Movimento Negro critica fusão de pastas em reforma de Dilma

Representantes de diversas entidades do Movimento Negro baiano foram enfáticos aos afirmar que a fusão  das secretarias da Mulher, Igualdade Racial e Direitos Humanos que agora estão reunidas no Ministério da Mulher, Igualdade Racial e Direitos Humanos, representa um retrocesso na “luta histórica dos movimentos sociais”.

Por Luiz Fernando Lima, do A Tarde

A junção dos três ministérios fez parte da reforma administrativa anunciada nesta sexta-feira, 2, pela presidente Dilma Rousseff. Ao todo, foram extintos ou fundidos 8 ministérios, saindo dos 39 para 31 pastas no Governo Federal.

Mesmo ficando sob o comando da então ministra da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), Nilma Lino Gomes, e tendo o ex-pró-reitor da Universidade Federal do Reconcâvo, o baiano Ronaldo Barros como secretário nacional de Igualdade Racial, o novo desenho administrativo  não agradou aos militantes baianos.

Um ato de repúdio à mudança foi realizado na Senzala do Barro Preto, sede do Bloco Afro Ilê Aiyê, no Curuzu. O local foi o mesmo onde as entidades declararam apoio à então candidata Dilma Rousseff em 2014.

Indignação

A socióloga Vilma Reis, diz que os três ministérios são essenciais. “Não tem como reduzir o papel de nenhuma destas três pastas. São estratégicas como qualquer outro ministério. Nós (movimento negro) estamos falando de 52% da população brasileira. Não pode pegar três questões estratégicas e colocar numa única pasta. Não tem quem dê fôlego. Não se consegue definir uma escala de prioridade.

O vereador de Salvador, Sílvio Humberto (PSB), afirma que a fusão representa o retorno para a agenda defendida antes do governo Lula.

“Se tinhamos alguma ideia de que havíamos chegado num ponto de acomodação, agora, mais do que nunca é preciso sair. Porque o racismo não tira férias. E se ele não tira férias, cabe a todos nós usarmos a capacidade de mobilização para ter força política e assegurar as mudanças”.

Posse

Nilma Lino toma posse no ministério na próxima terça-feira. Ronaldo Barros também assume as funções na secretária nacional no mesmo dia.
Em nota, a Seppir informa que só haverá pronunciamento oficial após a posse e reorganização, mas assegura que “todas as políticas de promoção da igualdade racial, promoção dos direitos humanos e das mulheres serão mantidas”.

 

+ sobre o tema

FEIRA PRETA

Encontro de cultura, cidadania, educação e economia solidária, a...

CEARÁ: IX Semana Paulo Freire

  A Semana Paulo Freire chega a sua nona edição...

ONU lança Ano Internacional para Afro-Descendentes

Em mensagem à Assembleia-Geral, Ban Ki-moon diz que o...

para lembrar

Nenê da Vila Matilde morre em São Paulo

Fundador de uma das mais tradicionais escolas de samba...

Edital Ideias Criativas 20 de Novembro:Veja aqui a lista dos vencedores!

Após dias de muita expectativa, saiu o resultado...

Fórum das Letras homenageia a literatura africana, de povos que usam a língua portuguesa

Para escritor angolano, idioma une povos ‘separados pelo Atlântico’. Evento...
spot_imgspot_img

João Cândido e o silêncio da escola

João Cândido, o Almirante Negro, é um herói brasileiro. Nasceu no dia 24 de junho de 1880, Encruzilhada do Sul, Rio Grande do Sul....

Levantamento mostra que menos de 10% dos monumentos no Rio retratam pessoas negras

A escravidão foi abolida há 135 anos, mas seus efeitos ainda podem ser notados em um simples passeio pela cidade. Ajudam a explicar, por...

Racismo ainda marca vida de brasileiros

Uma mãe é questionada por uma criança por ser branca e ter um filho negro. Por conta da cor da pele, um homem foi...
-+=