Morrer de amor e continuar vivendo

É possível superar a dor e a doença que alguns amores causam. Lorena Kaz trata a sua parindo quadrinhos

Por NATACHA CORTÊZ, da Trip 

“Uma vez fui com um ex a um bar antes de um show. Combinamos de comer alguma coisa e dividir um suco. Enquanto eu comia, ele tomou o suco todo. Eu, que vivia dura, mandei: ‘A gente ia dividir!’. Foi quando começaram os insultos: ‘Mesquinha, pobre de espírito, egoísta. Não está vendo que estou com sede?’. Eu disse que ele estava me ofendendo, que havíamos combinado algo. E ele gritou pro bar inteiro: ‘Eu devia mandar você enfiar o copo de suco no cu!’. Senti muita vergonha, levantei da cadeira, disse que não podia tolerar aquele tratamento e que ia embora. Mas não fui. Ele apertou meu braço e disse: ‘Você não vai a lugar nenhum, vamos acabar de comer, vamos ao show e você vai sorrir.’ Obedeci. Temos uma foto desse dia e sempre me impressiono em como eu estava bonita. Não pareço triste, pelo contrário, estou sorrindo e me sentindo sortuda por ter uma foto com ele, por ter tido mais uma chance. Eu, que continuava ao lado dele porque estava petrificada de medo.”

+ sobre o tema

Maioria recebeu notícia falsa sobre Marielle mas não acredita no que leu

As notícias falsas que circularam em aplicativos de mensagens...

Henrietta Lacks a mulher que mudou a ciência para sempre (e nunca ficou sabendo)

Henrietta Lacks teve uma vida curta e dura. No...

Mãe Stella: “O tempo leva o que não se escreve”

A cadeira nº 33 da Academia de Letras da...

para lembrar

Alagoinhas pode ter primeira candidata a prefeita trans do Brasil

Aos 32 anos, Samara Diamond (PSOL) pode ser a...

Debret, racismo e o estereótipo de princesas se conectam nas curvas do sexismo

A velocidade da informação que circula nas redes sociais...

Por que o Brasil da cidadania negada só viu Dalzira ser doutora aos 81 anos

Outubro bem poderia ser um mês de grandes celebrações...

A utopia de Angela Davis

Angela Davis consegue capturar de forma profunda e sofisticada...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=