‘Não se trata de rótulo, se trata de identidade’

Casada com a assessora de imprensa Poliana Martins desde 2013, a cantora Ellen Oléria falou sobre orientação sexual. “Me identifico como lésbica. Não se trata de rótulo, se trata de identidade, de discurso”, disse ao site Ego.

Por Ellen Oléria Do Parou Tudo

“Num mundo onde as mulheres são mortas violentamente pelos homens eu me mantenho viva e amo. Enquanto mulher negra e lésbica eu preciso dizer que tenho muita esperança. Acredito que me identificar como lésbica me integra a uma rede complexa de pertencimentos a partir dos afetos”, disse.

E continuou: “Que as pessoas brancas se integrem e se conectem ao debate antirracista com mais responsabilidade e respeito entendendo que o racismo é da conta de todo mundo. Tenho esperança que os homens se aproximem como aliados das mulheres na luta feminista pelo respeito à nossa humanização e pela autonomia de nossos corpos. Tenho esperança que as pessoas heterossexuais se percebam no mundo com mais sensibilidade e para além do fluxo da multiplicação desenfreada e egocêntrica

Para Ellen, o avanço na conquista dos direitos homossexuais é significativo, mas ainda falta muito. “Caminhamos lentamente. E hoje muita gente não sabe que a legislação ainda não nos assiste e tem muitas brechas que permitem que juízes e juízas pelo Brasil se neguem a nos casar. Não temos uma lei que assegure o direito de nos unir civilmente como casal. Ter esse direito é nos assistir socialmente e em juízo pelo nosso amor.”

“Imagine: estar casada me permite assegurar os desejos de minha esposa numa decisão sobre seu corpo em casos de atendimento hospitalar, por exemplo. Isso é sério e é direito nosso”, exemplifica a cantora, que propõe um debate que vai muito além da união entre pessoas do mesmo sexo: “Precisamos de uma lei que criminalize a lesbofobia, a homofobia, a bifobia e a transfobia. Precisamos destituir esse grupo fundamentalista das esferas de poder, precisamos arrancar essa estrutura ignorante e arrancá-los do comando da máquina pública. Eles insistem em limitar nossos direitos como pessoas’, disse.

+ sobre o tema

ONU: preconceitos contra as mulheres persistem

Os preconceitos sexistas "arraigados" nas sociedades não diminuíram nos...

‘Casal de três’ alimenta debate sobre nova família na Suécia

Erik, Linda e Hampus vivem juntos há dois anos...

O combate ao racismo também está em fortalecer profissionais negras

Quando foi instituído o Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana...

para lembrar

Violência sexual em espaços noturnos e responsabilização de agressores

As recentes notícias de que duas mulheres teriam sido...

Parto Humanizado: Hospital afasta especialista porque mães gritam demais

O especialista em partos humanizados, Victor Rodrigues, foi comunicado...

Negras Empoderadas lutam contra as “formas de escravidão modernas” do Brasil

Criada pela empresária e advogada Eliane Dias e pela...

Coletivo Dúdú Badé: O grupo que ensina memória e cultura negra para crianças

Elas promovem atividades lúdicas e lançaram catálogo com reflexões...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=