Não à redução da maioridade penal

O que está por trás do ressurgimento do projeto para redução da maioridade penal no Congresso Nacional? Um olhar imediato aponta o fortalecimento da participação da bancada conservadora na política, nos partidos e no Congresso Nacional.

por Jurema Werneck na Folha

Trata-se de um conservadorismo cínico, oportunista e inconsequente, pois seus objetivos parecem ser, além de mostrar força no Congresso e na mídia contra os interesses progressistas, fingir uma preocupação com as altas taxas de violência interpessoal no país.

Foi um golpe contra a democracia a manobra articulada pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), para colocar em votação uma segunda proposta de redução da maioridade 24 horas após o primeiro texto ser rejeitado. Um golpe para fazer demagogia. Um golpe contra a sensatez.

O cinismo está em apesar deles saberem que a maioria esmagadora dos crimes são cometidos por adultos –traficantes, policiais, jagunços e que tais– investem contra o elo mais fraco, os meninos e jovens, a maioria negros, perdidos, confusos e sem acesso aos seus diretos básicos.

Estes crimes são cometidos usando armas fabricadas no Brasil e entregues nas mãos dos assassinos sem qualquer controle. E muitos destes criminosos estão vinculados aos interesses dos financiadores das campanhas eleitorais daqueles que estão defendendo propostas deste tipo. Coincidência?

É momento de resistir! É preciso denunciar o racismo, os preconceitos e os interesses escusos embutidos na retomada da PEC 171/1993 (Proposta de Emenda à Constituição), que tramita no Congresso Nacional e propõe a redução da maioridade penal de 18 para 16 anos.

No Brasil, quem comete infrações a partir dos 12 anos já é julgado e submetido a medidas socioeducativas que podem chegar à privação de liberdade. Na vida real, sabemos que em muitos casos meninas e meninos são encarcerados e largados a sua própria sorte, submetidos a maus tratos, sem escola, sem saúde, sem atenção.

É um modelo cheio de falhas, injustiças, marcado pelo racismo institucional que está presente também nas políticas que deveriam proteger e cuidar, assim como no sistema prisional para adultos. É isso que precisa ser revisto e mudar com urgência.

Crianças e adolescentes devem ser cuidados, educados, valorizados, acolhidos. Seus erros devem ser corrigidos, mas de modo a ajudar a cada um deles a crescer da melhor forma possível, a buscar viver plenamente sua humanidade. As mães, famílias e as comunidades de onde vêm devem ser também cuidadas e fortalecidas, de modo a poderem apoiar adequadamente seus meninos e suas meninas.

A proposta de redução da maioridade é uma afronta à Convenção sobre os Direitos da Criança, instrumento de direitos humanos mais aceito na história universal, assinado por 193 países, inclusive o Brasil. É uma afronta às conquistas sociais e de direitos, que tantos lutamos para conseguir.

A sociedade tem, nas últimas décadas, reafirmado seu desejo e compromisso com a justiça social, mas o Congresso parece que não entende, não ouve. Certamente, esta parte do Congresso não me representa!

Queremos que o Congresso ouça a voz da sociedade; que ouça a voz dos que sempre foram perseguidos e injustiçados e seguiram lutando por uma vida melhor. Queremos que o Congresso tome medidas para proteger e valorizar nossas vidas, principalmente as vidas da juventude negra.

Esses meninos e meninas negras, crianças, adolescentes e jovens não são os vilões. Ao contrário, as estatísticas nacionais informam que são as principais vítimas: de balas perdidas, de homicídios, de execuções. É preciso ouvi-los, lutar por eles, lutar com eles.

Mas não basta. Não é suficiente.

É preciso salvar suas vidas. Impedir a circulação das munições que terminam por destroçar seus corpos. É preciso desarmar a sociedade e as polícias. É preciso acabar com a Polícia Militar. É preciso gritar contra a proposta de redução da maioridade.

Nós, ativistas, não vamos desistir. Estamos unidas e unidos contra atrocidades como esta tentativa de encarcerar a juventude negra, ao invés de cumprir seus direitos de educação, saúde, cultura e bem-estar.
Vivemos um momento de engajamento. Lutemos mais, lutemos sempre, dentro e fora da internet, nas ruas, nas comunidades no Congresso.

Temos muita luta pela frente.

JUREMA WERNECK é conselheira do Fundo Brasil de Direitos Humanos, integra a Articulação de Organizações de Mulheres Negras Brasileiras e coordena a ONG Criola, no Rio de Janeiro

+ sobre o tema

Livres da queixa de racismo, agressores de Vagner Love são liberados

Atacante foi agredido dentro de uma agência bancária no...

Cota para negros em concursos não muda concorrência, diz especialista

%u201CA competição não muda, só se torna mais justa",...

para lembrar

Ser homem e negro é um rascunho inconcluso e constante

"I'm gonna be the best me..." (da música "I'm...

O que fazer ao presenciar uma criança praticando racismo contra outra?

Para que essa reflexão caminhe, precisaremos entender que o...

Quando as crianças iam para a cadeia no Brasil

Em 12 de outubro de 1927, no Palácio do...

Alice no País dos Não-Racistas

Por: Leopoldo Duarte Alice é menina e não cortou com...
spot_imgspot_img

Fifa apresenta pacote de medidas contra o racismo no esporte

A Federação Internacional de Futebol apresentou um pacote de medidas contra o racismo no esporte. O mundo do futebol está reunido em Bangkok, na Tailândia, onde...

Tragédia no Sul é ambiental, mas sobretudo política

Até onde a vista alcança, o Rio Grande do Sul é dor, destruição. E vontade de recomeçar. A tragédia socioclimática que engolfou o estado, além da...

Para os filhos que ficam

Os seus pais vão morrer. É ainda mais difícil se dar conta disso depois de um Dia das Mães, como foi o último domingo....
-+=