Natália Alves: “Quando olhei para o lado, um homem de revólver em punho, atirando, bem na minha frente; dava para sentir o impacto do tiro no chão”

OS FASCISTAS DE HOJE ATIRARAM NAS MULHERES NEGRAS!

Por Natália de Sena Alves  Do Vi o mundo

Hoje participei da Marcha das Mulheres Negras em Brasília, organizada por milhares de mulheres lutadoras contra o racismo, a violência e pelo bem viver. Foi um lindo e emocionante ato, que reuniu mais de 20 mil mulheres de todos os cantos do país.

Ao final do ato, chegamos na frente do Congresso Nacional e nos deparamos com o tal acampamento pró-impeachmant, onde vimos algo que ia além do exercício do direito de manifestação. Verdadeiros atos de incitação ao crime estão sendo praticados ali: uma forca com um boneco de Lula vestido de presidiário sendo enforcado; dois caixões com bonecos de Lula e Dilma, simulando um funeral; e um enorme boneco inflável de um militar, utilizado para simbolizar o pleito por intervenção militar.

Fiquei bastante impactada e impressionada de ver a tranquilidade com que estes tais “militantes” clamam por intervenção militar e pela morte de duas importantes figuras públicas da esquerda sem qualquer constrangimento, sentindo-se legitimados. Algumas discussões aconteceram, questionamentos sobre legitimidade de protestos deste nível, nos quais explicitamente se deseja a morte do ex-Presidente Lula e da Presidenta Dilma.

Em poucos minutos, instalou-se uma confusão e quando olhei para o lado me deparei com um homem de revólver em punho, atirando para baixo e para cima, bem na minha frente, dava para sentir o impacto do tiro no chão.

Nessa hora, mulheres negras, senhoras, jovens, estudantes, começaram a correr, muitas chorando. Corri e chorei junto. Foi a violência da direita armada bem ali do nosso lado, ao alcance dos nossos olhos, corpos e lágrimas. A polícia do DF estava ao lado e nada fez na hora.

Não pude deixar de pensar que a realidade diária de grande parte do povo negro é correr de tiro sem que a polícia nada faça, quando não é esta que está de arma em punho. A propósito, o tal atirador se apresentou como policial.

Felizmente, nenhuma mulher foi ferida de tiro. Apenas feriram ainda mais as suas (nossas) almas e corações, mas estes são fortes, e estamos preparadas e organizadas para gritar bem alto que a nossa luta NÃO é para tirar nenhuma mulher da Presidência.

Fascistas, racistas, machistas, vocês não passarão!!!

+ sobre o tema

Da dificuldade nasce a força da mulher negra

Em 1989, com 14 anos, entrei no mercado de...

A “empregada” no centro de uma sociedade cindida

“Que horas ela volta?”, de Anna Muylaert, segue linhagem...

Paulina Chiziane e a liberdade de quem conta suas próprias histórias

“Se queres conhecer a liberdade Segue o rastro das andorinhas” (Ditado...

para lembrar

Lei institui o Dia de Luta contra Genocídio da Muher Negra no Rio

A lei estabelece que instituições públicas e privadas promovam...

Em resposta a racismo e bullying, jovem desenha vestido de formatura em estilo africano

A norte-americana Kyemah McEntyre, de 18 anos, conta que,...

Sede do Neab homenageia Ya Mukumbi

Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros funcionará em casa de madeira...

Conexões diaspóricas: mobilização da Marcha das Mulheres Negras no mundo

Mulheres negras de 21 países da América Latina, Caribe...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=