Amor do mesmo Gênero

Não, não foi efêmero foi amor do mesmo gênero.

Amei-te todas às vezes que pude…

E às que não pude.

Também te amei!

Pensei em ti todos os dias…

E os dias que não pensei.

Eu pensei também!

Colhi todas as flores que tinham…

E as que não tinham.

Eu plantei!

Cantei todas as músicas que sabia…

E as que eu não sabia.

Eu inventei!

Sonhei todos os sonhos possíveis…

E os impossíveis.

Também sonhei!

Trilhas, matas, chão batido, asfalto, montanhas, picos, cachoeiras, beira de estradas…

Fui ao encontro e me retirei…

De cada lugar o contemplar acompanhei.

Nesta natureza profundamente mergulhei;

Olhei para o céu me aconselhei…

O rito de passagem me presenteei, me edifiquei e sim testemunhei …

Fisicamente quando necessário, árvores, muros, cordas pulei e suei!

 Ad litteram racismo, preconceitos e discriminação confrontei…    

E os diversos descaminhos eu repaginei, redesenhei e ultrapassei.

Sozinha, fiz todos estes lugares com o peito cheio de amor.

E com o corpo de ardor…

A história de minha autoria então virou clamor.

Li o mapa lunar, saí na chuva descalça.

A tua procura falei e desesperada teu nome gritei!

Senti o vento forte…

Contei as estrelas cadentes de sul ao norte…

Vi por do sol, fada madrinha, unicórnio, áurea boreal, anjo de três asas, Iemanjá, trevo de quatro pontas, saci Pererê, libélula.

Perambulei pelo deserto de Dakar, visitei santuários,

Fiz o caminho de Santiago de Compostela…

Assim que cheguei a Paris.

Minhas malas desfiz…

Fui do Oiapoque ao Chui.

E ao teu lado também nestes lugares fui feliz.

Ainda embriagada deste amor embaixo da árvore Baobá cantei.

De verdade me entreguei!

E ao jogar búzios meus ancestrais reverenciei…

Assumi a minha afrocentricidade, me edifiquei…

Então na vida ritmei…

E com os Orixás descansei…

Ajoelhei-me, e lá demorei.

E em silêncio profundo eu fiquei.

Orei e jejuei, 

Jejuei e orei.

E pelo  despertar ao tempo aquela  bendita bênção supliquei…

Meu coração dei…

Minha fé aumentei…

A dúvida lá deixei…

 Em outra dimensão entrei…

Diversas lições tirei…

Por fim minha alma acalmei.

E quando eu te achei?

Eu me encontrei! 

De tamanha alegria chorei…

Enfim, no percurso do repercusso, voltei!

Diante de ti todas as manhãs que te vejo.

Vem aquele desejo que por certo prevejo

Ah, com meu olhar te antevejo…

Este sentimento eu protejo.

Meu tão grande ensejo nesta imensidão singela.

De afeto não despejo porque tu és ela.

Somente a ti cortejo com cotejo.

No meu mais verdadeiro ato versejo…

Chegar até aqui foi um pelejo…

Humildemente eu manejo…

Como um segundo de lampejo.

Apresento-te meu mais transparente pensamento.

Que neste nosso casamento…

Em ti senti que em 1ª mão me apaixonei, mas de fato te amei!

Aquela lua minguante, crescente, cheia e nova eu apreciei.

Eu sei que tu sabes que eu sei.

Tu sabes que eu sei que tu sabes.

Este amor não foi efêmero

Foi tão linda relação do mesmo gênero.

De repente há mudanças na vida…

Mas saibas querida que somente a ti irei confidenciar.

Novos horizontes, novas pontes, e fontes para galgar.

Hei de ir e mudada retornar.

Tantos anos lado a lado…

Com forte abraço apertado.

Aquele beijo doce e prolongado.

No teu colo apaixonado.

Fiz amor sem igual.

Extenso companheirismo transcendental.

Com ponto, vírgula, exclamação, interrogação etc e tal.

Exprimiu o mundo melhor dentro de mim.

Cresci a “pampa”, festejei e brinquei feito criança…

Tão à vontade fiquei…

Que traumas, medos e fantasma expurguei.

E sim nesta mulher me transformei!

O que eu pensava de nós hoje eu escrevo.

E estas palavras publicamente no meu âmago cravo.

Agradeço-te por me ter por inteira…

Tu foste à primeira…

Que de fato quis melhor me conhecer.

Era mesmo para acontecer.

Tu me amaste por nós duas.

Por isto este amor continua.

Foram as mãos tuas…

Que me refez…

Irei-te (re) encontrar nas ruas…

Mais uma, duas ou três…

E novamente te amarei outra e outra vez

Não, não foi efêmero foi amor do mesmo gênero!

Eloá Kátia Coelho

** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE. 

+ sobre o tema

Su poesía llama la atención a todos los hombres negros que odian a las mujeres negras

¡Todas las mujeres merecen respeto! Crystal Valentine y Aaliyah Jihad...

Quase 50 anos depois, clássico da literatura negra chegará ao Brasil

Clássico da literatura negra chegará ao Brasil: chegará às...

Grace Passô, a melhor atriz do Brasil

Apesar de desconhecida pelo grande público, ela é incensada...

Rebeca Andrade fica em 5º lugar no solo com Baile de Favela nas Olimpíadas

Um passo. Foi isso que separou Rebeca Andrade de...

para lembrar

1,5 milhão de mulheres negras são vítimas de violência doméstica no Brasil

Elas representam 60% das 2,4 mi de agredidas. Reportagem...

A primeira juíza mulher da NBA e sua história de resistência

“Eu sabia que todo mundo estava esperando que eu...

É Tempo de Anastácia!

Quantas de nós, mulheres negras, ainda somos silenciadas nos...

Maria Júlia Coutinho será a primeira mulher negra a apresentar o Jornal Nacional

Jornalista entra para o rodízio de apresentadores do noticiários...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=