Na Feira do Livro, Sueli Carneiro escancara racismo que ainda divide o Brasil

Filósofa, ao lado da jornalista Bianca Santana, criticou falta de representatividade na política nacional

“Eu vivo num país racialmente apartado”, afirma a filósofa Sueli Carneiro na mesa que fechou, trepidante, o primeiro dia completo da Feira do Livro na praça Charles Miller.

“O Brasil tem dois territórios com padrões de desenvolvimento humano diferente. O IDH da população branca é equivalente à da Bélgica, o da população preta é abaixo do IDH de muitos países africanos.”

A discussão surgiu por uma referência a sua frase mais famosa, “entre esquerda e direita, continuo preta”, que inspirou o título de sua biografia escrita pela jornalista Bianca Santana, com quem dividia a mesa desta noite mediada pela pesquisadora Juliana Borges.

Santana lembrou que quase nenhum partido brasileiro cumpriu as exigências mínimas estabelecidas em lei para candidaturas de mulheres e negros. Além disso, o Congresso já negociou uma anistia ampla e geral ao sistema partidário negociada.

Lembrando aquela sua máxima, Carneiro ressaltou uma crítica que costuma fazer à parcela da esquerda que vê a questão racial, descartada como “identitária”, como algo submetido ao que seria a grande batalha a empreender, a superação da divisão em classes.

“Se a questão de classe fosse explicativa da realidade social, teríamos uma hierarquia social muito mais democrática”, afirmou a pesquisadora, doutora em educação e autora do recente “Dispositivo de Racialidade”.

“Mas há uma concentração total de renda na branquitude e uma quantidade abissal de população preta na base da pirâmide social. Não só persistem os mecanismos de exclusão da nossa gente, mas práticas de extermínio que contam com a conivência de parte da sociedade.”

Falando em extermínio, Santana lembrou o assassinato da vereadora Marielle Franco como um sinal de que o avanço do feminismo negro foi importante, mas ainda tem desafios imensos pela frente.

“Foi uma mensagem direta e violenta para mulheres negras da nossa geração, de que mesmo que superássemos o teto que a sociedade coloca para nós, mesmo com tudo o que a geração de Sueli alargou para que entrássemos, ainda poderíamos ser assassinadas com muitos tiros e, cinco anos depois, ainda não saberiamos o mandante.”

Carneiro arrematou: “Precisa desenhar mais o quê pra determinar que raça determina classe nesse país? E você tem dúvida de por que os partidos querem anistia?”

Foi uma mesa com uma boa dose de emoção, vale dizer. Quando Carneiro entrou no palco, o público se levantou para aplaudir de pé, algo que não tinha acontecido em nenhuma outra mesa ao longo do dia. A emoção das duas palestrantes demorou um tantinho para se assentar.

A Feira do Livro continua no Pacaembu, em São Paulo, com mesas abertas e gratuitas até domingo.

A FEIRA DO LIVRO

+ sobre o tema

Programa policial exibe vídeo com estupro de criança de 9 anos

É hora do almoço quando a vinheta anuncia a...

Defesa de brasileira condenada por sexo nos Emirados entra com recurso

Os advogados que cuidam da defesa de uma adolescente...

“Há enorme preconceito contra as mulheres” no Brasil, diz Cármen Lúcia

Na primeira sessão de julgamento inteiramente pautada e presidida...

Filho adotivo de pastores gays é registrado com nomes dos dois pais na certidão

Uma vitória contra o preconceito. Assim o casal de...

para lembrar

O racismo apaga, a gente reescreve: Conheça a mulher negra que fez história no cinema nacional

Professor, quem são as cineastas negras brasileiras? (..) Silêncio (...) Por Renata...

Menina negra e a escola

Quanto mais eu penso em como começar um texto,...

Desmentida por José Serra, Sheila reafirma que mulher dele fez aborto

'É muito fácil declarar alguns valores que o mundo...
spot_imgspot_img

Julho das Pretas: ‘Temos ainda como horizonte sermos livres das amarras históricas’, diz ativista

No dia 25 de julho será celebrado o Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha. E em alusão a data, o Julho das Pretas é realizado...

Meninas negras de até 13 anos são maiores vítimas de estupro no Brasil; crime cresceu 91,5% em 13 anos

O número de estupros no Brasil cresceu e atingiu mais um recorde. Em 2023, foram 83.988 casos registrados, um aumento de 6,5% em relação ao ano anterior....

Eugênio Bucci, Marilena Chaui e Sueli Carneiro são finalistas do Prêmio Jabuti Acadêmico; confira a lista completa

A Câmara Brasileira do Livro (CBL) anunciou, nesta quinta-feira (18), os finalistas do Prêmio Jabuti Acadêmico, que contempla obras científicas em 29 categorias, como Artes,...
-+=