Mulher negra ainda encontra dificuldades no acesso à saúde

Por Fernando Pivetti – [email protected]

Na Faculdade de Direito (FD) da USP, uma pesquisa levantou uma crítica à forma como o sistema de saúde na cidade de São Paulo atende as necessidades da mulher negra. O estudo revela que o exercício do direito à saúde para esse grupo de mulheres, que é garantido pela Constituição do Brasil, sofre discriminações raciais e de gênero.

O projeto da professora da Universidade Camilo Castelo Branco (Unicastelo) e da Universidade de Suzano (UNISUZ), Simone Henrique, buscou estudar o direito fundamental à saúde da mulher negra no município de São Paulo. Para a pesquisadora, um dos principais problemas reside na dicotomia entre o que a sociedade possui na teoria e o que ela realiza na prática. “Os instrumentos da Lei para garantir a saúde da mulher negra estão todos presentes. A igualdade formal no Brasil é imensa, mas a execução dessa igualdade não acontece”.

Durante o estudo, a pesquisadora realizou um levantamento teórico dos processos de saúde e direitos humanos em diversos institutos da USP além da FD, tais como a Faculdade de Saúde Pública (FSP), a Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH), no Departamento de Ciências Sociais, e a Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH), no programa de mestrado em Participação e Mudança Social. “Como minha formação é jurídica, procurei focar na multidisciplinaridade do projeto, buscando elementos de outras unidades de ensino”.

Paralelamente ao levantamento acadêmico, Simone foi à campo analisar a dinâmica de atendimento de uma unidadede saúde na periferia da cidade de São Paulo. “Vivenciei, e ainda vivencio, pois sou usuária do SUS, o cotidiano dos centros de saúde na cidade, sobretudo os próximos a minha casa”. Ela conta que percebeu durante a fase de levantamento que as mulheres negras possuem menos acesso à saúde, consultas médicas e exames.

Visibilidade do problema
Um dos principais objetivos finais da pesquisa de Simone foi resgatar e trazer dados da realidade vivida pela mulher negra no Brasil. “Busquei apresentar o problema, focando na cidade onde eu moro. Me questionava como essa politica de saúde publica que está teoricamente bem estruturada pela Constituição e pelo estatuto de igualdade racial está presente no cotidiano da cidade”.

Realidade Acadêmica
A professora ressalta que os problemas vivenciados pela mulher negra nos atendimentos médicos não se limitam apenas ao âmbito da saúde. Ela faz um alerta para a questão do acesso à educação que a população negra possui atualmente e afirma que essa problemática não é apenas dos negros, mas de todo o conjunto social. “Vejo como exemplo a própria Faculdade de Direito, uma unidade que ainda possui problemas com relação à questão racial, pela falta de acesso. Eu não me vejo nos corredores da faculdade. Sou agraciada por ter uma orientadora negra, a doutora Eunice Aparecida de Jesus Prudente, porém ela é uma das poucas professoras negras do Direito”.

A pesquisadora acredita que uma das principais alternativas para todo esse processo é pensar na educação em direitos humanos para modificar essa questão. “Falar em direitos humanos no Brasil hoje é correr riscos. São necessárias a mobilização e consciência de todos. Trata-se de um contexto, que funciona lado a lado, e o grande problema é que não nos reconhecemos uns nos outros”.

Foto: Marcos Santos / USP Imagens

Foto: Marcos Santos / USP Imagens     Fonte: USP

+ sobre o tema

A favela precisa ser vista e ouvida

A importância de um veículo da envergadura e da...

Caminhar reduz o risco de câncer de mama

  Mulheres na pós-menopausa que andam uma hora...

Brasil cai uma posição no ranking de desenvolvimento humano da ONU

O Brasil caiu uma posição no ranking de desenvolvimento...

Plataforma Cairo + 25 Brasil

fonte: REBRAPD Encontro Regional Sudeste, São Paulo, 5 e 6...

para lembrar

Marina mexe em mais um vespeiro popular: a CLT

Citando "o professor Gianetti", chefe de sua equipe econômica,...

Capacitismo não tem fim. Sanidade editorial, sim

A revista Vogue, preferida pela classe A e B...

STF decide que governo deve apresentar plano nacional sobre violações em presídios

Em decisão unânime, os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) determinaram...

Dez ativistas entrevistam Fábio Mesquita, diretor do Departamento Nacional de DST/Aids e Hepatites Virais

Atendimento na atenção básica, testes vendidos em farmácias, tratamento...
spot_imgspot_img

Câncer de pênis: Brasil é considerado o país com maior número de casos do mundo; veja os 6 sinais mais comuns da doença

O Brasil é considerado o país com maior incidência de câncer de pênis no mundo, em especial nas regiões Norte e Nordeste. Este tumor representa...

Geledés participa da 54ª Assembleia Geral da OEA

Com o tema “Integração e Segurança para o Desenvolvimento Sustentável da Região”, aconteceu entre os dias 26 a 28 de junho, em Assunção, Paraguai,...

Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos abre inscrições para sua 46ª edição

As inscrições para a 46ª edição do Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos estão abertas de 20 de junho a 20...
-+=