Mulheres negras: sororidade e luta

“8 de março o que é o que é? É o dia internacional da mulher!” Esse grito de guerra eu aprendi aos 9 anos de idade – em  1988 – ainda me arrepio quando lembro daquele dia. E também da avenida Paulista inteira tomada por milhares de mulheres cantando a música Maria, Maria (do Milton Nascimento e Fernando Brant). No dia seguinte contei com muito orgulho o motivo da minha ausência para a professora da quarta série. Nessa época, minha mãe – Sandra Regina – era militante da ARMMA: Associação Regional de Mulheres Margarida Alves, na cidade de Santos. Ainda tenho a lembrança de muito acolhimento naqueles tempos em que sobrevivíamos com muitas dificuldades financeiras. Lembro-me do cheiro de café e do gosto do chá com bolachas na cozinha da casa da Gemma Rebello, e dos abraços das companheiras que nos fortaleciam. O termo utilizado para traduzir esse sentimento de acolhimento entre as mulheres feministas é: ‘sororidade’.

Por  Tatiana Oliveira, do Revista Fórum

“Sororidade é uma dimensão ética, política e prática do feminismo contemporâneo.É uma experiência subjetiva entre mulheres na busca por relações positivas e saudáveis, na construção de alianças existencial e política com outras mulheres, para contribuir com a eliminação social de todas as formas de opressão e ao apoio mútuo para alcançar o empoderamento vital de cada mulher. A sororidade é a consciência crítica sobre a misoginia e é o esforço tanto pessoal quanto coletivo de destruir a mentalidade e a cultura misógina, enquanto transforma as relações de solidariedade entre as mulheres.” (RÍOS, Maiara Moreira de, Y DE LOS Marcela Lagarde . Sororidad. In: GAMBA, Susana Beatriz. Diccionario de estúdios de género y feminismos. Buenos Aires: 2009.) No último sábado – dia 7 de março – participei da “Roda de Conversa: de Preta pra Preta”, promovida pelo Núcleo Impulsor do estado de SP da Marcha das Mulheres Negras 2015. O evento, realizado no Sindicato dos Advogados, teve a presença de cerca de 50 mulheres e foi marcado pela ‘sororidade’, pela necessidade que temos de falar e dividir nossas dores, nossas lutas e também nossas conquistas.

Discutimos o significado do dia 8 de março e a importância do movimento de mulheres negras construído pela luta de quem sofre duplamente pela opressão machista e o racista. Além da articulação para a construção da Marcha das Mulheres Negras 2015 – Contra o Machismo, a violência e pelo bem-viver! que será realizada no dia 18 de novembro. O encontro durou quase quatro horas e encerrou com uma oficina na qual customizamos camisetas e cartazes para o dia seguinte, a Marcha do Dia Internacional da Mulher!

+ sobre o tema

Eventos promovem feminismo negro com rodas de samba e de conversa

"Empoderadas do Samba" ocupa espaço ainda prioritariamente masculino e...

Dandara: ficção ou realidade?

Vira e mexe, reacende a polêmica sobre a existência...

Michelle Obama está farta de ser chamada “mulher revoltada de raça negra”

“Uma mulher revoltada de raça negra”. Michelle Obama está...

A banalização da vida diante da cultura do abandono e da morte

O ano de 2017 expondo as vísceras da cultura...

para lembrar

Mortalidade materna de mulheres negras é o dobro da de brancas, mostra estudo da Saúde

Assim como outros indicadores de saúde, a mortalidade materna é...

Racismo institucional e ensino da cultura africana são debatidos entre governo e movimento negro

 A presidenta Dilma Rousseff recebeu nesta sexta-feira (19),...

Sagrado Feminino , os riscos para as rodas de mulheres.

Rodas de sagrado feminino estão acontecendo em cada esquina...

Igreja continuará satanizando direitos das mulheres? por Fátima Oliveira

O papa Francisco, num mesmo dia, 20 de setembro,...
spot_imgspot_img

Ela me largou

Dia de feira. Feita a pesquisa simbólica de preços, compraria nas bancas costumeiras. Escolhi as raríssimas que tinham mulheres negras trabalhando, depois as de...

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...

Comida mofada e banana de presente: diretora de escola denuncia caso de racismo após colegas pedirem saída dela sem justificativa em MG

Gladys Roberta Silva Evangelista alega ter sido vítima de racismo na escola municipal onde atua como diretora, em Uberaba. Segundo a servidora, ela está...
-+=