Mulheres Negras ocupam hoje as ruas de São Paulo em marcha

Negras marcham contra as opressões de raça, gênero e classe

Por Juliana Gonçalves, do Brasil de Fato

Com uma articulação orgânica e coletiva, grupos de mulheres negras promovem ato no centro da capital paulista nesta segunda-feira, 25 de julho, data em que se celebra o Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha e Dia Nacional da Mulher Negra.

A concentração está prevista para às 17h na Praça Roosevelt, região central, e seguirá até o Largo do Paissandú, onde está localizado o monumento Mãe Preta, em frente à Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos.

Essa data é um marco de luta e resistência das Mulheres Negras, conquistada em 1992, em razão do diagnóstico de que todas as Mulheres Negras passam pelo mesmo tipo de opressão e desigualdade. No Brasil, além da data internacional, há a homenagem a Tereza de Benguela, que liderava o quilombo Quariterê, onde hoje está localizado o estado do Mato Grosso.

Em 18 de novembro de 2015, mais de 30 mil Mulheres Negras tomaram as ruas de Brasília (DF). Segundo a organização, o ato de hoje é um desdobramento do ganho político conquistado em Brasília. “Nós mulheres negras sempre estivemos nas ruas defendendo nossos filhos, nossa comunidade. Hoje voltamos às ruas para protestar mas também para celebrar a coragem e ousadia de tantas que tem ousado resignificar o conceito do Bem Viver, apostando na utopia de uma vida plena, digna, com dignidade, justiça e prazer, em especial quando o cenário aponta para perda de direitos duramente conquistados”, afirma Nilza Iraci, coordenadora executiva do Geledés Instituto da Mulher Negra.

Entre as frentes participantes estão representantes do Geledés Instituto da Mulher Negra, Marcha Mundial de Mulheres, Catadoras de Material Reciclável, Levante Mulher, UNEAFRO, Manifesto Crespo, Coletivo Luana Barbosa, Conversa de Preta, Ilú Obá de Min, Cojira/SP, Conen, Unegro, Mulheres Negras do Psol, Levante Popular da Juventude, Aurora Negra, Frente de Mulheres Imigrantes e Refugiadas, Caminhada de Lésbicas e Bissexuais, entre outras.

Leia o manifesto da marcha, aqui.

Serviço

Data: 25 de julho de 2016

Horários e Locais:

Concentração: às 17h, na Praça Roosevelt – São Paulo

Trajeto: às 19h, da Praça Roosevelt até a o Largo do Paissandú

 

Confira o especial do Brasil de Fato “Nós, Mujeres, uma homenagem ao Dia Internacional da Mulher Negra Afro-Latina e Caribenha e o Dia Nacional da Mulher Negra

 

+ sobre o tema

“Não nos oprima ou tente nos controlar”: atrizes comentam 2 anos do #MeToo

Weinstein deve ser julgado em janeiro por acusações de...

A extinção do preto, marrom, amarelo e bege: a extinção do negro

Não é utopia, é como caminha a humanidade. E...

‘Filmei meu próprio estupro e consegui a prisão do meu agressor’

A britânica Lillian Constantine, de 19 anos, foi estuprada...

para lembrar

‘Sou um ato político’, diz 1ª passista plus size da Mocidade Alegre

Em entrevista à Catraca Livre, Joyce Carolina relata situações...

Superexploração do trabalho expressa racismo e machismo

Não foi à toa que esse governo, ao tomar...

I Assembleia Popular de Mulheres Negras acontece no dia 31

O Coletivo Negro Universitário e o Programa Educação Tutorial...

Aborto

O dia 28 de setembro foi instituído como o...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=