Mulheres em Série: nova série traz mulheres ‘fora dos padrões’ como protagonistas

Negras, lésbicas, gordas e transgêneros são personagens ainda raras nas obras audiovisuais mais consumidas atualmente e sua representação é quase inexistente no principal produto do tipo no Brasil: as novelas. Quando aparecem, são tratadas de maneira caricata e jocosa, o que acaba reforçando estereótipos e preconceitos que a nossa sociedade insiste em cultivar.

Enviado para o Portal Geledés

Na contramão dessa tradição, Mulheres em Série traz, já em seu primeiro episódio, a força das mulheres comuns, os dramas reais e os inúmeros preconceitos que essas protagonistas sentem na pele, como milhares de brasileiras todos os dias. Letícia, por exemplo, a mulher transgênero que sonha em ser mãe, interpretada por uma atriz negra e também transgênero, representa os desafios desse grupo ainda marginalizado em nossa sociedade: segundo pesquisa da Transgender Europe, o Brasil é o país que mais mata transexuais no mundo.

Os fantasmas do passado de Madalena, uma figura solitária e enigmática, se revelam cada vez mais obscuros diante das câmeras, inserindo o espectador no terror que ainda habita seus pensamentos. A personagem simboliza a luta feminina por direitos e traz consigo o peso da tortura e a humilhação que sofreu na juventude pelas mãos da ditadura militar.

A série começa escancarando tabus em cenas que transitam entre a delicadeza e a perplexidade, provocando incômodo e comoção, como no diálogo entre a jornalista Claudia e a estudante Pietra, que conta em detalhes o estupro sofrido no campus da universidade em que estuda. Com uma trilha sonora forte e contundente Mulheres em Série abre caminho para uma séria reflexão sobre o conceito de “mulher padrão” e o protagonismo feminino em uma sociedade sexista.

 

Todos episódios lançados de Mulheres em Série estão disponíveis em nossos videos na lista de reprodução “Episódios da 1ª Primeira Temporada” e em nosso canal YouTube, inscreva-se em: https://www.youtube.com/channel/UCVuGzAFotz3RMpOU968H6Tg

+ sobre o tema

MPF entende que Lei Maria da Penha pode ser aplicada para mulheres trans

O Ministério Público Federal (MPF) constatou que mulheres transexuais têm direito às...

Abayomi: nossas bonecas originais

HORA DE HISTÓRIA Quando conhecemos a origem, a raiz de...

Violência psicológica é a violação mais comum dos direitos dos jovens

A violência psicológica cometida por familiares lidera ranking de...

Universidade de Stanford lança o primeiro curso de liderança exclusivo para profissionais LGBT

Com o objetivo de aumentar o número de profissionais...

para lembrar

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição...

Weissheimer: Essas lésbicas são terríveis!

Fica difícil saber o que está incomodando mais o...

“Leis para violência contra lésbica não funcionam na prática”, diz advogada 

Lesbofobia, lesbocídio, estupro corretivo: esses são nomes de violências...

As mulheres negras e o feminismo no Brasil

Texto preparado para a Fett Conference, apresentado em Oslo,...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...
-+=