Guest Post »

Mumia Abu-Jamal

Mumia Abu-Jamal, nascido Wesley Cook, em 24 de abril de 19543, é um americano julgado e condenado à morte pelo assassinato, em 9 de dezembro de 1981, do policial Daniel Faulkner. [1] Vem, sendo descrito como “talvez o mais conhecido prisioneiro no Corredor da Morte, em todo o mundo” e é uma das pessoas que, na atualidade, desperta os mais controvertidos debates. [2]

Antes de ser detido era membro do Partido dos Panteras Negras, ativista, motorista de táxi em turno parcial, jornalista, comentador de noticiário e locutor de rádio.

Desde sua condenação seu caso tem recebido atenção internacional e ele se tornou um ícone cultural controvertido.  Apoiadores e adversários discordam quanto à propriedade da pena de morte, se ele é culpado ou se recebeu um julgamento justo. .[3][4][5] Ao longo dos anos escreveu, na prisão, vários livros e comentários, com destaque para o livro Live from Death Row.

No dia 6 de abril de 2009 a Suprema Corte dos Estados Unidos decidiu que a condenação de 28 oito anos atrás deveria ser mantida. [6] Um recurso da Promotoria Pública com o objetivo de reafirmar a pena de morte ainda não foi apreciado.  Em 2008 um painel, integrado por três juizes do 3o Círculo da Corte de Apelação manteve a condenação por assassinato, mas ordenou um novo julgamento, já que existe a preocupação de que os membros do júri não foram instruídos apropriadamente.  Desde 1995 Abu-Jamal está preso em SCI Greene, [8] perto de Waynesburg, Pennsylvania, onde está encarcerada a maioria dos condenados à pena capital.

JUVENTUDE E ATIVISMO

O pai de Abu-Jamal morreu quando ele tinha nove anos. [9] Ele recebeu o nome de Mumia em 1968 de seu professor do ginásio, um queniano que dava aulas de culturas da África, durante as quais os alunos assumiam nomes africanos. [10] Ele declarou que “Mumia” significa “Príncipe” e que este era o nome de nacionalistas africanos anti-coloniais, que moviam guerra aos britânicos no Quênia, durante o movimento de independência daquele país. [11] Adotou o sobrenome Abu-Jamal (“pai de Jamal”, em árabe), após o nascimento de seu filho Jamal, em 18 de julho de 1971. [10][12] Seu primeiro casamento, aos 19 anos, com a mãe de Jamal, Biba, durou pouco tempo. [13] A filha deles, Lateefa, nasceu pouco após o casamento. [14] Mazi, filho de Abu-Jamal e de sua segunda esposa, Marilyn, conhecida como “Peachie”, [12] nasceu no início de 1978.  Abu-Jamal separou-se de Marylin e começou a viver com sua terceira e atual esposa, Wadiya, pouco antes dos acontecimentos que levaram à sua prisão. [16]

ENVOLVIMENTO COM OS PANTERAS NEGRAS

Em seus escritos, Abu-Jamal descreve sua experiência, na adolescência, ao ingressar no Partido dos Panteras Negras,[18] após ter sido espancado por racistas brancos e um policial, quando se esforçava em interferir em um comício em favor de George Wallace para presidente, em 1968. [17] No ano seguinte, aos 15 anos, ajudou a formar o ramo de Philadelphia do Partido dos Panteras Negras.  De acordo com suas palavras, assumiu a responsabilidade de ser o “Tenente da Informação”, que implicava em escrever textos de propaganda e também o noticiário.  Numa das entrevistas que concedeu naquela época ele citou Mao Tsé-Tung, afirmando que “o poder político cresce a partir do cano de uma arma”. [19] Naquele mesmo ano abandonou a Benjamin Franklin High School e passou a morar na sede local do Partido dos Panteras Negras. [18] Passou o final de 1969 em Nova York e o início de 1970 em Oakland, morando e trabalhando com seus colegas do partido naquelas cidades. [20] Foi membro do partido de maio de 1969 até outubro de 1970, tendo ficado sob a vigilância do Escritório Federal de Investigação (COINTELPRO) a partir daquela data e até cerca de 1974.[21]

ESTUDOS E CARREIRA NO JORNALISMO

Após deixar os Panteras, Abu-Jamal retornou a sua antiga escola, mas foi suspenso por distribuir escritos que apregoavam “o poder estudantil negro revolucionário”. [22] Liderou também protestos mal sucedidos, com o objetivo de mudar o nome da escola para Malcom X High.  Após diplomar-se, estudou durante pouco tempo no Goddard College, na zona rural do Estado de Vermont. [23]

Em 1975 dedicou-se à vocação de noticiarista de rádio, inicialmente na rádio WRTI, da Universidade Temple, e em seguida em organizações comerciais. [22] Em 1975 foi empregado na estação de rádio WHAT e tornou-se responsável por uma programa de notícias semanal, na WCAU-FM, em 1978. [24] Durante um breve período trabalhou também na rádio WPEN, e tornou-se membro ativo do ramo local da Associação Americana dos Usuários da Maconha. [24] A partir de 1979 trabalhou na rádio pública WUHY até 1981, quando foi solicitado a pedir demissão, após uma controvérsia sobre exigências de que ele adotasse um enfoque objetivo, ao apresentar as notícias. [24] Como jornalista ganhou o apelido de “a voz dos que não têm voz” e ficou sendo conhecido por identificar-se e divulgar o MOVE, uma comuna anarco-primitivista do bairro de Powelton Village, em Philadelphia, incluindo uma reportagem sobre o julgamento de alguns de seus membros, realizado em 1979-80, acusados do assassinato do policial James Ramp. [24] Durante sua carreira na rádio ele realizou muitas entrevistas com personalidades notórias, incluindo Julius Erving, Bob Marley e Alex Haley. [25] Ao mesmo tempo Abu-Jamal foi eleito presidente da Associação dos Jornalistas Negros de Filadélfia e recebeu vários prêmios da Sociedade de Jornalistas Profissionais. [25]

Na época do assassinato do policial Daniel Faulkner, Abu-Jamal trabalhava duas noites por semana como motorista de táxi em Philadelphia, [26] a fim de complementar o que ganhava. [27] Era também presidente da Associação dos Jornalistas Negros de Filadélfia e trabalhava em turno parcial como repórter de WDAS, [24] então uma pequena estação de rádio de orientação afro-americana.[29]

PRISÃO POR ASSASSINATO E JULGAMENTO

Daniel Faulkner
Daniel Faulkner

Daniel Faulkner

No dia 9 de dezembro de 1981, em Filadélfia, próximo ao cruzamento das ruas 13 e Locust, Mumia atirou em Daniel Faulkner, do Departamento de Polícia de Filadélfia, matando o policial, após este ordenar que o carro que ele dirigia parasse.  O carro pertencia a William Cook, irmão mais moço de Abu-Jamal.  Durante o incidente, Abu-Jamal foi ferido por um disparo de Faulker, caído no meio-fio, e a polícia o deteve.  Foi levado diretamente da cena do tiroteio para o Hospital da Universidade Thomas Jefferson, onde recebeu tratamento.  Mais tarde foi acusado de haver assassinado Daniel Faulkner. [30]

O caso foi a julgamento em junho de 1982 em Filadélfia.  O juiz Albert F. Sabo concordou inicialmente com o pedido de Abu-Jamal no sentido de representar a si próprio e o advogado da defesa, Anthony Jackson, atuaria como seu conselheiro legal.  Durante o primeiro dia do julgamento a decisão foi revogada e Jackson recebeu a ordem de atuar como o único advogado de Abu-Jamal, pois o juiz opinou que o acusado praticava atos intencionalmente perturbadores. [31]

A acusação e o julgamento

A acusação apresentou quatro testemunhas perante o tribunal.  Robert Chobert, motorista de taxi, identificou Abu-Jamal como autor do disparo. [32] Cynthia White, uma prostituta, alegou ter visto um homem surgir de um estacionamento próximo e atirar em Faulkner. [33] Michael Scanlon, um motorista, testemunhou que, a uma distância de dois carros, viu um homem, que combinava com a descrição de Abu-Jamal, sair de um estacionamento e aproximar-se correndo, atirando em  Faulkner. [34] Albert Magilton , um pedestre que não presenciou o assassinato, testemunhou ter visto Faulkner mandar o carro de Cook parar.  Quando estava a ponto de ver Abu-Jamal atravessar a rua, vindo do estacionamento, Magilton retirou-se e perdeu de vista o que aconteceu em seguida. [35]

A acusação também apresentou duas testemunhas, presentes no hospital após a altercação.  Priscila Durham, guarda da segurança do hospital e o policial Garry Bell testemunharam que Abu-Jamal fez uma confissão no hospital, dizendo: “Atirei naquele filho da puta e espero que o filho da puta morra.” [36]

Um revólver marca Charter Arms, calíbre 38, pertencente a Abu-Jamal, com cinco balas deflagradas, foi recolhido no local.  As características da arma eram consistentes com os fragmentos de balas retiradas do corpo de Faulkner. [37] Não foram realizados testes confirmando que Abu-Jamal havia sacado a arma e disparado.  A luta de Abu-Jamal com a polícia, durante sua detenção, teria feito os resultados potenciais cientificamente pouco confiáveis. [38]

A defesa durante o julgamento

A defesa manteve que Abu-Jamal era inocente das acusações e que o depoimento das testemunhas de acusação não era digno de confiança.

A defesa apresentou nove testemunhas, incluindo a poeta Sonia Sanchez, a qual afirmou que Abu-Jamal “era visto pela comunidade negra como um homem criativo, eloquente, pacífico e afável”. [39] Outra testemunha de defesa, Dessie Hightower, declarou ter visto um homem correndo pela rua logo após o tiroteio, embora não o tenha presenciado. [40] Seu testemunho contribuiu para o desenvolvimento da “teoria do homem que saiu correndo”, baseada na possibilidade de que aquele homem pudesse ter sido quem de fato atirou.  Veronica Jones também foi testemunha de defesa, porém não viu ninguém correndo. [41] Outras potenciais testemunhas de defesa se recusaram a comparecer perante o tribunal. [42] Abu-Jamal não testemunhou em sua própria defesa.

Veredicto e sentença

O júri decidiu unanimemente pela condenação, após três horas de deliberação.

Na fase de pronunciamento, durante o julgamento, Abu-Jamal leu para o júri uma declaração por ele mesmo redigida.  Foi então interrogado sobre questões relativas à apreciação de seu caráter por Joseph McGill, o advogado de acusação.[43] Em sua declaração, Abu-Jamal criticou seu advogado, afirmando que ele lhe foi imposto contra sua própria vontade, o qual “sabia ser inadequado para a tarefa e escolheu seguir as diretivas daquele conspirador de toga preta, o (juiz) Albert Sabo, mesmo que isso significasse ignorar as diretivas dele, Abu-Jamal.”  Alegou que seus direitos haviam sido “fraudulentamente roubados” dele pelo juiz, enfocando particularmente a negativa de sua petição em receber assistência, quanto a sua defesa, de John Africa, que não era promotor, e de ser impedido de agir em seu próprio nome.  Citou algumas observações feitas por John Africa e declarou-se “inocente destas acusações”.[44]

Abu-Jamal foi subsequentemente condenado à morte por decisão unânime do júri.[45]

Recursos após o julgamento

A partir do julgamento foram apresentados novos recursos, contradizendo as provas apresentadas.

Decorridos dezoito anos do assassinato, Arnold Beverley declarou que “usando uma jaqueta verde do exército”, ele correu pela rua e atirou em Daniel Faulkner como parte de um contrato de pistolagem, já que o policial estava interferindo no suborno e pagamentos de propina com a finalidade de corromper a polícia. [46] Um detetive particular, George Newman, declarou em 2001 que Chobert havia renegado seu testemunho. [47] Cynthia White ou morreu em 1992 ou desapareceu e, subsequentemente, declarou-se que ela havia falsificado seu testemunho.  Kenneth Pate, meio-irmão de Priscilla Durham, que foi preso com Abu-Jamal por outras acusações, declara, desde então, que Durham admitiu não ter ouvido a confissão feita no hospital. [50] Os médicos do hospital declararam que Abu-Jamal não tinha condições de fazer uma confissão tão dramática no momento em que foi hospitalizado. [9]

Em sua versão dos acontecimentos, detalhada em depoimento, debaixo de juramento, vinte anos mais tarde, Abu-Jamal declarou que estava sentado em seu táxi do outro lado da rua quando ouviu gritos, viu em seguida um carro da polícia e ouviu o barulho de tiros.  Ao ver seu irmão do outro lado da rua, desorientado, Abu-Jamal saiu do estacionamento e foi correndo até ele, quando então levou um tiro de um policial.  Nessa declaração, não houve explicação para o fato de se encontrar um revólver perto de Abu-Jamal, na cena do crime, nem o motivo pelo qual ele usava um coldre, no momento em que foi detido.  Ele também não explicou por que havia falta de cinco balas em sua arma. [51] William Cook, irmão de Abu-Jamal, detido pelo policial Faulkner, não testemunhou ou prestou qualquer declaração até 2011, quando disse não ter visto quem atirou em Faulker. [52]

Recursos interpostos e revisão

Recursos do Estado

Um recurso direto contra a condenação de Abu-Jamal foi objeto de apreciação, tendo sido negado pelo Supremo Tribunal da Pennsylvania em 6 de março de 1989, [53] o qual, subsequentemente, recusou nova audiência.[54] O Supremo Tribunal dos Estados Unidos, em 1o de outubro de 1990, [55] negou uma petição apresentada por Abu-Jamal e, por duas vezes negou outra petição, solicitando nova audiência, em 20 de junho de 1991. [56][57]

O governador Ridge, da Pennsylvania, assinou o mandato de morte em 1995.
O governador Ridge, da Pennsylvania, assinou o mandato de morte em 1995.

Em 1o. de junho de 1995 o mandato de morte foi assinado por Tom Ridge, governador da Pennsylvania. [57] A execução foi suspensa enquanto Abu-Jamal pleiteava uma revisão da condenação.  Nessa ocasião foram ouvidas novas testemunhas.  William “Dales” Singletary testemunhou ter visto o tiroteio e que o atirador era o passageiro que se encontrava no carro de Cook. [58] Seu relato continha discrepâncias que, na opinião do tribunal, o tornaram “indigno de crédito”. [57][59] William Harmon, preso e condenado por fraude, testemunhou que o assassino do policial Faulkner fugiu num carro que brecou na cena do crime e não podia ter sido Abu-Jamal. [60] Robert Harkins, entretanto, testemunhou ter visto um homem debruçado sobre Faulkner, enquanto este estava caído no chão, dando-lhe um tiro à queima-roupa no rosto e, em seguida “caminhou e sentou-se no meio-fio”. [61][62]

Os seis juízes do Supremo Tribunal da Pennsylvania decidiram unanimemente que todas as questões levantadas por Abu-Jamal, incluindo a queixa de uma assistência ineficaz por parte do conselho, eram desprovidas de mérito. [63] O Supremo Tribunal dos Estados Unidos negou uma petição contra tal decisão em 4 de outubro de 1999, capacitando o governador Ridge a assinar um segundo mandato de morte em 13 de outubro de 1999.  A execução foi suspensa, pois Abu-Jamal começou a pleitear sua revisão, por meio de um habeas-corpus impetrado a nível federal. [57]

Em 2008 a Suprema Corte da Pennsylvania rejeitou nova petição de Abu-Jamal, no sentido de uma nova audiência, alegando que as testemunhas, durante o julgamento, cometeram perjúrio, pois o condenado havia esperado um tempo demasiado antes de encaminhar a petição. [64][65]

Decisão federal instruindo nova sentença

Graffiti: "Libertem Mumia" / "Assassino de policial"
Graffiti: “Libertem Mumia” / “Assassino de policial”

O juiz William H. Yohn Jr., do Tribunal Distrital dos Estados Unidos para o Distrito Leste de Pennsylvania manteve a prisão, porém revogou a sentença de morte em 18 de dezembro de 2001, citando irregularidades cometidas no processo original de condenação, [57] assinalando especificamente que

“…as instruções do júri e o veredicto, neste processo, envolveram bem pouco razoável aplicação da lei federal. A forma da acusação e do veredicto criaram a provável possibilidade de que o júri acreditava estar dispensado de levar em consideração quaisquer circunstâncias atenuantes que, segundo decisão unânime, não existiam.”[57]

Ele ordenou que o Estado de Pennsylvania desse início a procedimentos visando uma nova sentença e no prazo de 180 dias. [66] Determinou a inconstitucionalidade de se exigir unanimidade do júri no que se referia à descoberta de circunstâncias atenuantes e que isso poderia determinar a sentença de morte.[67] Eliot Grossman e Marlene Kamish, advogados de Abu-Jamal, criticaram a resolução, afirmando que ela negava a possibilidade de um novo julgamento, durante o qual poderiam apresentar provas de que seu cliente havia sido falsamente incriminado. [68] Os promotores também criticaram a resolução.  Maureen Faulkner, viúva do policial assassinado, descreveu Abu-Jamal como “desprovido de remorsos, assassino repleto de ódio”, a quem “se permitiria gozar dos prazeres de simplesmente estar vivo”, tomando por base o julgamento. [69] Ambas as partes recorreram.

Recurso federal

Em 6 de dezembro de 1005, o Terceiro Círculo da Corte de Apelação reconheceu a existência de quatro fatores que permitiriam recurso contra a decisão do Tribunal Distrital:[70] 1) em relação à sentença, se a forma do veredicto do júri havia sido invalidada e se as instruções do juiz para o júri o haviam induzido à confusão; 2) em relação ao pronunciamento e à sentença, se havia existido um viés racial quanto à seleção do júri, a tal ponto que isso tenderia a ocasionar um julgamento injusto; 3) em relação à condenação, se a promotoria tentou inapropriadamente reduzir o senso de responsabilidade dos jurados, dizendo-lhes que um veredicto de culpa seria contestado subsequentemente e se tornaria motivo para um recurso; 4) em relação à revisão e às novas audiências de testemunhas, em 1995-6, se o juiz que presidiu a sessão, o qual também presidiu o julgamento, demonstrou um viés inaceitável em sua conduta.

O Terceiro Círculo ouviu argumentos orais nos recursos, em data de 17 de maio de 2007, no Tribunal Federal em Filadélfia.  Presidiu o julgamento do recurso o juiz Anthony Joseph Scirica, coadjuvado pelos juízes Thomas Ambro e Robert Cowen.  A Comunidade da Pennsylvania procurou reafirmar a sentença de morte, alegando que a decisão de Yohn não poderia subsistir, já que ele deveria ter se atido à decisão do Tribunal Supremo da Pennsylvania, o qual já se pronunciara sobre a questão do pronunciamento.  Alegou também que o recurso era inválido, pois Abu-Jamal não apresentara queixas, por ocasião da seleção do júri.  O advogado de Abu-Jamal declarou ao Terceiro Círculo que Abu-Jamal não tivera um julgamento justo, pois o júri tinha um viés racial e era mal informado, além do que o juiz era racista. [71] (Teri Maurer Carter, estenógrafa do tribunal, declarou em uma audiência, em 2001, que o juiz que presidiu o julgamento havia dito: “Pois é, vou ajudá-los a fritar este negro”, durante um diálogo que dizia respeito ao processo contra Abu-Jamal. [72][73] O juiz Sabo negou ter feito semelhante comentário[74])

Em 27 de março de 2008 os três juízes mantiveram, por dois votos a um, a validade dos argumentos de Yohn, em 2001, mas rejeitaram ter havido um viés racista e também as alegações do advogado de defesa, Batson.  Se a Comunidade da Pennsylvania decidir não promover uma nova audiência, Abu-Jamal será automaticamente sentenciado à prisão perpétua. [75][76] Em 22 de julho de 2008, uma petição formal de Abu-Jamal requerendo a reconsideração da decisão por um grupo dos 12 juízes do Terceiro Círculo foi negada. [77] Um recurso em separado dos advogados de acusação  com a finalidade de reafirmar a pena de morte ainda não foi apreciado. [7]

A vida de prisioneiro

Em maio de 1994 Abu-Jamal foi contratado pelo programa All Things Considered, da National Public Radio, para fazer uma série de comentários mensais, com a duração de três minutos cada, sobre crime e castigo. [78] Os planos e o contrato foram cancelados após protestos e condenações por parte de, entre outros a Ordem Fraternal da Polícia[79] e o senador Bob Dole, republicano do Kansas. [80] Mais tarde seus comentários foram publicados, em maio de 1995, como parte do livro Live from Death Row.

Em 1999 ele foi convidado para fazer um discurso programático para os formandos do The Evergreen State College.  O convite foi objeto de veementes protestos. [82] Em 2000 ele fez um discurso inaugural no Antioch College.[83] O New College, da School of Law da Califórnia, concedeu-lhe uma distinção honorífica “por sua luta em resistir à pena de morte“.[84]

Com interrupções ocasionais, devidas a questões disciplinares na prisão, Abu-Jamal é, há muitos anos, comentarista periódico em um programa de rádio, patrocinado por Prison Radio, [85] bem como escreve regularmente colunas para um jornal marxista da Alemanha, Junge Welt.  Em 1995 foi punido e confinado numa solitária por participar de um movimento contrário aos regulamentos da prisão.  Em 1996, em seguida à transmissão de um documentário da HBO, intitulado Mumia Abu Jamal: A Case For Reasonable Doubt, que incluía filmagens de entrevistas suas com visitas, o Departamento de Correção da Pennsylvania atuou no sentido de proibir que pessoas de fora usassem quaisquer equipamentos de gravação nas prisões do Estado. [23] Em um litígio com o Tribunal de Apelação dos Estados Unidos, em 1998, ele foi muito bem sucedido e firmou seu direito de escrever na prisão, a fim de obter recursos financeiros.  O mesmo litígio acusou que o Departamento de Correção da Pennsylvania havia aberto ilegalmente sua correspondência, na tentativa de verificar se ele estava escrevendo com o objetivo de obter proventos financeiros.  Quando, durante breve período de agosto de 1999, ele começou a fazer seus comentários ao vivo em um programa de rádio, Democracy Now!, da rede Pacifica Network, os funcionários da prisão cortaram os fios do telefone, no momento em que ele se apresentava. [23]

Suas publicações incluem Death Blossoms: Reflectons from a Prisioner of Conscience, em que ele aborda temas religiosos, All Things Censored, crítica política em que ele examina questões ligadas ao crime e à punição e We Want Freedom: A Life in the Black Panther Party, uma história dos Panteras Negras, em que ele recorre a material autobiográfico.

Apoio popular e oposição

Concerto por ocasião de uma manifestação (Libertem Mumia), na Alemanha, em 2007
Concerto por ocasião de uma manifestação (Libertem Mumia), na Alemanha, em 2007

Criou-se um movimento internacional em apoio à causa de Abu-Jamal.  A oposição uniu-se em torno da família de Daniel Faulkner, o Commonwealth da Pennsylvania e a Ordem Fraternal da Polícia. [87]

Apoio

Seus apoiadores protestam diante da flagrante injustiça ou deploram a pena de morte no seu e em outros casos.  A lista de pessoas e organizações que apóiam Mumia Abu-Jamal inclui sindicatos, [88][89][90][91] o Partisan Defense Committee,[92] governos municipais dos Estados Unidos e de países estrangeiros, [93] políticos, [5][94] advogados,[95] educadores,[96] o NAACP Legal Defense and Educational Fund,[22] organizações de defesa dos direitos humanos, tais como Human Rights Watch,[97] a Anistia Internacional[3] e celebridades, a exemplo da banda de rock Rage Against the Machine.

Abu-Jamal recebeu o título de cidadão honorário de cerca de 25 cidades no mundo inteiro, incluindo Paris, Montreal, Palermo e Copenhagen.[98][99] Recebeu, em 2001 o Prêmio Erich Mühsam, estabelecido em 1993, que reconhece ações de destacado ativismo em favor de uma visão libertária da sociedade humana.[100] A maioria dos premiados tem sido ativistas da causa da justiça social, em se tratando de minorias perseguidas. [101]

Em outubro de 2002 ele foi feito membro honorário da Associação Dos Perseguidos pelo Regime Nazista – Federação de Grupos Antifascistas (VVN-BdA), sediada em Berlim. [102]

Em 29 de abril de 2006 uma rua recentemente asfaltada, no subúrbio parisiense de St Denis, recebeu o nome de Rue Mumia Abu-Jamal, em sua homagem. [103]

Oposição

Camiseta Anti-Abu-Jamal vendida na região de Filadélfia[104]
Camiseta Anti-Abu-Jamal vendida na região de Filadélfia[104]
 Em agosto de 1999 a Ordem Fraternal da Polícia convocou um boicote econômico a todos os indivíduos e organizações que apóiam Abu-Jamal. [105]

Em protesto ao nome dado à rua, o congressista Michael Fitzpatrick, do Partido Republicano da Pennsylvania, e o senador Rick Santorum, do mesmo partido e região, apresentaram moções nas duas casas do Congresso, condenando a iniciativa.  A votação, na Câmara, foi de 368 votos a favor da moção e 31 votos contra.[108]

Em dezembro de 2006, 25o aniversário do assassinato do policial, o comitê executivo do Partido Republicano do 59o Distrito da Cidade de Filadélfia, que abrange aproximadamente Germantown, apresentou duas queixas-crime ao sistema legal francês, contra as prefeituras de Paris e de Saint Denis, citando a defesa equivocada daquelas municipalidades, ao “glorificarem” Abu-Jamal, alegando ter sido cometida uma ofensa, mediante “apologia ou negação do crime”.[98][109]

Mumia Abu-Jamal na cultura popular

De 1995 a 2008 há exemplos de referências feitas a Abu-Jamal, em gravações de música popular e em espetáculos de música. KRS OneChumbawambaRage Against the MachineUnbound AllstarsSaul WilliamsAnti-flagImmortal Technique nd Snoop Dogg se incluem entre as bandas que participaram dessas referê ncias. Abu-Jamal e sua condenação têm sido objeto de três documentários e um programa televisivo especial (20/20), transmitido logo após o 27o aniversário de sua prisão.

As referências e a abordagem o evocam ou como representante dos prisioneiros no corredor da morte, nos Estados Unidos, como um revolucionário, como um homem sujeito à punição sem a merecer ou como alguém injustamente condenado por assassinato, capaz de recrutar outras pessoas para a causa de mantê-lo vivo e de se opor à imposição da pena capital.

 

Notas

  1. ^ Commonwealth v. Abu-Jamal, Pennsylvania Court of Common Pleas, First Judicial District, Philadelphia, Case Nos. 1357-59.
  2. ^ New York Times, p. 1, 19 de dezembro, 2001
  3. a b “A Life in the Balance: The Case of Mumia Abu-Jamal”. Amnesty International. February 17, 2000. http://www.amnesty.org/en/report/info/AMR51/001/2000. Obtido em 2007-10-18.
  4. ^ Taylor Jr., Stuart (December 1995). “Guilty and Framed”. The American Lawyer. http://www.courttv.com/archive/casefiles/mumia/guilty.html. Obtido em 22-01-2008.
  5. a b European Parliament resolution 9(f) B4-1170/95 (p. 39 do original, 49 do pdf)” (pdf). European Parliament21 de setembro de 1995http://www.europarl.europa.eu/calendar/calendar?APP=PDF&TYPE=PV2&FILE=19950921EN.pdf&LANGUE=EN. Obtido em 22-01-2008.
  6. a b c Supreme Court lets Mumia Abu-Jamal’s conviction stand” (HTML). CNN. April 6, 2009http://www.cnn.com/2009/CRIME/04/06/mumia.supreme.court/. Obtido em 2009-04-06.
  7. a b “Ex-Black Panther Rejected by U.S. Supreme Court in Murder Case” (HTML). Bloomberg.com. 6 de abril, 2009. http://www.bloomberg.com/apps/news?pid=20601103&sid=aa.d8ZdfNEbg&refer=us. Obtido em 2009-04-07.
  8. ^ Official Web p. for SCI Greene
  9. a b Smith, Laura (October 27, 2007). “‘I spend my days preparing for life, not for death’“. The Guardianhttp://www.guardian.co.uk/usa/story/0,,2198557,00.html. Obtido em 22-01-2008.
  10. a b Burroughs, Todd Steven (2004). “Prologue: Joining the Party“. Ready to Party: Mumia Abu-Jamal and the Black Panther Party. The College of New Jerseyhttp://www.tcnj.edu/~kpearson/Mumia/index.htm. Obtido em 22-01-2008.
  11. ^ Abu-Jamal, Mumia (February 7, 2003). “Question for Mumia: Tell Me About Your Name”. Mumia Abu-Jamal Radio Broadcast. Prison Radio. http://www.prisonradio.org/maj/maj_2_7_name.html. Obtido em 22-01-2008.
  12. a b Burroughs, Todd Steven (2004). “Part IV: Leaving the Party“. Ready to Party: Mumia Abu-Jamal and the Black Panther Party. The College of New Jerseyhttp://www.tcnj.edu/~kpearson/Mumia/parrt4.htm. Obtido em 22-01-2008.
  13. ^ Bisson, p.119 quoted at The Religious Affiliation of Mumia Abu-Jamal“. Adherents.com. 3 de setembro, 2005http://www.adherents.com/people/pa/Mumia_AbuJamal.html. Obtido em 22-01-2008.
  14. ^ Burroughs, Todd Steven (December 2001). “Mumia Abu-Jamal’s Family Faces Future While Fighting Fear 20th Anniversary of 1981 Shooting Approaches”. NNPA News Service. http://whosemedia.com/drums/2006/12/01/remembering-13th-and-locust-25-years-later/. Obtido em 22-01-2008.
  15. ^ Conferir em: Vann, Bill (April 27, 1999). Tens of thousands rally in Philadelphia for political prisoner Mumia Abu-Jamal“. World Socialist Web Site newsInternational Committee of the Fourth Internationalhttp://www.wsws.org/articles/1999/apr1999/maj-a27.shtml. Obtido em 22-01-2008. e Erard, Michael (July 4, 2003). “A Radical in the Family”. The Texas Observer. http://www.michaelerard.com/fulltext/2006/08/a_radical_in_the_family_texas.html. Obtido em 22-01-2008.
  16. ^ Hill, Craig (November 6, 1993). “The fight to save Mumia Abd-Jamal: Wadiya Jamal at NYC Rally”. The Michigan Citizen. http://www.highbeam.com/doc/1P1-2221398.html. Obtido em 22-01-2008.
  17. ^ Abu-Jamal, Mumia (1996). Live From Death Row. New York: Harper Perennial. pp. p.151. ISBN 0-380-72766-8.
  18. a b Burroughs, Todd Steven (2004). “Part I: “Do Something, Nigger!”“. Ready to Party: Mumia Abu-Jamal and the Black Panther Party. The College of New Jerseyhttp://www.tcnj.edu/~kpearson/Mumia/part1.htm. Obtido em 22-01-2008.
  19. ^ Burroughs, Todd Steven (2004). “Epilogue: The Barrel of a Gun“. Ready to Party: Mumia Abu-Jamal and the Black Panther Party. The College of New Jerseyhttp://www.tcnj.edu/~kpearson/Mumia/part5.htm. Obtido em 22-01-2008.
  20. ^ Burroughs, Todd Steven (2004). “Part II: The Party in Philadelphia“. Ready to Party: Mumia Abu-Jamal and the Black Panther Party. The College of New Jerseyhttp://www.tcnj.edu/~kpearson/Mumia/part2.htm. Obtido em 22-01-2008.
  21. ^ Burroughs, Todd Steven (2004). “Part III: ‘Armed and Dangerous’: Tracked by the FBI“. Ready to Party: Mumia Abu-Jamal and the Black Panther Party. The College of New Jerseyhttp://www.tcnj.edu/~kpearson/Mumia/part3.htm. Obtido em 22-01-2008.
  22. a b c d Shaw, Theodore M.; Chachkin, Norman J.; Swarns, Christina A. (July 27, 2007). “Brief of amicus curiae” (pdf). Mumia Abu-Jamal v. Martin Horn, Pennsylvania Director of Corrections, et al.. NAACP Legal Defense and Educational Fund. http://www.naacpldf.org/content/pdf/jury/Abu-Jamal_v_Horn_amicus_brief.pdf. Obtido em 22-01-2008.
  23. a b c Burroughs, Todd Steven (Septembro-Outubro 2004), “Mumia’s voice: confined to Pennsylvania’s death row, Mumia Abu-Jamal remains at the center of debate as he continues to write and options to appeal his police murder conviction dwindle“, Black Issues Book Reviewhttp://findarticles.com/p/articles/mi_m0HST/is_5_6/ai_n6194201/pg_1, Obtido em 22-01-2008
  24. a b c d e “The Suspect – One Who Raised His Voice”. The Philadelphia Inquirer. December 10, 1981. http://www.fortunecity.com/meltingpot/botswana/509/inqarticles/12-10a.htm. Obtido em 22-01-2008.
  25. a b O’Connor, J. Patrick, The Framing of Mumia Abu-Jamal, pp. 53-54.
  26. ^ Abu-Jamal, Mumia. All Things Censored
  27. ^ O’Commor, J. Patrick, ‘The Framing of Mumia Abu-Jamal’, p. 53-54.
  28. ^ “30 Moments in Journalism”. National Association of Black Journalists. December 2, 2005. http://www.nabj.org/30/moments/thirty/v-print/story/31591p-46158c.html. Obtido em 22-01-2008.
  29. ^ “Philadelphia AM Radio History”. Radio-History.com. http://www.angelfire.com/nj2/piratejim/phillyamhistory.html. Obtido em 22-01-2008.
  30. ^ “Trial and Post-Conviction Relief Act (PCRA) hearing transcripts” (pdf). Commonwealth of Pennsylvania. http://www.danielfaulkner.com/docs/MumiaTrialandPCRAAppealsTranscripts.pdf. Obtido em 22-01-2008.
  31. ^ Trial transcript §1.72-§1.73“. Commonwealth vs. Mumia Abu-Jamal aka Wesley Cook. Court of Common Pleas, Philadelphia County, Criminal Trial Division. 17 de junho, 1982http://www.justice4danielfaulkner.com/Days/6-17-82.html. Obtido em 22-01-2008.
  32. ^ Trial transcript §3.210-§3.211“. Commonwealth vs. Mumia Abu-Jamal aka Wesley Cook. Court of Common Pleas, Philadelphia County, Criminal Trial Division. 19 de junho, 1982http://www.justice4danielfaulkner.com/Days/6-19-82.html#chobert. Obtido em 22-01-2008.
  33. ^ Trial transcript pp.94-95“. Commonwealth vs. Mumia Abu-Jamal aka Wesley Cook. Court of Common Pleas, Philadelphia County, Criminal Trial Division. 21 de junho, 1982http://www.justice4danielfaulkner.com/Days/6-21-82.html#white. Obtido em 22-01-2008.
  34. ^ Trial transcript pp.5-75“. Commonwealth vs. Mumia Abu-Jamal aka Wesley Cook. Court of Common Pleas, Philadelphia County, Criminal Trial Division. 25 de junho, 1982http://www.justice4danielfaulkner.com/Days/6-25-82.html#scanlan. Obtido em 22-01-2008.
  35. ^ Trial transcript pp.75 ff.“. Commonwealth vs. Mumia Abu-Jamal aka Wesley Cook. Court of Common Pleas, Philadelphia County, Criminal Trial Division. 25 de junho, 1982http://www.justice4danielfaulkner.com/Days/6-25-82.html#magilton. Obtido em 22-01-2008.
  36. ^ Trial transcript pp.29, 31, 34, 137, 162 and 164“. Commonwealth vs. Mumia Abu-Jamal aka Wesley Cook. Court of Common Pleas, Philadelphia County, Criminal Trial Division. 24 de junho, 24, 1982http://www.justice4danielfaulkner.com/Days/6-24-82.html. Obtido em 22-01-2008.
  37. ^ Trial transcript p.169“. Commonwealth vs. Mumia Abu-Jamal aka Wesley Cook. Court of Common Pleas, Philadelphia County, Criminal Trial Division. 23 de junho, 1982http://www.justice4danielfaulkner.com/Days/6-23-82.html#paul. Obtido em 22-01-2008.
  38. ^ PCRA hearing transcript, pp.118-122“. Commonwealth vs. Mumia Abu-Jamal aka Wesley Cook. Court of Common Pleas, First Judicial District of Pennsylvania, Criminal Trial Division. August 2, 1995http://www.justice4danielfaulkner.com/pcra/95-08-02.html. Obtido em 22-01-2008.
  39. ^ Trial transcript p.19“. Commonwealth vs. Mumia Abu-Jamal aka Wesley Cook. Court of Common Pleas, Philadelphia County, Criminal Trial Division. 30 de junho, 1982http://www.justice4danielfaulkner.com/Days/6-30-82.html#sanchez. Obtido em 22-01-2008.
  40. ^ Trial transcript p.127“. Commonwealth vs. Mumia Abu-Jamal aka Wesley Cook. Court of Common Pleas, Philadelphia County, Criminal Trial Division. 28 de junho, 1982http://www.justice4danielfaulkner.com/Days/6-28-82.html. Obtido em 22-01-2008.
  41. ^ Trial transcript pp.99-100“. Commonwealth vs. Mumia Abu-Jamal aka Wesley Cook. Court of Common Pleas, Philadelphia County, Criminal Trial Division. 29 de junho, 1982http://www.justice4danielfaulkner.com/Days/6-29-82.html#jones. Obtido em 22-01-2008.
  42. ^ Post-Trial Motions transcript p.29“. Commonwealth vs. Mumia Abu-Jamal aka Wesley Cook. Court of Common Pleas, First Judicial District of Pennsylvania, Criminal Trial Division. May 25, 1983http://www.justice4danielfaulkner.com/Days/5-25-83.html. Obtido em 22-01-2008.
  43. ^ Trial transcript, pp.3-34“. Commonwealth vs. Mumia Abu-Jamal aka Wesley Cook. Court of Common Please, Philadelphia Criminal Trial Division. 3 de julho, 1982http://www.justice4danielfaulkner.com/Days/7-3-82.html. Obtido em 22-01-2008.
  44. ^ Trial transcript, pp.10-16“. Commonwealth vs. Mumia Abu-Jamal aka Wesley Cook. Court of Common Please, Philadelphia Criminal Trial Division. 3 de julho, 1982http://www.justice4danielfaulkner.com/Days/7-3-82.html. Obtido em 22-01-2008.
  45. ^ Trial transcript, pp.100-103“. Commonwealth vs. Mumia Abu-Jamal aka Wesley Cook. Court of Common Please, Philadelphia Criminal Trial Division. 3 de julho, 1982http://www.justice4danielfaulkner.com/Days/7-3-82.html. Obtido em 22-01-2008.
  46. ^ Beverly, Arnold (June 8, 1999). “Affidavit of Arnold Beverly”. Free Mumia Coalition. http://www.freemumia.com/beverlydeclaration.html. Obtido em 22-01-2008.
  47. ^ Newman, George Michael (September 25, 2001), Affidavit of George Michael Newman, Free Mumia Coalition, http://www.freemumia.com/newmandeclaration.html, Obtido em 22-01-2008
  48. ^ PCRA hearing transcript p.144“. Court of Common Pleas, First Judicial District of Pennsylvania, Criminal Trial Division. 26 de junho, 1997http://www.justice4danielfaulkner.com/pcra/97-06-26.html. Obtido em 22-01-2008.
  49. ^ Williams, Yvette (January 28, 2002), Declaration of Yvette Williams, Free Mumia Coalitionhttp://www.mumia.de/doc/aktuell/20020227mde01en.html, Obtido em 22-01-2008
  50. ^ Pate, Kenneth (April 18, 2003). “Declaration of Kenneth Pate“. Free Mumia Coalitionhttp://www.mumia.de/doc/aktuell/20030510mde00en.html. Obtido em 22-01-2008.
  51. ^ Abu-Jamal, Mumia (May 3, 2001). “Declaration of Mumia Abu-Jamal”. Chicago Committee to Free Mumia Abu-Jamal. http://www.chicagofreemumia.org/mumiadecl.html. Obtido em 22-01-2008.
  52. ^ Cook, William (April 29, 2001). “Declaration of William Cook”. Free Mumia Coalition. http://www.freemumia.com/cookdeclaration.html. Obtido em 22-01-2008.
  53. ^ Pennsylvania v. Abu-Jamal, 555 A.2d 846 .
  54. ^ Pennsylvania v. Abu-Jamal, 569 A.2d 915 .
  55. ^ Abu-Jamal v. Pennsylvania, 498 U.S. 881 .
  56. ^ Abu-Jamal v. Pennsylvania, 501 U.S. 1214 .
  57. a b c d e f Yohn, William H., Jr. (December 2001). “Memorandum and Order” (pdf). Mumia Abu-Jamal, Petitioner, vs. Martin Horn, Commissioner, Pennsylvania Department of Corrections, et al., Respondents. US District Court for the Eastern District of Philadelphiahttp://www.paed.uscourts.gov/documents/opinions/01D0951P.pdf. Obtido em 22-01-2008.
  58. ^ PCRA hearing transcript pp.204 ff.“. Commonwealth vs. Mumia Abu-Jamal aka Wesley Cook. Court of Common Pleas, First Judicial District of Pennsylvania, Criminal Trial Division. 11 de agosto, 1995http://www.justice4danielfaulkner.com/pcra/95-08-11.html#singletary. Obtido em 22-01-2008.
  59. ^ PCRA hearing transcript pp.16 ff.“. Commonwealth vs. Mumia Abu-Jamal aka Wesley Cook. Court of Common Pleas, First Judicial District of Pennsylvania, Criminal Trial Division. August 14, 1995http://www.justice4danielfaulkner.com/pcra/95-08-14.html#jones. Obtido em 2008-02-02.
  60. ^ PCRA hearing transcript pp.45 ff.“. Commonwealth vs. Mumia Abu-Jamal aka Wesley Cook. Court of Common Pleas, First Judicial District of Pennsylvania, Criminal Trial Division. 10 de agosto, 1995http://www.justice4danielfaulkner.com/pcra/95-08-10.html#harmon. Obtido em 22-01-2008.
  61. ^ PCRA hearing transcript“. Commonwealth vs. Mumia Abu-Jamal aka Wesley Cook. Court of the Common Pleas, First Judicial District of Pennsylvania, Criminal Trials Division. 2 de agosto, 1995http://www.justice4danielfaulkner.com/pcra/95-08-02.html#harkins. Obtido em 22-01-2008.
  62. ^ Faulkner, Maureen (December 8-14, 1999). “Running From The Truth“. The Village Voicehttp://www.prodeathpenalty.com/running.htm. Obtido em 22-01-2008.
  63. ^ Pennsylvania v. Abu-Jamal, 720 A.2d 79 .
  64. ^ Lounsberry, Emilie (February 20, 2008), “Pa. court rebuffs Abu-Jamal on bid for perjury hearing”, The Philadelphia Inquirer: B03
  65. ^ “Mumia Abu-Jamal Loses Bid for Hearing”. Associated Press. February 19, 2008. http://ap.google.com/article/ALeqM5iu7PTDiKqmVlPwnGH1mYVrTWha9gD8UTLLAG0. Obtido em 2008-03-05.
  66. ^ Abu-Jamal’s death sentence overturned“. BBC News. December 18, 2001http://news.bbc.co.uk/1/hi/world/americas/1718274.stm. Obtido em 22-01-2008.
  67. ^ Ver p.70 do recurso apresentado em 2006 em favor de Abu-Jamal perante o Trib unal de Apelação dos Estados Unidos, citando a decisão do juiz Yohn no Tribunal Distrital dos Estados Unidos, a Oitava e a Décima Quarta emendas à Constituição dos Estados Unidos e o precedente havido na Corte Suprema dos Estados Unidos, por ocasião do processo Mills versus Maryland,  , 486 U.S. 367 (1988)
  68. ^ Mumia still waiting for due process“. International Concerned Family and Friends of Mumia Abu Jamal. March 6, 2003http://www.mumia2000.org/alerts/legalupdate3-03.html. Obtido em 22-01-2008.
  69. ^ Rimer, Sara (December 19, 2001). “Death sentence overturned in 1981 killing of officer“. The New York Timeshttp://query.nytimes.com/gst/fullp..html?res=9902E5DC123EF93AA25751C1A9679C8B63&n=Top/Reference/Times%20Topics/People/A/Abu-Jamal,%20Mumia. Obtido em 22-01-2008.
  70. ^ Lindorff, Dave (December 8, 2005). “A victory for Mumia”. Salon.com. http://dir.salon.com/story/news/feature/2005/12/08/mumia/index.html. Obtido em 22-01-2008.
  71. ^ Duffy, Shannon P. (May 18, 2007). “Spectators Pack Courtroom as 3rd Circuit Hears Appeal in Mumia Abu-Jamal Case”. The Legal Intelligencer. http://www.law.com/jsp/article.jsp?id=1179392702456. Obtido em 22-01-2008.
  72. ^ Maurer-Carter, Terri (August 21, 2001). “Declaration of Terri Maurer-Carter“. Free Mumia Coalitionhttp://www.mumia.de/doc/aktuell/20010903mde02en.html. Obtido em 22-01-2008.
  73. ^ Bryan, Robert R.; Judith L. Ritter (July 20, 2006). “Brief on behalf of Mumia Abu-Jamal to the US Court of Appeal” (pdf). Law Offices of Robert R. Bryan. http://www.freemumia.org/articlesnewspg/7-20-06filing.pdf. Obtido em 22-01-2008.
  74. ^ Conroy, Theresa (September 4, 2001), “She’s ‘scared’ by impact of her allegation – Says Mumia judge made a racist remark”, Philadelphia Daily News
  75. ^ Matheson, Kathy (March 27, 2008). “Court: Mumia deserves new hearing”. The Associated Press. http://news.yahoo.com/s/ap/20080327/ap_on_re_us/mumia_abu_jamal;_ylt=AuwB_B7AlQKvQZIP2celIJGs0NUE. Obtido em 2008-03-27.
  76. ^ 3rd Circuit Decision in Abu-Jamal v. Horn” (PDF). 27 de março, 2008http://www.ca3.uscourts.gov/opinarch/019014p.pdf. Obtido em 2008-03-27.
  77. ^ “Sur Petition for Rehearing Abu-Jamal v. Horn et al.” (PDF). United States Court of Appeals for the Third Circuit. 22 de julho, 2008. http://www.ca3.uscourts.gov/casesofinterest/mumia/019014o.pdf. Obtido em 2008-09-02.
  78. ^ Carter, Kevin L (May 16, 1994). “A voice of Death Row to be heard on NPR”. The Philadelphia Inquirer. http://www.fortunecity.com/meltingpot/botswana/509/inqarticles/5-16-94.htm. Obtido em 22-01-2008.
  79. ^ Carter, Kevin L (May 17, 1994). “Inmate’s broadcasts canceled”. The Philadelphia Inquirer. http://www.fortunecity.com/meltingpot/botswana/509/inqarticles/5-17-94.htm. Obtido em 22-01-2008.
  80. ^ “Mumia Abu-Jamal Sues NPR, Claiming Censorship”. Court TV. 26 de março, 1996. http://www.courttv.com/archive/casefiles/mumia/npr.html. Obtido em 22-01-2008.
  81. ^ “Inmate’s commentaries, dropped by NPR, will appear in print”. The Philadelphia Inquirer. March 6, 1995. http://www.fortunecity.com/meltingpot/botswana/509/inqarticles/3-6-95.htm. Obtido em 22-01-2008.
  82. ^ Peter Bohmer of Evergreen State College, Washington (May 26, 1999). Mumia Abu-Jamal to Speak at College Graduation CeremoniesComunicado de imprensa. http://academic.evergreen.edu/b/bohmerp/znetmay99.htm. Obtido em 22-01-2008.
  83. ^ Reynolds, Mark (June 2, 2004). “Whatever Happened to Mumia Abu-Jamal?”. PopMatters. http://www.popmatters.com/columns/reynolds/040602.shtml. Obtido em 22-01-2008.
  84. ^ “Honorary Degrees”. New College of California School of Law. http://www.newcollege.edu/law/honorary_degrees.cfm. Obtido em 22-01-2008.
  85. ^ Abu-Jamal, Mumia. “Mumia Abu-Jamal’s Radio Broadcasts – essay transcripts and archived mp3”. PrisonRadio.org. http://www.PrisonRadio.org/mumia.htm. Obtido em 22-01-2008.
  86. ^ United States Court of Appeals for the Third Circuit (August 25, 1998) (txt). Opinion in Mumia Abu-Jamal v. James Price, Martin Horn, and Thomas Fulcomer, No. 96-3756. Villanova University School of Law. http://vls.law.vill.edu/locator/3d/Aug1998/98a1947p.txt. Obtido em 22-01-2008.
  87. ^ “The Danny Faulkner Story – Related Information”. Fraternal Order of Police. http://www.fop.net/causes/faulkner/info.shtml. Obtido em 22-01-2008.
  88. ^ ILWU (February 9, 1999). San Francisco ILWU Local 10 Executive Board Resolution – Apoio às demonstrações de 24 de abril de 1999 em favor da causa de Mumia Abu Jamal, descrevendo também o apoio de outros grupos ligados a sindicatos).  Comunicado de imprensahttp://www.geocities.com/capitolhill/8425/unionmumia.htm. Obtido em 22-01-2008.
  89. ^ International Convention of the SEIU (1999). Service Employees International Union (SEIU) voted without dissent to demand justice for Mumia Abu-Jamal. Comunicado de imprensahttp://www.iacenter.org/polprisoners/maj_seiu.htm. Obtido em 22-01-2008.
  90. ^ APWU (July 26, 2000). Formal resolution “support(ing) a new, fair trial for activist Mumia Abu-Jamal”. Comunicado de imprensahttp://www.apwu.org/news/nsb/2000/nsb13-conv03-2000-072600.htm. Obtido em 2007-10-18.
  91. ^ California Labor Federation, AFL-CIO (July 18, 2000). California Labor Federation defends Mumia – support for the “Labor for Mumia” Campaign. Comunicado de imprensahttp://www.agrnews.org/issues/80/nationalnews.html. Obtido em 22-01-2008.
  92. ^ Partial list of individuals, labor organizations, and other groups which have signed the Partisan Defense Committee’s Demand for the Immediate Freedom of Mumia Abu-Jamal“. Partisan Defense Committee1o. de outubro, 2007http://www.partisandefense.org/campaigns/signers.html. Obtido em 22-01-2008.
  93. ^ San Francisco Board of Supervisors (January 11, 2005) (pdf). Resolution urging a new trial for Mumia Abu-Jamal. Comunicado de imprensa. http://www.sfgov.org/site/uploadedfiles/bdsupvrs/resolutions05/r0052-05.pdf. Obtido em 22-01-2008.
  94. ^ Cynthia McKinney (June 19, 2009), Mumia Abu-Jamal: Grave injustice, GlobalResearch.cahttp://www.globalresearch.ca/index.php?context=va&aid=14031, Obtido em 26 de junho, 2009
  95. ^ Elijah, Jill Soffiyah (July 26, 2006) (pdf). Brief of Amici Curiae National Lawyers Guild, National Conference of Black Lawyers, International Association of Democratic Lawyers et al. in support of Mumia Abu Jamal in the United States Court of Appeals for the Third Circuit. National Lawyers Guild. http://www.nlg.org/news/statements/amici_nlgMumia2006.pdf. Obtido em 22-01-2008.
  96. ^ Educators for Mumia Abu-Jamal website“. Educators for Mumia Abu-Jamalhttp://www.emajonline.com/. Obtido em 22-01-2008.
  97. ^ Human Rights Watch (1996). United States 1996 country report – citing advocacy on behalf of Mumia Abu-Jamal to the Governor of Pennsylvania and the Superintendent of Waynesburg State Correctional Institution in 1995. From World Report 1996. Human Rights Watchhttp://www.hrw.org/reports/1996/WR96/Back.htm. Obtido em 22-01-2008.
  98. a b Ceïbe, Cathy; Patrick Bolland (translator) (November 13, 2006). “USA Sues Paris: From Death Row, Mumia Stirs Up More Controversy“. L’Humanitéhttp://www.humaniteinenglish.com/article423.html. Obtido em 22-01-2008.
  99. ^ O’Connor, J. Patrick,The Framing of Mumia Abu-Jamal, p. 199
  100. ^ Chief p. for the prize at the Web site of the Erich Mühsam Society (in German)
  101. ^ Auxiliary commentary about the prize at the Web site of the Erich Mühsam Society (in German)
  102. ^ With United Power Forward” (in German). junge Welt. October 7, 2002http://translate.google.com/translate?u=http%3A%2F%2Fwww.mumia.de%2Fdoc%2Faktuell%2F20021031mde00de.html&langpair=de%7Cen&hl=en&safe=off&ie=UTF-8&oe=UTF-8&prev=%2Flanguage_tools. Obtido em 22-01-2008.
  103. ^ Simons, Stefan (June 29, 2006). “Paris Street for Mumia Abu-Jamal Sparks Trans-Atlantic Row“. Der Spiegelhttp://www.spiegel.de/international/spiegel/0,1518,423872,00.html. Obtido em 22-01-2008.
  104. ^ “Justice For Daniel Faulkner T-Shirts”. danielfaulkner.com. http://www.danielfaulkner.com/original/Tshirt.html. Obtido em 22-01-2008.
  105. ^ Fraternal Order of Police (August 11, 1999). FOP attacks supporters of convicted cop killer. Comunicado de imprensa. http://www.fop.net/servlet/display/news_article?id=177&XSL=xsl_p.s%2fpublic_news_individual.xsl. Obtido em 22-01-2008.
  106. ^ HR 407, 109th US Congress“. GovTrack.us. May 19, 2006http://www.govtrack.us/congress/bill.xpd?bill=hc109-407. Obtido em 22-01-2008.
  107. ^ SR 102, 109th US Congress“. GovTrack.us. June 15, 2006http://www.govtrack.us/congress/bill.xpd?bill=sc109-102. Obtido em 22-01-2008.
  108. ^ HR 1082, 109th US Congress“. GovTrack.us. December 6, 2006http://www.govtrack.us/congress/bill.xpd?bill=hr109-1082. Obtido em 22-01-2008.
  109. ^ 59th Republican Ward Executive Committee Files Criminal Charges Against Cities of Paris and Suburb for ‘Glorifying’ Infamous Philadelphia Cop-Killer“. 59th Republican Ward Executive Committee – City of Philadelphia. 11 de dezembro 2006. Copiado do original em 28 setembro 2007http://web.archive.org/web/20070928011555/http://www.politicspa.com/pressreleasedetailed.asp?id=7501. Obtido em 2008-10-26.

Vídeo

Vídeo de 1996, com visita ao corredor da morte e entrevista com Mumia Abu-Jamal

Áudio

  • Programas de rádio de Mumia Abu-Jamal

Grupos de apoio a Mumia Abu-Jamal

Grupos de oposição

 

Partido dos Panteras Negras

Membros fundadoresHuey P. Newton, Bobby Seale
InfluênciasBlack Power, Robert F. Williams
ProgramasFree Breakfast for Children

Panteras acusados de assassinato

Assata Shakur, H. Rap Brown, Warren Kimbro, George W. Sams, Jr., Lonnie McLucas, Mumia Abu-Jamal

Panteras mortos pela polícia

Bobby Hutton, Mark Clark, Fred Hampton
Outros membros notáveisBetty Van Patter, David Hilliard, Eldridge Cleaver, Elaine Brown, Robert Trivers, Billy Garland, Afeni Shakur, Malik Rahim, Bobby Rush, Nile Rodgers, Geronimo Pratt, Pete O’Neal, Chaka Khan, Jamal Joseph, George Jackson, Larry Pinkney, Lorenzo Kom’boa Ervin, Aaron Dixon, Angela Davis, Kathleen Neal Cleaver, Bunchy Carter, Stokely Carmichael, William Lee Brent, Charles Barron, Richard Aoki, Ashanti Alston
OutroNew Black Panther Party

 

Obtdo de http://en.wikipedia.org/wiki/Mumia_Abu-Jamal

Tradução, pesquisa e seleção de imagens:

Carlos Eugênio Marcondes de Moura

Imagens obtidas em Google Imagens

Related posts