Misoginia agora é crime de ódio na Inglaterra

Aconteceu uma decisão histórica para o mundo, em Nottinghamshire, na Inglaterra: agora, misoginia e assédio contra mulheres serão tratados como crime de ódio.

por  no Razões para Acreditar

Em entrevista ao The Independent, o chefe da polícia local declarou: “O que as mulheres enfrentam, basicamente todos os dias, é absolutamente inaceitável e pode ser extremamente angustiante”. É um aspecto importante do trabalho global contra crimes de ódio que vem sendo conduzido e vai tornar Nottinghamshire um lugar mais seguro para todas as mulheres.”

O projeto de lei começou a ser criado em 2014, quando políticos e ativistas dos direitos das mulheres levantaram a situação dos casos de assédio, abuso e agressões físicas cometidos contra as moradoras locais.

Em Nottinghamshire, na Inglaterra, aconteceu uma decisão histórica para o mundo (sigam o exemplo!): agora, misoginia e assédio contra mulheres serão tratados como crime de ódio.

“O que as mulheres enfrentam, basicamente todos os dias, é absolutamente inaceitável e pode ser extremamente angustiante”, declarou Sue Fish, chefe da polícia local em entrevista ao The Independent. “É um aspecto importante do trabalho global contra crimes de ódio que vem sendo conduzido e vai tornar Nottinghamshire um lugar mais seguro para todas as mulheres.”

Este projeto de lei começou a ser criado em 2014, quando políticos e ativistas dos direitos das mulheres levantaram a situação dos casos de assédio, abuso e agressões físicas cometidos contra as moradoras locais.

“Mulheres e meninas enfrentam uma onda de abuso e assédio diária. Nossa lei tem que enviar um sinal claro de que isso não é aceitável. É um crime”, disse Sam Smethers, presidente da Fawcett Society.

Para que a lei entre em vigor, os policiais estão passando por um treinamento que os ajudará a identificar os crimes. Também estão sendo orientados a punir envio de mensagens indesejadas e fotografias tiradas sem consentimento ou permissão.

“Esse entendimento irá ajudar as pessoas a perceber a gravidade desses incidentes. Além disso, esperamos incentivar mais mulheres a denunciar”, declarou Melanie Jeffs, gerente do Centro das Mulheres de Nottinghamshire.

Fonte: Daze

+ sobre o tema

Atividades alusivas ao Dia da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha – Ceará

Nos últimos anos, o INEGRA juntamente com o Fórum...

O complicado dilema sobre gays enrustidos e mulheres machistas

Claro que existem mulheres machistas tanto quanto existem gays...

Mulher julgada duas vezes por dar à luz bebê morto é absolvida em El Salvador

Um tribunal de El Salvador absolveu nesta segunda-feira (19) Evelyn Hernández,...

para lembrar

Estudante cabo-verdiana é assassinada no Brasil

Namorado, de nacionalidade brasileira, poderá ser o autor do...

Carta aberta da AMNB ao estado Brasileiro

NÃO A MP 696 Do AMNB A Câmara Federal dos Deputados...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=