Negro, não

Por: Edson Lopes Cardoso

A funcionária Rosana Bullara afirmou à “Folha de S. Paulo” (edição de 3/12/2010) que “foi discriminação”, porque o estudante de filosofia Samuel de Souza era “pobre e negro”. Samuel desmaiou subitamente após descer do ônibus e morreu na Praça do Relógio, na Cidade Universitária (USP). O corpo de Samuel ficou “por quase seis horas” estirado no chão. Existe um hospital no campus da USP, localizado a menos de três quilômetros do local onde estava o corpo.

No Rio, os porcos comeram partes do corpo apodrecido de Davi Basílio Alves, jovem de 17 anos assassinado pela polícia na Vila Cruzeiro. Segundo reportagem da Folha, Davi era “soldado do tráfico” e seu corpo ficou abandonado “numa rua de terra da Vila Cruzeiro” de quinta (25/11) até sábado (FSP, 5/12/2010).

Além dos corpos negros atirados em vielas e entulhos e na Cidade Universitária de grande prestígio, há os que desaparecem, recolhidos pela polícia, que não tem como provar o envolvimento dessas pessoas assassinadas com o tráfico, e as enterra como indigentes, com a cumplicidade dos IML’s.

Entre as normas que definem o que é, ou o que deve ser aceito entre nós, há uma que implica a rejeição perpétua à cor negra da pele. A repulsa ao negro é uma dimensão social e psicológica que constitui a própria nacionalidade. José Bonifácio de Andrada e Silva referiu-se a ela na proposta que encaminhou à Assembléia Constituinte, em 1823: “mas o negro conserva indelevelmente um sinal de separação e de desprezo”. Bonifácio afirma ainda que entre nós “uma das causas, que concorre a perpetuar e piorar a escravidão dos negros, é a cor…”. (Projetos para o Brasil, Companhia das Letras/Publifolha, 2000, p. 44.)

Uma coisa era o escravo, outra coisa a cor do escravo. Sinal indelével é isso mesmo, que não se dissipa, indestrutível. A televisão, a cultura, os partidos, as vanguardas e as retaguardas, o mundo que nos é familiar se encarrega de disseminar a repulsa e a rejeição e a favorecer e estimular a ação criminosa de assassinos, fardados ou não. Criou-se um consenso de larga memória, cruel e sanguinário: negro, não.

Brasília, 09/12/2010

 

 

Fonte: Lista Racial

+ sobre o tema

Para encontrar Oliveira Silveira: O Poeta da Consciência Negra

“encontrei minhas origensno lesteno mar em imundos tumbeirosencontreiem doces...

Projeto sobre cotas em concursos públicos abre debate na Câmara e na Justiça

Tema pode trancar pauta do plenário. No CNJ, conselheiros...

A política do livro e leitura como um direito humano

Trago comigo um retratoque me carrega com ele bem...

Camila Pitanga questiona igualdade para negros no Brasil: ‘Estamos abandonados’

Além de apontar dificuldades enfrentadas na sociedade, a atriz...

para lembrar

O que será?

Vai no @leandro_assis A série "Confinada" diz quem é o...

Fotógrafo faz desabafo em vídeo após ter porta arrombada e casa invadida pela PM

O repórter fotográfico Tandy Firmino, morador do morro Santa...

Rumo do julgamento é desesperador, diz viúva de músico assassinado por militares

Luciana dos Santos Nogueira, 46, acompanhou à distância o...
spot_imgspot_img

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...

Criança não é mãe

Não há como escrever isto de forma branda: nesta quarta-feira (12), a Câmara dos Deputados considerou urgente discutir se a lei deve obrigar crianças vítimas de estupro à...
-+=