Na cidade de São Paulo, 19% dos homicídios têm indício de execução

 

Daniel Mello, 

São Paulo –  Pesquisa divulgada hoje (12) pelo Instituto Sou da Paz indicou que 19% dos homicídios registrados na capital paulista, entre janeiro de 2012 e junho de 2013, tiveram indícios de execução, quando o autor tem a intenção de matar, com um ataque direto à vítima, premeditando o crime. A pesquisa analisou 1.777 boletins de ocorrência.

No período analisado, 329 pessoas foram mortas com indício de execução. Os jovens entre 15 e 29 anos (42,4%), negros (45,8%) e homens (97%) são as principais vítimas. Os registros desse tipo de crime ocorrem em maior quantidade nas delegacias responsáveis pelas periferias da zona norte, leste e sul. Em 95% dos casos com indício de execução, o autor é desconhecido, escondendo a identidade com o uso de máscaras e capacetes, e em 98%, foram usadas armas de fogo.

O estudo revelou que em 43% dos assassinatos não foi mencionado motivo ou circunstância do crime, nos boletins de ocorrência. Em 79% do total de casos analisados, não se sabe quem é o autor. “Muitos crimes com autoria desconhecida e com circunstâncias desconhecidas revela que a gente precisa melhorar muito a produção de dados, inclusive para que a gente possa fazer afirmações”, ressaltou a diretora do instituto, Luciana Guimarães. “Não adianta só a gente saber que tem execução e a gente não consegue dizer quem está executando”, pontuou. Em 13% dos casos, há registro apenas de que um corpo foi encontrado.

O secretário estadual da Segurança Pública de São Paulo, Fernando Grella, admitiu que o nível de esclarecimento dos assassinatos ainda é “muito baixo”. Ele acrescentou, no entanto, que o governo está trabalhando para melhorar a qualidade das investigações e, assim, aumentar o percentual de crimes solucionados. “ É nesse sentido que nós estamos trabalhando, dotando as polícias de ferramentas, com o uso da tecnologia da informação, melhores e mais eficazes”, destacou, ao citar iniciativas como a integração da base de dados dos órgãos de segurança.

Entre as causas de assassinatos, estão discussões (13%), conflitos de casal (4%) e reações a um crime (4%). A maior parte das vítimas é homem (87%) e negro (49,1%). A arma de fogo foi utilizada em 61,2% dos assassinatos, seguida pela arma branca (16,1%) e pela agressão (9,9%).

 

 

Fonte: Agência Brasil

Na cidade de São Paulo, 19% dos homicídios têm indício de execução

+ sobre o tema

Proporção de negros assassinados no Brasil é a maior em 11 anos

A proporção de pessoas negras assassinadas no Brasil atingiu...

Racismo e ressentimento dos brancos pobres – Silvio Almeida

O filósofo do direito Silvio Almeida, responsável pela revisão...

Quando a segurança pública engole os direitos humanos

O presidente Michel Temer escolheu a militarização da segurança...

para lembrar

Universidade expulsa alunos suspeitos de agressão no interior de SP

Três alunos de medicina agrediram e ofenderam um homem....

Rondonópolis: SOS RACISMO

Importante o Projeto de Lei SOS Racismo, que...

A ostentação negra incomoda

Ostentar significa “alarde, exibição vaidosa, vanglória”. Qualquer um pode...

Jovem negro é baleado na cabeça por PM à paisana em ida a mercado em SP

Um jovem negro com atraso intelectual foi baleado na...
spot_imgspot_img

O amor com o sol da manhã

Eu gosto do amor, eu gosto de amar. Inclusive, já escrevi muito sobre o amor nestas páginas, algumas vezes de forma explícita, outras vezes...

Se o Estado perder o controle, o que vai restar?

Cinco pessoas foram mortas durante a 16ª operação policial do ano no Conjunto de Favelas da Maré, nesta terça-feira, 11 de junho. Uma das...

Após ‘discriminação racial’, Lewis Hamilton compartilha postagem em defesa a Bukayo Saka

O heptacampeão mundial de Fórmula 1, Lewis Hamilton, utilizou suas redes sociais para compartilhar um texto em em defesa do jogador Bukayo Saka, da...
-+=