Mostra ‘E eu não sou uma mulher?’ traz temas caros às mulheres negras

Enviado por / FonteDa Folha da Região

A frase que intitula a exposição é da abolicionista afro-americana Sojourner Truth, ativista dos direitos das mulheres, que viveu entre 1797 e 1883

Em cartaz na Galeria de Arte do BDMG Cultural, a mostra “E eu não sou uma mulher?”, que reúne trabalhos das artistas Lucimélia Romão e Jessica Lemos, já de imediato chama atenção do público pelo seu título, que reproduz a célebre frase dita pela abolicionista afro-americana Sojourner Truth (1797-1883).

“Ela já foi utilizada em letra de música (por Luedji Luna), foi titulo de um livro da Bell Hooks sobre a representatividade das mulheres negras… E quando eu e a Lucimélia reunimos os nossos trabalhos, vimos que seria, poeticamente e teoricamente, uma frase de peso para nomear a exposição”, explica Jessica Lemos. “Nossas obras são trabalhos construídos a longo prazo. A gente precisava de uma frase que também fosse uma narrativa histórica de longo prazo, algo que carregasse a força de várias mulheres”, acrescenta.

MOSTRA

Na mostra, a dupla apresenta uma série de fotoperfomances e instalações, que ecoam questões caras às mulheres negras, como colorismo e impactos do racismo e de diversas opressões. “A exposição vem pautar o lugar da mulher negra na sociedade brasileira, na qual muitas vezes ainda é vista apenas como um corpo a servir outros corpos. Sempre na posição de servidão”, acrescenta Lucimélia.

Jessica conta que, inicialmente, as duas pensaram em se dar as mãos artisticamente por conta do diálogo espontâneo estabelecido entre os trabalhos de ambas: ela, lidando com fotoperformance há alguns anos, Lucimélia, como performer e também com o repertório das artes cênicas. “Em 2018, resolvemos criar alguns trabalhos e agora consideramos ser o momento ideal para apresentá-los em uma mostra. Mas além da técnica, exploramos temáticas que convergem, relacionadas à vida das mulheres negras brasileiras, em diáspora. E vai ser um pouco disso que o público vai poder ver nessa mostra”, garante.

ARTISTAS

Jessica Lemos é fotógrafa, performer e artista visual. Natural de Cândido Sales, sertão da Bahia. Mestre em Artes pela Universidade Federal de São João Del Rei e graduada em Comunicação pela Universidade Federal da Bahia. Atualmente, vive e trabalha em Salvador, onde desenvolve pesquisas e trabalhos autorais a partir das relações entre performance e fotografia.

Em 2019, realizou a exposição individual “Olhares da Diáspora – Uma Ocupação Fotográfica”, utilizando a técnica de lambe-lambe em grande formato para intervenção urbana com suas fotografias, na cidade de São João del-Rei. No mesmo ano foi selecionada para a Residência Artística do Fórum de Fotoperformance, em Belo Horizonte. Foi artista premiada no X Salão de Fotografias do Mar (2016), em Salvador.

Lucimélia Romão é artista visual e performer. Natural de Jacareí, interior de São Paulo. Atriz, formada em 2013 no curso técnico em Artes Dramáticas pela Escola Municipal de Artes Maestro Fêgo Camargo em Taubaté/SP. Graduanda em Teatro pela Universidade Federal de São João del-Rei, onde pesquisa artes e performances negras. É cocriadora do grupo de teatro Cia Mineira de Teatro. Criadora da performance “Mil Litros de Preto:: A Maré Está Cheia”.

Premiada no Festu-Rio de Janeiro (Mostra competitiva de cenas curtas) em 2018 com o trabalho “Olha o Pesado Aí”; Premiada na 9ª Edição da Mostra 3M DE ARTE – São Paulo/SP; Premiada no 3ª Prêmio Leda Maria Martins de Artes Cênicas Negras de Belo Horizonte. Ao longo de sua trajetória artística, busca desenvolver trabalhos que repense o lugar do negro na sociedade.

MOSTRAS 2021

A exposição “E eu não sou uma mulher?” foi selecionada no edital de concorrência pública divulgado em novembro de 2020. No Ciclo de Mostras BDMG Cultural 2021, que começou com mostra da artista visual Clarice G Lacerda, ainda vão passar por exposições, na Galeria de Arte e em plataforma virtual, a dupla de artistas Affonso Uchoa e Desali e o artista Marc Davi. 

GALERIA DE ARTE

Seguindo os protocolos de segurança, a Galeria de Arte funciona às terças, quintas e sextas-feiras, em horário reduzido, das 10h às 12h e 14h às 17h, com número de visitantes restritos. Para visitação, é necessário a retirada de ingresso gratuito, de acordo com disponibilidade de data e horário, por meio da plataforma www.sympla.com.br/bdmgcultural.

SERVIÇO

“E eu não sou uma mulher?”, de Lucimélia Romão e Jessica Lemos, está em exposição até 5 de setembro de 2021. O público pode acompanhar com acesso livre na plataforma  e na Galeria de Arte do BDMG Cultural, Rua Bernardo Guimarães, 1600 – Lourdes. Os ingressos podem ser adquiridos no Sympla, por meio do site https://www.sympla.com.br/BDMGCultural.

+ sobre o tema

Álbum solo “Boogie Naipe” do Mano Brown é indicado ao Grammy Latino

Após anos de muita expectativa, o álbum de estreia...

Conheça Filhas do Pó, primeiro filme de uma cineasta negra distribuído nos Estados Unidos

Se Filhas do Pó fosse uma grande produção hollywoodiana,...

Conheça os nomes que deverão causar na cena musical em 2018

Entre IZA e Karol Conka, veja cinco artistas que...

Kendrick Lamar coloca soldados para marchar contra o racismo no Grammy 2018

Kendrick Lamar foi um dos grandes destaques da noite...

para lembrar

Mortalidade materna de mulheres negras é o dobro da de brancas, mostra estudo da Saúde

Assim como outros indicadores de saúde, a mortalidade materna é...

Presidenta Dilma Rousseff recebe lideranças do Movimento Negro

Educação, saúde, democratização da comunicação e enfrentamento à violência...

Ilê Aiyê promove a Semana da Mãe Preta em homenagem à mulher negra

A Associação Cultural Ilê Aiyê promove a partir da...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=