Não mexe comigo que sou macumbeiro, rebate atleta do Bahia ao ser vítima de intolerância religiosa.

Antes do treino desta quarta-feira (5), o volante Feijão, do Bahia, foi abordado para falar com alguns membros da imprensa no Fazendão. O tema, no entanto, não tinha nada a ver com o jogo contra o Fluminense, e sim pelo fato do jogador ter sido vítima de intolerância religiosa em uma rede social.

Por hamalli, da Revista Raça 

Divulgação

Questionado sobre o ocorrido, Feijão demonstrou chateação e pediu respeito ao candomblé, religião que é adepto. “As pessoas estão confundindo as coisas. Confundindo muito. Respeito todas as religiões e espero que respeitem a minha. Sou do candomblé e com muito orgulho. Espero que tenha coragem de falar na minha frente. Na rede social é muito fácil”, declarou, em entrevista ao Bahia Notícias. De acordo com o atleta, as críticas mais pesadas ocorrem pelo fato dele ter sido revelado no clube. “Os caras querem fazer tumulto, principalmente comigo, que sou prata da casa. Mas eu estou agindo naturalmente. Vida que segue. É ter tranquilidade”, completou. O crime de intolerância religiosa prevê a pena de um a três anos de prisão, além de multa.

+ sobre o tema

Violência sexual em espaços noturnos e responsabilização de agressores

As recentes notícias de que duas mulheres teriam sido...

Polícia Civil de Alagoas prende homem por injúria racial e ameaça

A Polícia Civil, por meio da seção de capturas...

Quase metade das crianças até 5 anos vivia na pobreza em 2022, diz IBGE

Quase metade das crianças de zero a cinco anos vivia em...

para lembrar

“Só lamento que tenha sido em Manchester e não na Bahia”

Internautas denunciaram, na manhã desta terça-feira (23), o perfil...

A Discriminação de Boris Casoy: Isso é uma vergonha

Neste vídeo o apresentador da Band, Boris Casoy declara...

Metade dos casos de racismo acontece onde a vítima trabalha ou mora

Metade dos casos de racismo acontece onde a vítima...

RACISMO NA ITÁLIA: Mais um capítulo do racismo na Itália

O prefeito de Brescia, Adriano Paroli, do PDL, informou...
spot_imgspot_img

Na mira do ódio

A explosão dos casos de racismo religioso é mais um exemplo do quanto nossos mecanismos legais carecem de efetividade e de como é difícil nutrir valores...

Intolerância religiosa representa um terço dos processos de racismo

A intolerância religiosa representa um terço (33%) dos processos por racismo em tramitação nos tribunais brasileiros, segundo levantamento da startup JusRacial. A organização identificou...

Intolerância religiosa: Bahia tem casos emblemáticos, ausência de dados específicos e subnotificação

Domingo, 21 de janeiro, é o Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa. Nesta data, no ano 2000, morria a Iyalorixá baiana Gildásia dos...
-+=