Mulher negra ainda encontra dificuldades no acesso à saúde

Por Fernando Pivetti – [email protected]

Na Faculdade de Direito (FD) da USP, uma pesquisa levantou uma crítica à forma como o sistema de saúde na cidade de São Paulo atende as necessidades da mulher negra. O estudo revela que o exercício do direito à saúde para esse grupo de mulheres, que é garantido pela Constituição do Brasil, sofre discriminações raciais e de gênero.

O projeto da professora da Universidade Camilo Castelo Branco (Unicastelo) e da Universidade de Suzano (UNISUZ), Simone Henrique, buscou estudar o direito fundamental à saúde da mulher negra no município de São Paulo. Para a pesquisadora, um dos principais problemas reside na dicotomia entre o que a sociedade possui na teoria e o que ela realiza na prática. “Os instrumentos da Lei para garantir a saúde da mulher negra estão todos presentes. A igualdade formal no Brasil é imensa, mas a execução dessa igualdade não acontece”.

Durante o estudo, a pesquisadora realizou um levantamento teórico dos processos de saúde e direitos humanos em diversos institutos da USP além da FD, tais como a Faculdade de Saúde Pública (FSP), a Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH), no Departamento de Ciências Sociais, e a Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH), no programa de mestrado em Participação e Mudança Social. “Como minha formação é jurídica, procurei focar na multidisciplinaridade do projeto, buscando elementos de outras unidades de ensino”.

Paralelamente ao levantamento acadêmico, Simone foi à campo analisar a dinâmica de atendimento de uma unidadede saúde na periferia da cidade de São Paulo. “Vivenciei, e ainda vivencio, pois sou usuária do SUS, o cotidiano dos centros de saúde na cidade, sobretudo os próximos a minha casa”. Ela conta que percebeu durante a fase de levantamento que as mulheres negras possuem menos acesso à saúde, consultas médicas e exames.

Visibilidade do problema
Um dos principais objetivos finais da pesquisa de Simone foi resgatar e trazer dados da realidade vivida pela mulher negra no Brasil. “Busquei apresentar o problema, focando na cidade onde eu moro. Me questionava como essa politica de saúde publica que está teoricamente bem estruturada pela Constituição e pelo estatuto de igualdade racial está presente no cotidiano da cidade”.

Realidade Acadêmica
A professora ressalta que os problemas vivenciados pela mulher negra nos atendimentos médicos não se limitam apenas ao âmbito da saúde. Ela faz um alerta para a questão do acesso à educação que a população negra possui atualmente e afirma que essa problemática não é apenas dos negros, mas de todo o conjunto social. “Vejo como exemplo a própria Faculdade de Direito, uma unidade que ainda possui problemas com relação à questão racial, pela falta de acesso. Eu não me vejo nos corredores da faculdade. Sou agraciada por ter uma orientadora negra, a doutora Eunice Aparecida de Jesus Prudente, porém ela é uma das poucas professoras negras do Direito”.

A pesquisadora acredita que uma das principais alternativas para todo esse processo é pensar na educação em direitos humanos para modificar essa questão. “Falar em direitos humanos no Brasil hoje é correr riscos. São necessárias a mobilização e consciência de todos. Trata-se de um contexto, que funciona lado a lado, e o grande problema é que não nos reconhecemos uns nos outros”.

Foto: Marcos Santos / USP Imagens

Foto: Marcos Santos / USP Imagens     Fonte: USP

+ sobre o tema

Governadores do Nordeste criam “consórcio” que já atua para trazer médicos cubanos de volta à região

Consórcio do Nordeste busca maior autonomia em relação ao...

‘Peguei coronavírus, mas me curei’: estudante conta por que decidiu ficar na China após doença

Quando Kem Senou Pavel Daryl, estudante camaronês de 21...

STF reconhece covid-19 como doença ocupacional e permite autuação de empresas

Com a decisão da Corte, ficam sem validade o...

Conheça Juliano Moreira, médico negro que fundou psiquiatria no Brasil

Nascido em Salvador em 1873, Juliano Moreira foi um...

para lembrar

Sede do Neab homenageia Ya Mukumbi

Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros funcionará em casa de madeira...

Conexões diaspóricas: mobilização da Marcha das Mulheres Negras no mundo

Mulheres negras de 21 países da América Latina, Caribe...

Como Aretha Franklin transformou uma música sexista em hino feminista

Uma das gravações mais influentes na história do R&B,...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=