Ministério Público do Rio cria grupo que mira redução da letalidade e da violência policial

O Ministério Público do Rio de Janeiro criou um grupo de atuação para promover ações voltadas à redução da letalidade e da violência policial no Estado. A decisão foi publicada no Diário Oficial desta sexta-feira, 23. Em princípio, a iniciativa está programada para durar um ano, mas pode ser prorrogada.

Na prática, o grupo vai concentrar as demandas relacionadas ao controle externo das polícias e ao monitoramento da regularidade das operações policiais durante a pandemia, que estão suspensas por determinação do Supremo Tribunal Federal (STF). Três servidores e três promotores vão se revezar em regime de plantão, 24h por dia e sete dias por semana.

Os promotores devem trabalhar em representações, inquéritos civis, termos de ajustamento de conduta, recomendações, ações civis públicas ou de improbidade administrativa, recebimento de denúncias, registro de notícias de violações de direitos fundamentais durante operações, interlocução com entidades da sociedade civil e órgãos públicos, entre outras medidas.

“Com a criação do grupo, o MPRJ reafirma que o tema da letalidade policial, a investigação de abusos cometidos por policiais, e o controle da violação de Direitos Humanos, no contexto do controle externo da política pública de segurança, são prioridades institucionais”, afirma a instituição.

A resolução vem na esteira dos debates travados no STF para reformar a política de Segurança Pública fluminense. Nesta semana, foram concluídas as sessões da audiência pública convocada pelo tribunal no âmbito da ação proposta pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB) pedindo a intervenção dos ministros na elaboração de um plano de redução da letalidade no Rio.

As reuniões buscaram subsidiar tanto medidas administrativas a serem tomadas pelo governo do Rio de Janeiro quanto os procedimentos para a fiscalização da atuação policial e dos órgãos do Ministério Público do Estado.

A ideia é o que o plano tenha medidas objetivas, cronogramas específicos e previsão dos recursos necessários para sua implementação. O programa deve buscar soluções para três pontos principais:

  • Melhoria do treinamento dos policiais;
  • Enfrentamento do racismo estrutural;
  • Protocolos para uso da força de modo proporcional e progressivo e em conformidade com a Constituição e com os parâmetros internacionais.

+ sobre o tema

para lembrar

Nossa sociedade tem caminhado por uma perigosa estrada de extremismos

A difícil tarefa de escrever. É de fato um...

Policiais investigados por homicídio de João Pedro mudaram versões sobre disparos

Os três policiais civis investigados pelo homicídio do adolescente...

Procurador que espancou chefe em SP vira réu por tentativa de feminicídio

O procurador Demétrius Oliveira de Macedo, preso na última semana...
spot_imgspot_img

Caso Marielle: veja quem já foi preso e os movimentos da investigação

Uma operação conjunta da Procuradoria Geral da República, do Ministério Público do Rio de Janeiro e da Polícia Federal prendeu neste domingo (24) três suspeitos de...

PF prende Domingos Brazão e Chiquinho Brazão por mandar matar Marielle; delegado Rivaldo Barbosa também é preso

Os irmãos Domingos Brazão e Chiquinho Brazão foram presos neste domingo (24) apontados como mandantes do atentado contra Marielle Franco, em março de 2018, no qual também morreu o motorista Anderson...

Rio cria dia estadual para reflexão sobre morte de jovens negros

O governo do Rio de Janeiro sancionou a lei que cria o Dia de Luta Jovem Preto Vivo – João Pedro Matos Pinto, aprovada...
-+=