Ministra dos Direitos Humanos entra com pedido de cassação de Bolsonaro na Procuradoria-Geral da República

Ideli Salvatti, que preside o Conselho Nacional de Direitos Humanos, declarou que há “convicção de que foi cometido crime de incitação à violência e de apologia a um crime hediondo”

A ministra dos Direitos Humanos (SDH), Ideli Salvatti, empossada ontem (11) enquanto presidenta do Conselho Nacional de Direitos Humanos (CNDH), declarou que o conselho entrou com pedido de abertura de processo criminal e cível contra o deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) na Procuradoria-Geral da República (PGR), também na última quinta-feira (11).

“A representação é muito clara, o conselho tem a convicção que foi cometido um crime de incitação à violência, de apologia a um crime considerado hediondo”, disse Salvatti. A ministra e os conselheiros se reuniram ontem com a vice-procuradora-geral da República, Ela Wieck, que acredita que o caso reúne elementos para uma ação criminal.

“São as palavras, a forma, e, a partir delas, todo um movimento misógino. Fiquei sabendo de comentários em redes sociais e então, [ficou provada] a força deletéria, perversa dessas declarações. Elas têm uma força de incitação ao crime, ao estupro”, observou Ela Wieck.

O deputado Jair Bolsonaro não esperava tal ação por conta das ofensas contra a deputada federal Maria do Rosário (PT-RS). “Não sabia da representação. Agora tenho que esperar ser notificado para me defender. Vou me defender após receber a peça apresentada à PGR”, declarou Bolsonaro, que ainda citou o Artigo 53 da Constituição, que trata da inviolabilidade das opiniões dos parlamentares.

Porém, a ação do CNDH não trata das ofensas dita pelo parlamentar no plenário da Câmara, mas sim da entrevista que ele deu ao jornal Zero Hora e onde voltou a afirmar que “não estupraria” a deputada Maria do Rosário “porque ele é muito feia”.

A representação contra Jari Bolsonaro vai passar 30 dias na Procuradoria-Geral da República e, o procurador-geral, Rodrigo Janot, vai decidir se a ação deve ou não seguir para o Supremo Tribunal Federal (STF) em forma de ação penal.

Ações coletivas

Além da ação do Conselho Nacional de Direitos Humanos, o Conselho Nacional da Mulher (CNDMM) protocolou na Câmara dos Deputados pedido de providência em relação À atitude do deputado Jair Bolsonaro. 23 organizações, entre elas a Marcha Mundial das Mulheres (MMM), assinam o documento ondem pedem que a Mesa da Câmara instaure um processo de cassação do parlamentar.

Na quarta-feira (10), PT, PCdoB, PSOL e PSB entraram com uma ação coletiva no Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara contra o deputado Jair Bolsonaro. As legendas pedem a cassação do mandato do parlamentar.

Por fim, a ministra de Direitos Humanos, Ideli Salvatti, disse que o CNDH vai protocolar outro pedido em fevereiro, para que tenha efeitos sob o novo mandato do deputado.

Com informações da Agência Brasil

(Foto de capa: Viomundo)

 

Fonte: Revista Fórum

+ sobre o tema

Auxílio-reclusão: mitos e verdades sobre “a bolsa-bandido”

Trata-se de pagamento de benefício para o qual o...

Uneb abre vagas de nível superior em todas as regiões da Bahia

A Universidade do Estado da Bahia (Uneb) recebe inscrições,...

Afronta, mídia negra e livre

A jornalista Etiene Martins, de 31 anos, é a...

Tuskegee: Uma história americana. E de racismo

Em Tuskegee, durante 40 anos, 400 homens negros com...

para lembrar

Negros com hipertensão têm mais dificuldade em tratar a doença do que brancos, aponta Unicamp

Resultado alcançado nos EUA condiz com realidade brasileira, diz...

Ribeirão Preto: Casa de prostituição que tinha adolescente é fechada

Fonte: Folha de São Paulo - Local funcionava às...

Cimi aponta crescimento violência contra indigenas de 237% em relação à 2012

Em todo o Brasil, foram registradas 60 homicídios contra...
spot_imgspot_img

Dando luz à conscientização: gravidez na adolescência 

Entre sonhos e desafios, histórias reais se cruzam no país onde a cada hora nascem 44 bebês de mães adolescentes, aponta o Sistema de...

Evento do G20 debate intolerância às religiões de matriz africana

Apesar de o livre exercício de cultos religiosos e a liberdade de crença estarem garantidos pela Constituição brasileira, há um aumento relevante de ameaças...

Raça e gênero são abordados em documentos da Conferência de Bonn

A participação de Geledés - Instituto da Mulher Negra na Conferência de Bonn de 2024 (SB 60), que se encerrou na última quinta-feira 13,...
-+=