Mulheres nos PALOP “desproporcionalmente afetadas” no acesso à saúde

A diretora do Departamento de Doenças Transmissíveis da Organização Mundial da Saúde para África afirmou esta sexta-feira, 20 de abril, que, apesar do aumento da participação das mulheres na política nos países lusófonos, estas continuam a ser desproporcionalmente afetadas no acesso à saúde.

 

Do Delas 

 

Foto: Shutterstock

“Apesar da maior e crescente participação de mulheres na política e nos governos, em alguns dos países [da África lusófona] as mulheres e raparigas continuam a sofrer diariamente discriminação e são desproporcionalmente afetadas pelos desafios no acesso aos cuidados de saúde”, disse a diretora do Departamento de Doenças Transmissíveis da Organização Mundial de Saúde para África (OMS-África), Magda Robalo, que falava numa conferência do encontro regional da Cimeira Mundial de Saúde, em Coimbra.

Para Magda Robalo, há vários desafios que “a África lusófona enfrenta” com a instabilidade política a continuar a ter um impacto na saúde das mulheres.

Com a exceção de Cabo Verde, que assegura “uma quase cobertura universal de cuidados de saúde e que descriminalizou o aborto“, as mulheres e raparigas nos países africanos de expressão portuguesa “sofrem discriminação”, seja representada pela mortalidade maternal, violência doméstica ou taxas de gravidez na adolescência muito elevadas – consequência “do casamento precoce e acesso restrito a cuidados de saúde” -, alertou Magda Robalo.

Segundo a diretora do Departamento de Doenças Transmissíveis, é necessário combater a desigualdade de género na área da saúde, referindo que espera que a OMS-Áfricatrabalhe “cada vez mais com a CPLP [Comunidade dos Países de Língua Portuguesa] para apoiar a implementação da agenda regional de acesso universal à saúde reprodutiva e sexual“.

Para Magda Robalo, quando se fala de desigualdade de género nunca se pode retirar o homem da equação.

“Todos os movimentos que têm surgido e se têm mobilizado pela igualdade de género não podem ter sucesso se não envolverem os homens. Temos que envolver as nossas crianças, os nossos rapazes, os nossos jovens, os nossos maridos”, defendeu, apelando a um compromisso dos homens em questões de igualdade de género.

“Há homens que têm tido sucesso em abordar questões como a prevenção do VIH ou a violência doméstica. Mas ainda são poucos para fazer a diferença”, constatou.

Durante a conferência, que tinha como tema “Investir na Saúde das Mulheres”, falaram também a diretora da Representação Regional do Fundo das Nações Unidas para a População (FNUAP) em Genebra, Mónica Ferro, a ex-diretora do Departamento de Saúde Reprodutiva e Investigação da OMS Marleen Temmerman e o diretor-adjunto para Saúde Materno-infantil na Fundação Bill & Melinda Gates, Jerker Liljestrand.

O encontro regional da Cimeira Mundial de Saúde, que começou na quinta-feira, reuniu mais de 700 peritos, num evento em que o tema central foi a saúde global dos países africanos.

Durante a reunião em Coimbra foram apresentadas comunicações por cerca de 120 oradores de mais de 40 países, que abordaram temas como a mortalidade infantil, cuidados de saúde após conflitos armados, doenças infecciosas, alterações climáticas,medicina digital, reversão da disseminação da malária, migração e saúde e acesso a vacinas.

+ sobre o tema

Evento Diálogos Insubmissos de Mulheres Negras leva autora Conceição Evaristo à Flipelô

Escritora, poetisa, romancista e ensaísta, Conceição Evaristo, 70 anos,...

“Cidade Correria – Um Bando de Artistas” estreia no Circuito Spcine nesta quinta-feira (22)

Escrito e dirigido pela cineasta Juliana Vicente, idealizadora da...

Kalunga e o direito: a emergência de um direito inspirado na ética afro-brasileira

Sérgio São Bernardo “gingar é ir de encontro ao outro”! As...

Graça Machel: “O medo é a maior barreira para as liberdades”

A viúva do primeiro Presidente da República de Moçambique,...

para lembrar

Lima Barreto, escritor negro e pobre, será homenageado na Flip 2017

A próxima edição da Festa Literária de Paraty, que acontece...

Rafaela Silva é a 1ª brasileira na semifinal do judô da Rio-2016

Traumas servem para que você supere seus medos. Não...

Simbolismo de posse de Barbosa não pode ser negado, diz Luiza Bairros

A ministra da Igualdade Racial, Luiza Bairros, afirmou nesta...
spot_imgspot_img

Flávia Souza, titular do Fórum de Mulheres do Hip Hop, estreia na direção de espetáculo infantil antirracista 

Após mais de vinte anos de carreira, com diversos prêmios e monções no teatro, dança e música, a multiartista e ativista cultural, Flávia Souza estreia na...

Segundo documentário sobre Luiz Melodia disseca com precisão o coração indomado, rebelde e livre do artista

Resenha de documentário musical da 16ª edição do festival In-Edit Brasil Título: Luiz Melodia – No coração do Brasil Direção: Alessandra Dorgan Roteiro: Alessandra Dorgan, Patricia Palumbo e Joaquim Castro (com colaboração de Raul Perez) a partir...

Tony Tornado relembra a genialidade (e o gênio difícil) do amigo Tim Maia, homenageado pelo Prêmio da Música Brasileira

Na ausência do homenageado Tim Maia (1942-1998), ninguém melhor para representá-lo na festa do Prêmio da Música Brasileira — cuja edição 2024 acontece nesta quarta-feira (12),...
-+=