A “nega metida”: a construção de lugares e não lugares para as mulheres negras

Nessas incansáveis buscas por leituras e informações me deparei com uma entrevista da escritora Conceição Evaristo em que ela falava sobre as suas obras refletirem um momento do pós-abolição, de dor; que gostaria de escrever sobre essa geração de pessoas afro-brasileiras que não passou por dificuldades ou por certas dores. Eu ouvi essas palavras e guardei no meu pensamento.

A grande questão é que por mais que nossas mães, pais e familiares nos poupem das mazelas do mundo, invistam em educação e etc., vem a sociedade brasileira racista, patriarcal e classista com os seus lugares e não lugares para essa geração de negros e negras, me refiro especificamente de como o ideal do mito da democracia racial age na vida das mulheres negras com o fenômeno da “nega metida”. Para além disso, esse sistema possui a estratégia de isolar essas mulheres e fazer com que elas se sintam culpadas.

A mídia retrata pessoas negras como escravo, como pessoas que sofrem, ou como aquele negro estereotipado na imagem do jogador de futebol. Quando esses elementos caricatos não estão presentes parece que o negro está fora do lugar que foi destinado e criado para ele.

Quem tem medo das mulheres negras?

Ao não estar no lugar que socialmente é destinado para as mulheres negras, as mesmas despertam muitos questionamentos, um deles é a respeito da formação acadêmica. Eu geralmente faço um exercício deixando a pessoa adivinhar e é muito interessante observar o desconforto e as palavras que vão sendo proferidas.

Já fui chamada de muitas coisas: “preta rica”, “socialista da Carmem Steffens”, “burguesa” e etc. Quando entrei para os movimentos sociais teve gente que se atreveu a me chamar de “nêga”, dizem que é uma forma carinhosa de lidar, mas a gente sabe muito bem o que isso significa: se trata dos lugares e não lugares. Lélia Gonzalez nos lembra muito bem que “negro tem que ter nome e sobrenome, senão os brancos arranjam um apelido…ao gosto deles.”. (BAIRROS, p. 2, 1998)

Lourenço Cardoso em seu trabalho de doutorado intitulado O branco ante a rebeldia do desejo: um estudo sobre a branquitude no Brasil diz

O branco, em que a identidade racial significa virtude, subordinado ao negro, em que a identidade racial significa malogro, evidencia sua decadência. Ele torna-se o branco que decaiu da própria branquitude, torna-se fracassado. O fato torna-o menos branco, porque desvia do significado de que ser branco é ser virtuoso. (CARDOSO, p.101, 2014)

Um ponto importante é sobre a diferença de humildade e subserviência, ao se distanciar do que a sociedade projeta para uma mulher negra, a mesma não é humilde, pelo contrário é metida. Ao investir em nossos projetos pessoais, fazer nossos cursos de idiomas, nossas viagens, sermos reservadas, viver a nossa vida, parece que estamos sendo egoístas, exigem da gente humildade.

O isolamento da mulher negra como estratégia do sistema racista-patriarcal

Eu lembro de uma frase que a educadora Doutora Azoilda Loretto falou uma vez num encontro, o qual eu tive a sorte de estar presente “o maior ato revolucionário que uma mulher negra pode ter é se cuidar.”. O que ela quis dizer com isso foi pra gente ficar viva, se amar e isso é o que de mais lindo podemos fazer pela gente.

Existe um sistema pronto para desumanizar as mulheres negras e isso é atentar contra a nossa dignidade, retirar nossa condição humana. Mulher negra pode não querer pensar nas tristezas do mundo? Pode sim. Pode ir para Disney? Com certeza. Pode ir comer no japonês? Óbvio. E gostar de vida boa? Gente, quem não gosta? E ser uma pessoa introspectiva, séria? Pode muito. Falar diversos idiomas? Adoro. Pode ser Doutora? Sim. Pode ser bailarina clássica? Obviamente. Pode ter cabelo crespo e ser advogada? Sim.

Por fim, espero que esse texto sirva como acalanto e ao mesmo tempo um alerta para aqueles que tentam deslegitimar as mulheres negras todos os dias, enfatizando que não existe um padrão de mulher, muito menos de mulheres negras, somos muitas e somos diversas. E realmente não estamos interessadas em agradar ninguém e nem a se enquadrar nos rótulos que reservam para nós.

Referências:

BAIRROS, Luiza. Lembrando Lélia González. Disponível em: < http://www.criola.org.br/artigos/LEMBRANDO_LeLIA_GONZALEZ.pdf>. Acesso em 30 de janeiro de 2017.

CARDOSO, Lourenço. O branco ante a rebeldia do desejo: um estudo sobre a branquitude no Brasil. Disponível em: < http://wwws.fclar.unesp.br/agenda-pos/ciencias_sociais/3146.pdf>. Acesso em 30 de janeiro de 2017.

** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE. 

+ sobre o tema

Nota de Apoio do Fórum de Homens Capixabas pelo Fim da Violência contra as Mulheres

Nós, participantes do Fórum de Homens Capixabas pelo Fim...

Por que o tema da redação do Enem incomodou tanto?

Dia 25 de Outubro de 2015. Redação do Enem....

Naomi Campbell cita época como “única modelo negra”: “Sensação não era boa”

Sucesso nas passarelas, principalmente nos anos 1980 e 1990,...

para lembrar

Os retornados, por Sueli Carneiro

Primeiro chegou a cruz. E em seu nome os...

Folha de S. Paulo na contramão dos direitos da comunidade LGBT

"Folha de S.Paulo estreia novo blog voltado para a...

Todos os longas dirigidos por mulheres no Festival de Cinema Latino-Americano

Diretoras da América Latina serão celebradas na edição deste...

Gordinha, não. Gorda! Conheça mulheres que estão lutando contra a gordofobia

Elas são rejeitadas no mercado de trabalho, na TV,...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=