Mulher é estuprada em viagem de férias e empresa responsável oferece manicure e massagem de “compensação”

Não dá para saber o que é o pior dessa notícia: a pouca importância que a empresa dá para o assunto, a atitude machista de oferecer “um spa” em troca ou esse tipo de crime continuar acontecendo, todos os dias, pelo mundo todo.

Do Hypeness

Georgina Mortimer recentemente reservou uma suite com a Girls for Sail (Garotas Velejadoras), uma luxuosa companhia de viagem que hoje só pode ser definida como terrível. Georgina é médica, mãe de dois filhos e desembolsou 2.700 dólares para um cruzeiro pelo Caribe.

“Eu acordei sendo violentada por um estranho. Eu estava apavorada. Sinceramente, pensei que ia morrer. Eu tinha ido em uma viagem só para mulheres durante o feriado para aprender a velejar acreditando que eu estaria segura. Estou arrasada com o que aconteceu e eu vou fazer o que puder para impedir que qualquer outra mulher passe por isso. “, ela contou via Distractify.

Na segunda noite da viagem ela foi acordada pelo estuprador. Não deram uma chave para ela do dormitório e lhe disseram para que ela não se preocupasse que as portas seriam trancadas durante a noite. Ele pressionou a garganta dela a ponto dela quase desmaiar.

“Eu pensei nos meus filhos e estava determinada a não morrer. Eu fiquei quieta, pois pensei que qualquer reação minha pudesse irritá-lo a ponto dele me matar”. Até que alguém bater na porta e o criminoso fugir. A polícia foi chamada e ela foi para hospital fazer os exames e testes de DSTs.

E quando ela voltou para o hotel, disse que não se sentia confortável dormindo no mesmo lugar e a empresa respondeu que arcaria somente com uma noite e nada mais em um hotel local – já que ela se recusava a dormir no lugar onde tinha sido ESTUPRADA. E não acaba aqui. Eles pediram que ela não contasse o ocorrido a outras mulheres para não estragar a viagem delas.

Depois de voltar para casa, com um voo de emergência cedido pelo consulado britânico, ela viu que não havia sido a única a passar pela mesma situação. Georgina ficou irritada, pediu o reembolso da viagem e eles a responderam oferecendo manicure e massagem em um salão local.

Ou seja, ela saiu do anonimato, foi corajosa, contou o que havia lhe ocorrido em busca de direitos, respeito e liberdade. E é assim que eles tratam tal ocorrido. Lamentável.

365C818E00000578-0-image-a-13_1468755018559

Fotos via Distractify.

+ sobre o tema

Programa Justiça Sem Muros do ITTC lança campanha sobre visibilidade ao encarceramento feminino

Inspirado na arte de Laura Guimarães, o programa Justiça Sem...

Carta a Gisele Santos

O grupo de mulheres Pão e Rosas enviou carta...

Amelinha, coração vermelho e lilás – por: Fernanda Pompeu

Maria Amélia de Almeida Teles, a Amelinha, é uma...

I Seminário Nacional de Mulheres Pretas e Seus Saberes Periféricos, Acadêmicos e Artísticos

Com a participação de Mônica Francisco - Deputada, Yalorixá Márcia Marçal, Helena...

para lembrar

Lembrando Luiza Bairros – 12 de Julho de 2016

Luiza Bairros nos deixou no 12 de julho 2016....

Mudança na Lei Maria da Penha amplia proteção a mulheres

Projeto aprovado no Senado permite que delegados concedam medidas...

Mulheres negras, deficiência e invisibilidade – Por: Jarid Arraes

Cerca de 40% das mulheres com deficiência já sofreram...
spot_imgspot_img

Como poluição faz meninas menstruarem precocemente

Novas pesquisas mostram que meninas nos EUA estão tendo sua primeira menstruação mais cedo. A exposição ao ar tóxico é parcialmente responsável. Há várias décadas, cientistas ao redor do...

Leci Brandão recebe justa homenagem

A deputada estadual pelo PC do B, cantora e compositora Leci Brandão recebe nesta quarta (5) o Colar de Honra ao Mérito Legislativo do...

Mais de 11 milhões de mulheres deixam o mercado de trabalho no Brasil

Pesquisa inédita do Centro de Pesquisa em Macroeconomia das Desigualdades (Made), da USP, sobre o custo da maternidade no Brasil mostra que 6,8 milhões...
-+=