“Morenas exóticas” – um debate sobre colorismo, negritude e arquétipos femininos da ideologia da mestiçagem

Ao longo de nossas vivências, somos habituadas a acreditar que a sociedade brasileira se constituiu pela mistura harmoniosa de raças, que nossos antepassados – europeus, indígenas, africanos – conformaram uma mistura, étnica e cultural, que deu origem ao mestiço ou, ainda, à identidade brasileira.

por Bianca Gonçalves no Mina Explosiva

Dessa forma, minando o reconhecimento das diferenças, fundou-se o mito da democracia racial.  Estratégica, essa perspectiva naturaliza e sustenta os discursos racistas que permeiam a construção de nossas identidades e, por conseguinte, embranquece, tal como manda a hegemonia, grande parte das heranças e discursividades de povos historicamente oprimidos.

Em Rediscutindo a mestiçagem, Kabengele Munanga mostra que o discurso positivado da identidade mestiça (isto é, a mestiçagem enquanto elemento que “eleva” uma nação, e não o contrário, conforme ocorreu nos EUA durante a segregação racial) se deu através de um longo caminho até chegar ao auge com o racista Gilberto Freyre, que deu forma teórica a esse mito.

Freyre encontrará na “mulata” do Brasil colonial o sujeitopor excelência do mito da democracia racial: ao mesmo tempo em que evoca uma alteridade menos alheia, síntese do “eu” e o “outro”, ela também corresponderá à condição sexualizada da escravizada, disponível ao senhor branco de engenho, que contribui para o confinamento doméstico da mulher branca, produzindo, dessa forma, o estereótipo da mulher negra ultrassexualizada, demasiadamente sensual.

Como sabemos, a ideologia da mestiçagem, assim como todas as ideologias, cai em contradições, uma vez que não dá conta de explicar a manutenção do racismo. Tal aspecto desse dado se faz, justamente, para tentar ocultar a opressão de raça e conduzir a algumas ideias racistas muito particulares. Uma das práticas perpetuadas pelo racismo brasileiro foi a de eleger certas características como “puramente negras” e outras tantas como “puramente brancas”. É dessa forma, por exemplo, que a hegemonia branca afirma coisas como: “Você é negro de traços finos”, “ele é muito claro para ser negro”, “ela tem traços grossos mas não chega a ser negra”, etc.

Chegamos, portanto, à discussão acerca do colorismo, que se caracteriza pela hierarquização de tons de pele, fator determinante para o grau de discriminação que uma pessoa negra pode sofrer. Como afirma Neusa Santos em Tornar-se negro, é através desse continuumde cor – em que branco e negro se localizam em cada um dos extremos dessa linha ininterrupta – que se adscrevem “significados diversos, segundo o critério de que quanto maior a brancura, maior as possibilidades de êxito e aceitação”.

O mito da democracia racial então ganha o colorismo como aliado, fazendo-se enquanto agente da branquitude. Junto a isso temos as classificações intermediárias, engodos racistas que promovem um embraquecimento daqueles que são condicionados a se declarar “pardos”, “mestiços”, “morenos”.

Aqui irei me dedicar à classificação “moreno” ou melhor, “morena”, já que compreendo que a leitura de raça interseccionalizada com a leitura de gênero nos fornece dados mais certeiros para que possamos passar pelo processo de autoreconhecimento de uma opressão que nos atinge. Interessa-me focar nessa classificação porque ela foi, durante muito tempo, um espectro que rondava a afirmação da minha negritude, e que, por muitas vezes, me angustiava por não saber ao certo que espaços a hegemonia branca me concedia.

“Morena” é uma definição ambígua: ao mesmo tempo em que é empregado a pessoas brancas de cabelo escuro (a Xuxa não ficou “morena”?), também é geralmente utilizado para classificar mulheres negras de tom de pele mais claro. Tal ambiguidade não se faz à toa: trata-se de mais um gesto de embraquecimento promovido pela ideologia racista da mestiçagem, concebendo um falso elo entre a negritude e a branquitude.

Quase sempre marcado por um esforço sensualizador, mulheres tidas como “morenas” são também atingidas pela marca do “exóticas”, assim como a hegemonia branca costuma classificar aquelas que fogem dos padrões eurocêntricos de beleza (e também cabe aqui refletir o que significa ter uma “beleza exótica” num país cuja metade da população é negra). Uma busca rápida no Google nos mostra que “morena” e, ainda, acrescido do terrível “exótica”, é uma expressão muito cara à pornografia e à hipersexualização de corpos de mulheres negras.

gugol
Imagem: Reprodução/Mina Explosiva

Ainda, tendo consciência das peculiaridades do colorismo no Brasil, no qual negras e negros menos pigmentados são tolerados nos espaços da branquitude – mas jamais aceitos, já que, para tanto, seria necessário reconhecer a existência do racismo – podemos analisar de que modo a hegemonia branca descreve e tolera a presença dessas mulheres.

vanmata

debnasc
Imagem: Reprodução/Mina Explosiva

Quando a autora Glória Perez decidiu eleger como protagonista da novela Salve Jorge a atriz Nanda Costa, uma mulher“com a cara da favela” – que tem uma história de amor com um policial, enredo muito propício para o momento global propagandístico da atuação das UPPs no RJ –  afirma ter lidado com preconceitos justamente por ela não se encaixar nos padrões de “mocinha” de novela. Lembremos que Nanda Costa, que outrora atuou no filme Sonhos Roubados (tematiza a história de três meninas numa favela) é considerada pela mídia como “morena exótica”. Não por acaso o nome de sua protagonista era: Morena.

nandacosta
Foto: Reprodução/Mina Explosiva

Quando a autora Glória Perez decidiu eleger como protagonista da novela Salve Jorge a atriz Nanda Costa, uma mulher com a cara da favela – que tem uma história de amor com um policial, enredo muito propício para o momento global propagandístico da atuação das UPPs no RJ –  afirma ter lidado com preconceitos justamente por ela não se encaixar nos padrões de “mocinha” de novela. Lembremos que Nanda Costa, que outrora atuou no filme Sonhos Roubados (tematiza a história de três meninas numa favela) é considerada pela mídia como “morena exótica”. Não por acaso o nome de sua protagonista era: Morena.

É inegável o fato de que mulheres negras rotuladas como “morenas” ou “pardas” carregam privilégios em relação à mulheres negras mais pigmentadas, no entanto é preciso reconhecer que esses espaços são limitados, interditados pela branquitude, que não medirá esforços em confiná-las ao espaço dos arquétipos, muitas vezes ultrassexualizados e embranquecedores.

Ao contrário do que afirma a hegemonia branca, os tons de negra são mil. Negras e negros constituem um grupo heterogêneo. Basta olhar, por exemplo, para as diversas etnias africanas e observar que elas são plurais: a diversidade fenotípica é uma marca do povo negro. E também de nós, filhas da diáspora negra. Que nenhum gesto nos embranqueça!

 

+ sobre o tema

Os cinco passos para mulheres trilharem suas carreiras

É um fato óbvio que, a cada dia, mais...

Maria da Penha recebe prêmio Franco-Alemão de Direitos Humanos

Brasileira está entre os homenageados em primeira edição da...

Quatro mulheres são mortas em SP pelos companheiros em dois dias

Só este ano foram 29 assassinatos. Do G1 Desde domingo (20),...

Como ‘saiaços’ se tornaram arma para debater igualdade de gênero nas escolas

No ano passado, o professor Vitor Pelegrin, 30, participou...

para lembrar

O corpo das mulheres como campo de batalha

Peça encenada no Rio debate, em intenso contato com...

Pesquisa mostra que pastores raramente abordam o tema violência doméstica em seus sermões

A ocorrência de violência doméstica no meio cristão foi...

Luedji Luna: “O amor é fundamental para reconstrução da nossa humanidade”

No Brasil de Fato Entrevista desta semana tem a presença da...

‘Salvei milhares de mulheres de casamentos como o meu’

Aos 72 anos de idade, ela levou seu marido...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=