MP investiga regime de semiescravidão em canaviais em Campos

Fonte: G1-

Agentes encontraram 96 pessoas em condições irregulares.
Nenhuma delas utilizava equipamentos de segurança adequados.

 

 

O Ministério Público do Trabalho investiga a situação irregular de pessoas que trabalham em propriedades rurais de Campos, no Norte do estado do Rio de Janeiro. Em alguns canaviais, o serviço era feito sem as mínimas condições de segurança, em regime de semiescravidão.

 

As imagens feitas pelo Ministério Público do Trabalho e obtidas com exclusividade mostram procuradores federais do Rio de Janeiro e fiscais do Ministério do Trabalho chegando de surpresa em duas propriedades rurais em Campos.

 

Os agentes encontraram 96 pessoas em condições irregulares. Nenhuma delas utilizava equipamentos de segurança adequados. Sem proteção, muitas apresentavam ferimentos em várias partes do corpo. Nas lavouras de cana-de-açúcar visitadas, não havia instalações sanitárias, nem água potável.

 

O transporte dos trabalhadores também era feito de forma irregular, com veículos velhos e sem espaço apropriado para as ferramentas.

 

“O Ministério de Trabalho e Emprego entende que eles foram submetidos a condições análogas a de escravos, justamente pela condição degradante que o empregador impôs”, afirmou Guadalupe Couto, procuradora do trabalho.

 

Quarenta e seis trabalhadores não tinham carteira assinada pela Cooperativa AgroIndustrial do Rio de Janeiro, a Coagro. A empresa recebeu 96 atuações pelas infrações.

 

A primeira medida dos procuradores foi retirar os trabalhadores das propriedades rurais. A usina foi obrigada a registrar imediatamente quem não tinha a carteira assinada, e a pagar todos os encargos pelo período trabalhado por cada um deles de uma só vez.

 

Além disso, o Ministério Público do Trabalho considerou que todos passaram por constrangimentos e, por isso, a usina também teve que pagar indenizações por danos morais

 

Durante toda a tarde de domingo (8), o celular do responsável pela Coagro estava fora da área de serviço.

 

Matéria original

+ sobre o tema

CNBB emite nota sobre situação dos povos indígenas Wajâpi, no Amapá

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) acompanha atentamente os...

150 líderes evangélicos rejeitam publicamente Marco Feliciano

Mais de 150 lideranças evangélicas assinam documento pedindo a...

OMS declara a Nigéria livre do ebola

País ficou 42 dias sem registrar novos casos da...

Mulheres e mercado de trabalho

Muitas mulheres lutaram por anos para obter o direito...

para lembrar

Índios acusam PF de tortura durante confronto na Bahia

Fonte: Terra - Foto: Arquivo JBO/MaurícioMaron   O Ministério Público Federal...

Policiais do caso Juan Moraes de 11 anos mataram mais 36

PMs do caso Juan estão envolvidos em 36 mortes...

Homicídio é causa da morte de quase 40% dos jovens, diz pesquisa

Por: Sandro Lima Estudo do Ministério da Justiça considera juventude...

Corte internacional conclui audiência sobre trabalho escravo no Brasil

A Corte Interamericana de Direitos Humanos da Organização dos...
spot_imgspot_img

NOTA PÚBLICA | Em repúdio ao PL 1904/24, ao equiparar aborto a homicídio

A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns vem a público manifestar a sua profunda indignação com a...

Nota pública do CONANDA contrária ao Projeto de Lei 1904/2024

O Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente – CONANDA, instância máxima de formulação, deliberação e controle das polícas públicas para a...

Marcelo Paixão, economista e painelista de Geledés, é entrevistado pelo Valor

Nesta segunda-feira, 10, o jornal Valor Econômico, em seu caderno especial G-20, publicou entrevista com Marcelo Paixão, economista e professor doutor da Universidade do...
-+=