivos, transtornos psíquicos assim como altos índices alarmantes de suicídios.

Sem voz e sem falas, elas se esquecem da vida colorida e perdem suas próprias identidades.
Na maioria das vezes viram co-dependentes do seu agressor, muito parecido com a síndrome de Estocolmo; Esta opressão desencadeia baixa estima, inseguranças, fobias, transtornos afetivos, transtornos psíquicos assim como altos índices alarmantes de suicídios.

+ sobre o tema

Jovens, mulheres e negra

Ontem, a Assembleia Legislativa abrigou o seminário Jovens Negras...

“Mulheres negras na primeira pessoa”, por Jurema Werneck, Nilza Iraci e Simone Cruz

Histórias reais reproduzidas em primeira pessoa. O livro "Mulheres...

Guia colaborativo reúne denúncias de machismo em bares e baladas

Você já foi vítima de machismo em algum bar...

A Cidade Ideal das Mulheres

Problemas envolvendo mobilidade, acessibilidade e segurança atinjam a todos,...

para lembrar

15 filmes dirigidos por mulheres para ver agora

De "Selma" a "Bicho de Sete Cabeças", iG seleciona...

SP: Kassab confirma veto a projeto do Dia do Orgulho Hétero

O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, decidiu vetar...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Moraes libera denúncia do caso Marielle para julgamento no STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), liberou nesta terça-feira (11) para julgamento a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra...
-+=