Amor do mesmo Gênero

Não, não foi efêmero foi amor do mesmo gênero.

Amei-te todas às vezes que pude…

E às que não pude.

Também te amei!

Pensei em ti todos os dias…

E os dias que não pensei.

Eu pensei também!

Colhi todas as flores que tinham…

E as que não tinham.

Eu plantei!

Cantei todas as músicas que sabia…

E as que eu não sabia.

Eu inventei!

Sonhei todos os sonhos possíveis…

E os impossíveis.

Também sonhei!

Trilhas, matas, chão batido, asfalto, montanhas, picos, cachoeiras, beira de estradas…

Fui ao encontro e me retirei…

De cada lugar o contemplar acompanhei.

Nesta natureza profundamente mergulhei;

Olhei para o céu me aconselhei…

O rito de passagem me presenteei, me edifiquei e sim testemunhei …

Fisicamente quando necessário, árvores, muros, cordas pulei e suei!

 Ad litteram racismo, preconceitos e discriminação confrontei…    

E os diversos descaminhos eu repaginei, redesenhei e ultrapassei.

Sozinha, fiz todos estes lugares com o peito cheio de amor.

E com o corpo de ardor…

A história de minha autoria então virou clamor.

Li o mapa lunar, saí na chuva descalça.

A tua procura falei e desesperada teu nome gritei!

Senti o vento forte…

Contei as estrelas cadentes de sul ao norte…

Vi por do sol, fada madrinha, unicórnio, áurea boreal, anjo de três asas, Iemanjá, trevo de quatro pontas, saci Pererê, libélula.

Perambulei pelo deserto de Dakar, visitei santuários,

Fiz o caminho de Santiago de Compostela…

Assim que cheguei a Paris.

Minhas malas desfiz…

Fui do Oiapoque ao Chui.

E ao teu lado também nestes lugares fui feliz.

Ainda embriagada deste amor embaixo da árvore Baobá cantei.

De verdade me entreguei!

E ao jogar búzios meus ancestrais reverenciei…

Assumi a minha afrocentricidade, me edifiquei…

Então na vida ritmei…

E com os Orixás descansei…

Ajoelhei-me, e lá demorei.

E em silêncio profundo eu fiquei.

Orei e jejuei, 

Jejuei e orei.

E pelo  despertar ao tempo aquela  bendita bênção supliquei…

Meu coração dei…

Minha fé aumentei…

A dúvida lá deixei…

 Em outra dimensão entrei…

Diversas lições tirei…

Por fim minha alma acalmei.

E quando eu te achei?

Eu me encontrei! 

De tamanha alegria chorei…

Enfim, no percurso do repercusso, voltei!

Diante de ti todas as manhãs que te vejo.

Vem aquele desejo que por certo prevejo

Ah, com meu olhar te antevejo…

Este sentimento eu protejo.

Meu tão grande ensejo nesta imensidão singela.

De afeto não despejo porque tu és ela.

Somente a ti cortejo com cotejo.

No meu mais verdadeiro ato versejo…

Chegar até aqui foi um pelejo…

Humildemente eu manejo…

Como um segundo de lampejo.

Apresento-te meu mais transparente pensamento.

Que neste nosso casamento…

Em ti senti que em 1ª mão me apaixonei, mas de fato te amei!

Aquela lua minguante, crescente, cheia e nova eu apreciei.

Eu sei que tu sabes que eu sei.

Tu sabes que eu sei que tu sabes.

Este amor não foi efêmero

Foi tão linda relação do mesmo gênero.

De repente há mudanças na vida…

Mas saibas querida que somente a ti irei confidenciar.

Novos horizontes, novas pontes, e fontes para galgar.

Hei de ir e mudada retornar.

Tantos anos lado a lado…

Com forte abraço apertado.

Aquele beijo doce e prolongado.

No teu colo apaixonado.

Fiz amor sem igual.

Extenso companheirismo transcendental.

Com ponto, vírgula, exclamação, interrogação etc e tal.

Exprimiu o mundo melhor dentro de mim.

Cresci a “pampa”, festejei e brinquei feito criança…

Tão à vontade fiquei…

Que traumas, medos e fantasma expurguei.

E sim nesta mulher me transformei!

O que eu pensava de nós hoje eu escrevo.

E estas palavras publicamente no meu âmago cravo.

Agradeço-te por me ter por inteira…

Tu foste à primeira…

Que de fato quis melhor me conhecer.

Era mesmo para acontecer.

Tu me amaste por nós duas.

Por isto este amor continua.

Foram as mãos tuas…

Que me refez…

Irei-te (re) encontrar nas ruas…

Mais uma, duas ou três…

E novamente te amarei outra e outra vez

Não, não foi efêmero foi amor do mesmo gênero!

Eloá Kátia Coelho

** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE. 

+ sobre o tema

Experimento social revela como homens reagem quando as mulheres aceitam seus elogios

Para alguns homens, as mulheres parecem objetos feitos para...

Associação defende que mulheres trans possam cumprir pena em presídios femininos

STF já autorizou transferências em casos isolados; especialista pondera...

Peço desculpas ao meu corpo

Hoje eu queria sinceramente pedir perdão ao meu corpo,...

para lembrar

Sessão do filme “Estrelas Além do Tempo” vai reunir brasileiras empoderadas

Filme Estrelas Além do Tempo conta a história de...

Deputada evangélica pede “providências legais” contra professor que tratou sobre homofobia em sala de aula

A deputada distrital Sandra Faraj (SD), da bancada evangélica,...

Amo meus filhos, mas vivo cansada e com raiva

Os gêmeos farão 2 anos em pouco mais que...

Participação social : a necessidade de uma perspectiva interseccional¹

A Constituição Federal Brasileira de 1988 ampliou os mecanismos...
spot_imgspot_img

Alaíde Costa: “Atingi um novo patamar de maturidade artística”

Prestes a completar 89 anos, Alaíde Costa prova que o tempo não é apenas um marcador cronológico, mas um parceiro que anda ao lado moldando e...

Como mulheres negras latino-americanas e caribenhas querem romper com o colonialismo

"Se o sistema colonial nos fragmentou nas nossas diferenças, é preciso dar um salto político: como vamos construir um projeto de libertação?", perguntou a...

Mãe de Simone Biles ofereceu apoio crucial quando ela decidiu não competir em Tóquio: “Eu te amo e saiba que estamos rezando por você”

A Netflix lançou recentemente "Simone Biles Rising", uma série documental que oferece uma visão íntima da vida pessoal e profissional da ginasta Simone Biles...
-+=