segunda-feira, janeiro 30, 2023
InícioQuestões de GêneroMulher NegraMulher se torna professora após 14 anos como diarista em Ribeirão, SP

Mulher se torna professora após 14 anos como diarista em Ribeirão, SP

Maris Ester é uma das atrações da Feira do Livro que vai até 3 de junho.

Ribeirão-pretana voltou a estudar quando tinha 31 anos.

Por: Rodolfo Tiengo

 

“É dedo de Deus”, afirmou ao G1 a escritora Maris Ester de Souza, 47 anos, ex-faxineira que virou professora e hoje coordena um premiado projeto de incentivo à leitura em uma escola estadual na periferia de Ribeirão Preto (SP).

A mudança radical de vida, que será dividida com o público da 12ª Feira Nacional do Livro durante encontro com autores locais no Centro Cultural Palace, no dia 2, aconteceu quando Maris tinha 31 anos e decidiu voltar a estudar, após trabalhar por 14 anos como diarista, emprego que lhe garantia uma média de R$ 35 por dia de serviço.

Em meio a uma época marcada por depressão e uma rotina de sacrifícios, da condução para o trabalho aos horários apertados para estudar e cuidar dos filhos, Maris conseguiu publicar seu primeiro livro, concluir a faculdade e ficar conhecida pelo programa “Sala de Leitura”, com o qual ganhou o primeiro lugar em um concurso realizado na Feira do Livro em 2011.

O contato da então faxineira com as letras, inicialmente através de um curso supletivo para terminar o ensino médio, reavivou um talento literário guardado por anos. Apesar de ter abandonado cedo a escola para trabalhar, ela nunca deixou de ler. Dos contos de fadas aos textos de Lygia Fagundes Telles e Clarice Lispector, vieram as inspirações para as prosas primeiro rabiscadas em um caderno e depois reunidas em “Nua Para o Criador… Vestida Para a Humanidade”, livro publicado em 2001 com 500 exemplares.

interna2

“Eu lia o meu livro para os vizinhos”, se lembra Maris, ao citar a obra lançada dois meses antes da primeira edição da Feira do Livro de Ribeirão, evento em que ela recebeu o conselho de fazer faculdade. A ideia partiu de um desconhecido admirador de seu trabalho como escritora. “Aquele rapaz não sabe como mudou a minha vida”, relata, sobre o fato que a motivou a se matricular em Letras, curso só concluído em 2006, após a ajuda de amigos para pagar as mensalidades.

Com a graduação, outras realizações se concretizaram, como a participação em 17 antologias e sua atuação como professora, o que inclui a experiência de lecionar para detentas na Penitenciária Feminina de Ribeirão Preto durante dois anos. Vivências que aumentaram em Maris a convicção de que a leitura é transformadora e que a levaram a implementar o projeto “Sala de Leitura” com os próprios recursos.

Além do improviso com os alunos, ela teve que lidar com problemas em casa, principalmente com o estado de saúde do marido. “Nessa época ele teve infarto e AVC [Acidente Vascular Cerebral]”, disse.

Diante do que conquistou, Maris pensa na possibilidade de fazer um mestrado e publicar seu segundo livro, “Cartas para Samuel”. Também quer prosseguir com o trabalho de incentivo à leitura para alunos de ensino fundamental e médio. “Quero ajudar os alunos a se descobrirem.”

 

 

Fonte:  G1

Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench