quinta-feira, outubro 29, 2020

    Tag: Eloá Katia Coelho

    “A Vida e a Morte” (1916), Gustav Klimt - Reprodução

    Efeito colateral

    Tira o pé do meu pescoço... Eu não consigo respirar Lastro da realidade Onde está? Não é pontual! É constante... E se eu fechasse os olhos agora? Tira o pé do meu pescoço... Eu não consigo respirar. Estou sem ar... Você já me matou ontem Imploro a minha vida hoje Tire o seu peso do meu pescoço Eu não consigo respirar. Dor Morte Sofrimento Minha alma Desalma Efeito colateral Num processo seletivo Da morte a espreitar Ao enterro seletivo Milhares de vidas ceifar As palavras me faltam As letras também Saravá Axé Amém Mesmo que ore Mesmo que chore Mesmo que implore Mesmo que... Cadê você? O efeito colateral Disseminou descomunal Ansiedade generalizada Pânico Agorofobia TOC Calafrio Falta de ar Sudorese Fome Abandono MORTE MATADA Efeito colateral Onde está polícia quando eu precisei? Onde está polícia quando vou precisar? Truculência policial Polícia para quem precisa? O PM no pescoço pisa ...

    Leia mais
    Obra "Raízes do Céu" dos artistas paulistanos do Estúdio Bijari - (Divulgação;/Imagem retirada do site Brasil de Fato)

    Tudo agora é escombro

    Deram o novo nome a pandemia / De covid-19 / Mas foi em 18 / Que elegeram o 17 Nos sons do berro da dor Território de guerra declarada Farelos humanos Indecisão de amor Solidão da morte marcada Cedê los hermanos? Há morte antes do tiro Da casa Do cemitério Do coveiro Do caixão Do novo coronavírus Tudo é uma prisão Do hospital ao hospício Assombro do estágio Do novo coronavírus Colapsada democracia Assolapada emoção Deram o novo nome a pandemia De covid-19 Mas foi em 18 Que elegeram o 17 A porta do inferno foi aberta Vírus humano da destruição Estado de Direito? Exceção! Tudo agora é prisão Ela não caiu não. Faveladx Pretx Sapatão Gay Macumbeirx PCD Maconheirx Puta TTT Há morte antes do tiro Do antigo coronavírus Vem cá me dá a mão! Assustada Violada Estuprada Maltratada Com hematoma Ela não caiu não A rota crítica Conceitua ...

    Leia mais
    Adobe

    PoRos Da aLMa noS OmBros Da NoiTe

    Os poros da minha alma choraram Respingaram sangue. Vi os pingos cair na lua O oceano derreteu, a montanha caminhou, o vento congelou, o ar secou, o fogo desapareceu. Estou do avesso A.V.E.S.S.O Os poros da minha alma choraram Respingaram sangue. O som enxergou, a voz viu, o olhar ouviu, a pele sentiu: O afeto, o abraço & o corpo... Desapareceram 1 à 1, 2 à 2, 3 à 3... Estou suspensa na nuvem Amanhã foi ontem mais uma vez hoje Os poros da minha alma choraram A terra derreteu, o âmago soluçou & nas entranhas da terra se equacionou, o último susssuro. Vírgula, Reticências Etcetera e tal Ponto Final. Os poros da minha alma choraram Respingaram sangue. Estou do avesso A.V.E.S.S.O O último susssuro, o afeto, o abraço, o corpo Desapareceram 1 à 1, 2 à 2, 3 à 3 Estou pairada no ar O espírito levita, evita voltar ...

    Leia mais

    Danuza? Não me usa!

    Danuza? Não me usa! Por Eloá Katia Coelho enviado para o Portal Geledés  Não é Não! Viu Leão? Resposta à Danuza. Danuza... Não me usa! Quando li soube que reação haveria. Inquietou quem resposta dar-te-ia. Ecoou onde deveria... Em mim! Aqui é o começo e não o fim. Reacendeu a violência Que sofri com frequência Não, não morri... Sobrevivi! Tenho autoridade "de lugar" Daqui vou falar: Pra responder com certeza... A sua indelicadeza. De meu corpo querer também generalizar... Saiba: - que não sou vulgar, usual ou trivial. Danuza? Não me usa. Você não sabe nem os nomes das que sobreviveram... Imagina das muitas que morreram? De suicídio De morte matada Feminício... Aterrorizada? In Memoriam à Maria... Que Danuza pensou que conhecia... Eu sabia que ela não sabia... Ela não sabia que eu sabia... Quis falar pra propagandear? Receba minha resposta a nivelar. Não haverá mais senzala e casa grande. Agora ...

    Leia mais

    O amor, o armário e a armadilha.

    (A porta entreaberta) Por Eloá Kátia Coelho Enviado para o Portal Geledés Retire a mascara Mostre ao mundo a cara... Veja estamos na primavera Nesta estação à vida é colorida e bela... Rompa o silêncio interno... Nem que seja no próximo inverno... Hei? Saia do armário. Não seja mais um voluntário; Deste jogo que é imaginário. Quer saber retardatário?! É mais uma que adverbializam.  Porque as emoções imobilizam... Dessecam todo o corpo... E com foco vira um escopo. O cérebro ficou oco... Então, se o amor for pouco dê o troco. Não inspira? Nem respira... Nem viu... Não sentiu... Pô! Não tem ar... Não deixam amar. É mais uma marionete... Nem mexe, nem remexe e nunca opinião pública remete... É mais uma ninguém... Que dá amém e nem sabe para quem? Aprenda espontaneamente do amor falar... Ele a libertará... E assim asas há para voar... Na vida pode se perder para depois ...

    Leia mais

    O amor entre duas mulheres negras no pé de BAOBÁ

      A dor que rasga a alma o faz para deixá-la maior, mais larga, mais profunda e mais exigente a fim de caber mais VIDA a fim de caber mais AMOR Por Eloá Kátia Coelho enviado para o Portal Geledés Era sábado, sol quente. Ela chegou. Não sei de onde venho, mas venho... Ao passar seus olhos leram minha alma Os meus a sua e com muita calma. Nos despimos literalmente depois... Ali se iniciou um vínculo, uma ligação, uma relação onde não estávamos mais sois. Silenciosamente o desejo apareceu e começou a tomar forma. Era o que acontecia a elasticidade que informa, conforma e transforma. Havíamos feito a parte mais difícil, ficar de alma nua, diante da vida. Queríamos ter no coração palavra aquecida Naquela madrugada fizemos amor, depois amor e depois mais amor e assim foi paulatinamente. Era por deveras envolvente. O acarinhar em nossos corpos de ébano. Era ...

    Leia mais

    Minha mãe e Luíza Brunet – As Marias

    (belas não recatadas e não do lar) Por Eloa Kátia Coelho Enviado para o Portal Geledés Luíza Brunet foi corajosa ou simplesmente foi mulher do seu tempo? Minha mãe também foi corajosa criou 5 filhos, foi mulher do seu tempo! Por muito tempo tive sentimento profundo de abandono materno. Até que entendi que ela era vítima de uma sociedade estruturada no patriarcado, no machismo e na lavagem de honra... Nossa! Que bom que na vida tem este tempo: - Até que... Por que vítima não pode ser tratada como culpada em hipótese alguma. Mas infelizmente hoje os tempos são outros, será? Acho que sim, vejamos... O tempo foi meu amigo e até que senti e entendi que a coragem dela, minha mãe, estava em trabalhar para garantir as condições favoráveis em ter 5 filhos somente a estudar e estudar e estudar... Ela colocou comida na mesa e livros na mochila! Ficaria triste se ...

    Leia mais

    Orlando/USA é aqui (todos os dias)

    Por Eloá Kátia Coelho Enviado para o Portal Geledés Nasceram do mesmo útero da vida Um com visão dividida Então, colocou uma dúvida. E quis ser por ela promovida... Apenas fui eu e disse: - não fiz nada que me incrimine Porque conceito não me define Mas há quem afirme Que minha identidade sexual É um baita pecado mortal Declarou sentença de morte coletiva Como se eu não tivesse, do meu corpo, a prerrogativa? Minha identidade sexual não é, na sua vida, uma alternativa. De propagar, rastro de ódio, como perspectiva. Nem me venha com negativa Não aceitarei uma intimativa Porque tenho muita saliva De militância ativa Junto aos meus, muita iniciativa. Não viverei apreensiva... Para sua ofensiva Descomunal Tenho a compreensiva e afirmativa da minha identidade e tal; Não vai colocar, na minha felicidade, ponto final. Eu amo por que amo Por isto que eu chamo... Eu clamo: - Que pecado mesmo ...

    Leia mais

    Grades de ferro e vidro no corpo da menina.

    A dor dela é minha dor. Por Eloá Kátia Coelho Enviado para o Portal Geledés A tristeza dela é minha tristeza. O choro dela é o meu choro. O corpo dela é o meu corpo. Não foi estuprada foi impiedosamente morta pelas mãos dos 33 que ejacularam em seu corpo todo o ódio e loucura da humanidade. Sociopatas? Psicopatas? Narcisistas doentes? Não me importa o perfil Lhe focaram com um fuzil. Querem que eu acredite que ela foi estuprada. Não foi! Foi morta! Fria e cruelmente assassinada. Recebeu 33 balas, a queima roupa, na cara, no corpo e não resistiu... Morreu deste que EVA existiu. Calculado. Premeditado. Eles foram “quase” que 1 a 1 liberado... Aos 13 anos ainda criança, teve outra criança. Aos 16 anos arrancaram a alma com mórbidas conversas e agressões. Brutais Eles eram animais. Vomitaram. Pisotearam. E riram de todas nós... Como se fosse cultural. Não é não! E ...

    Leia mais

    Amor do mesmo Gênero

    Enviado por Kátia Coelho via Guest Post para o Portal Geledés Não, não foi efêmero foi amor do mesmo gênero. Amei-te todas às vezes que pude... E às que não pude. Também te amei! Pensei em ti todos os dias... E os dias que não pensei. Eu pensei também! Colhi todas as flores que tinham... E as que não tinham. Eu plantei! Cantei todas as músicas que sabia... E as que eu não sabia. Eu inventei! Sonhei todos os sonhos possíveis... E os impossíveis. Também sonhei! Trilhas, matas, chão batido, asfalto, montanhas, picos, cachoeiras, beira de estradas... Fui ao encontro e me retirei... De cada lugar o contemplar acompanhei. Nesta natureza profundamente mergulhei; Olhei para o céu me aconselhei... O rito de passagem me presenteei, me edifiquei e sim testemunhei ... Fisicamente quando necessário, árvores, muros, cordas pulei e suei!  Ad litteram racismo, preconceitos e discriminação confrontei...     E os ...

    Leia mais
    afro

    Aquela mulher negra bela

    Aquela mulher negra bela A vista uma estrela amarela Enviado por Eloá Kátia Coelho via Guest Post para o Portal Geledés  A solidão da mulher negra. Na emoção dolorida emigra... E paulatinamente a alma deflagra. Esta situação que é a solidão... Não tem compaixão! De dia seu coração desintegra; De noite seu peito sangra. Instaura-se como uma regra. Como se fosse uma guerra. Esta mulher apaixonada... Fica sozinha na madrugada. Deveras queria ser alegra! Pouco acompanhada e silenciosamente amada... Na solidão não encontra nada. Antes de seu corpo ser tocado... Quer afeto antecipado! Ela deseja... Que lhe veja! Esta solidão quando nasce... Viva como escarlate cresce... E a alma convalesce... A dor floresce! E a mulher que está dentro dela decresce... E nada mais aparece, pois ela emudece... E tudo ao seu redor ladeira desce... Acha que não tem mais amor no mundo para ela; E pela janela dela aquela mulher ...

    Leia mais
    José Lucena/Futura Press

    Se vc é pobre, se vc é preto e se vc é periférico a polícia te matou ontem!

    Os jovens amigos de infância foram FUZILADOS covarde e brutalmente por quem haveria de protegê-los: A POLÍCIA! Enviado por  Eloá Katia Coelho via Guest post para o Portal Geledés  Pela memória de Roberto de Souza, 16 anos, Carlos Eduardo da Silva Souza, 16, Cleiton Corrêa de Souza, 18, Wesley Castro, 20 e Wilton Esteves Domingos Junior, 20 anos meu clamor, minha dor, meu estado de insegurança pura no Brasil. A polícia brasileira tirou a minha possibilidade de ser mãe biológica! Não tive filhos com pânico e medo da polícia matá-los afinal moro no Brasil. Me perdoe vida, sinto muito, pois a minha descendência do ventre não terei. Sei que não queria enterrá-los como fizeram hoje no RJ os pais de 5 jovens negros que foram covarde e brutalmente assassinados pela polícia que devia protegê-los mas os assassinou.... Me perdoe vida, sinto muito, pois a minha descendência do meu ventre não ...

    Leia mais

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Twitter

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist