“Não nos oprima ou tente nos controlar”: atrizes comentam 2 anos do #MeToo

Weinstein deve ser julgado em janeiro por acusações de estupro e agressão predatória de duas mulheres. Ele nega qualquer sexo não consensual.

A Reuters perguntou a estrelas o quanto Hollywood mudou desde outubro de 2017. Abaixo estão as respostas, editadas por extensão e clareza:

Julia Louis-Dreyfus

“Gostaria de dizer que sinto que os homens estão começando a se comportar um pouco melhor, e digo talvez. Não estou dizendo que eles tenham definitivamente, mas há uma nova maneira de se comunicar, ou uma percepção um pouco nova, uma mudança de consciência que aconteceu. Está em processo. Este trabalho não está concluído. Nunca estará. Mas acho que há uma maneira de se comunicar que melhorou, espero.”

Patricia Arquete

“O movimento #MeToo – minha irmã foi uma das primeiras pessoas a revelar – acho que teve um efeito cascata em todo o mundo, além de Hollywood. Felizmente, há mais representação de mulheres e mulheres negras na televisão do que havia antes, mas ainda não é realmente a mesma coisa… Ativistas e pessoas tentam fazer esse trabalho há muito, muito tempo, mas quanto mais nós tivermos essa conversa, quanto mais pedirmos, mais falarmos sobre a necessidade, melhor. Você tem filmes como ‘Mulher Maravilha’ e ‘Pantera Negra’ quebrando recordes de bilheteria e, de repente, o mundo fica como ‘Oh, certo, eles podem ser bem-sucedidos’. Às vezes, a indústria é a última a aprender.”

Angelina Jolie

“Acho que temos muito a percorrer. Acho que mesmo em Hollywood deveria ter havido uma investigação independente… Há muito foco no que eles dizem que as mulheres querem e eu diria que não é o que queremos. É o que gostaríamos de não ser feito conosco. Não nos limite a ter uma educação, não nos prejudique, seja em guerra ou em nossas próprias casas, não nos oprima ou tente nos controlar, não limite nossas possibilidades como seres humanos e apenas nos deixem ser.”

Kristen Stewart

“Existe essa solidariedade que oferece às mulheres a chance de começar a finalmente contar suas próprias histórias e não serem usadas como ferramentas para contar suas histórias através de outras pessoas … Existem muitos recursos inexplorados e maneiras pelas quais podemos habitar nossas vidas, próprias histórias e retomar a nossa narrativa. [Isso] é totalmente factível agora e pela primeira vez, na história, por isso é um momento emocionante para as mulheres no cinema, enormemente.”

Elizabeth Moss

“Fiz um filme que havia uma diretora, três protagonistas femininas, também tínhamos (a) primeira mulher (diretora de fotografia), e é quase uma daquelas coisas que agora se tornou natural porque essas mulheres são as melhores no que fazem, e é por isso que elas estavam lá e não porque são mulheres … Está apenas se tornando mais normalizado, o que eu acho que é a melhor parte disso.”

Nicole Kidman

“Charlize [Theron], Margot [Robbie] e eu acabamos de fazer um filme – ‘Bombshell’ – que trata de instigar mudanças em termos de assédio sexual… Esperamos que falar constantemente sobre isso mude para as próximas gerações.”

Julianne Moore

“Por causa do movimento Time’s Up, o governador [de Nova York] [Andrew] Cuomo, adotou uma agenda de segurança, que é realmente significativa para todas as mulheres do estado. Nova York é um estado muito menos progressista que a Califórnia, então quando o Time’s Up New York se reuniu, pensamos: ‘O que abordamos aqui em nosso estado de origem?’ E nós realmente fomos capazes de fazer alterações.”

Melissa McCarthy

Acho que estamos no começo de um movimento, e acho que precisamos continuar pressionando. Você pode fazer um bom jogo, mas precisa esperar até que algo mude, e nós ainda não chegamos lá. Nós chegaremos. Você precisa torcer por isso. Eu sou uma pessoa esperançosa. Eu tenho duas filhas, tenho que ser. Vou lutar até não poder mais.”

+ sobre o tema

Eliane Dias : “O homem branco não assume, o homem negro também não, e a mulher negra vai e faz tudo o que tem...

Advogada, militante, coordenadora do SOS Racismo da Assembleia Legislativa...

Capitolina e o poder das garotas

Esqueça as dicas quentes sobre como conquistar garotos ou...

YouTube está censurando vídeos de Lady Gaga e de todos os canais LGBTs do mundo

Eu produzo conteúdo pra internet, começando aqui no Superpride,...

O caso Maria Julia Coutinho em 14 esquetes

Nós somos Maju porque vivemos e enfrentamos a discriminação...

para lembrar

Basta de violência contra a mulher pelas mãos do Estado!

A violência endêmica contra as mulheres na região das...

“Na escola, diziam que eu devia ser boa de cama por ser negra”

A estudante Monique Evelle sofreu preconceito por ser mulher...

Por vingança, chinês ‘arruina’ noite de casais em cinema de Xangai

Um homem chinês não identificado decidiu 'arruinar' a noite...
spot_imgspot_img

Brasil registra um crime de estupro a cada seis minutos em 2023

O Brasil registrou um crime de estupro a cada seis minutos em 2023. Com um total de 83.988 casos de estupros e estupros de...

Mortalidade materna de mulheres pretas é o dobro de brancas e pardas, diz estudo

Mulheres pretas têm quase duas vezes mais risco de morrer durante o parto ou no puerpério que mulheres pardas e brancas, segundo um estudo da Unicamp (Universidade Estadual...

Plataforma Mães Negras debate impactos do peso na vida profissional

A Plataforma Mães Negras do Brasil, startup (empresa emergente) de impacto social, cujo objetivo é a promoção do desenvolvimento socioeconômico de mães negras, promove nesta quarta-feira...
-+=