Negros foram os que mais morreram por Covid em São Paulo, diz estudo

Grupo também foi o mais afetado por ações de despejo, segundo levantamento do Instituto Pólis

Uma pesquisa do Instituto Pólis mostra que a população negra e as famílias chefiadas por mulheres com renda de até três salários mínimos em São Paulo foram as mais afetadas com ações de despejo na pandemia, e também as que mais morreram por Covid-19.

LUPA 

O estudo cruzou dados do Observatório de Remoções da USP com as taxas de mortalidade por Covid na capital entre 2020 e 2021, e com informações do Censo Demográfico do IBGE de 2010.

IN LOCO 

A região central e as periferias da cidade aparecem nos dois mapas: é onde mais acontecem ações de despejo e onde os óbitos por Covid são proporcionalmente maiores. O Supremo Tribunal Federal (STF) proibiu desocupações durante a pandemia —medida que vale até a próxima quinta (31). Ainda assim, o Observatório da USP mapeou 794 casos durante o período, que foram contabilizados no estudo.

RISCO 

“Mesmo em meio à pandemia, em que a moradia é uma estrutura básica para a adoção de medidas de prevenção sanitária, essas famílias seguem ameaçadas de despejo”, afirma o instituto, que defende a prorrogação da decisão.

CAMADA 

Nas áreas mais afetadas (centro e periferias), os negros representam 47,3% do total de mortos. A taxa está dez pontos percentuais acima da representatividade deste grupo na cidade: 37% da população de São Paulo é negra. O grupo também corresponde a mais da metade (51,8%) dos casos de despejos.

CAMADA 2 

Já as famílias chefiadas por mulheres com renda de até três salários mínimos representam 27,8% dos óbitos por Covid —quando correspondem a 23,4% da população da cidade. Além disso, foram vítimas de 27,9% dos casos de desocupações.

PANORAMA 

Para o instituto, o levantamento mostra “que há camadas de vulnerabilidade socioeconômica nos territórios mais sujeitos às remoções”. A entidade diz ainda que os despejos representam não só uma ameaça individual à saúde das pessoas, mas também podem potencializar novas cadeias de contágio pela cidade.

+ sobre o tema

EUA aprovam uso de DIU hormonal por até 8 anos; qual a importância disso?

Recentemente o FDA (Food and Drug Administration), um órgão...

Carta dos secretários estaduais de saúde à nação brasileira

O Brasil vivencia, perplexo, o pior momento da crise...

“O Barão de Itararé e o perigo, a sedução e a resistência da imprensa independente!”

por Ras Adauto Aos meus amigos e amigas jornalistas Independentes! Para...

Feliciano aprova projeto que pode vetar gays em igrejas

Sob o comando do deputado Marco Feliciano (PSC-SP),...

para lembrar

Sebrae libera aplicativo para microempresário

O Qipu ajuda empreendedor na gestão financeira, controla as...

Seis marcas são investigadas por exploração de mão de obra em SP

O Ministério Público do Trabalho de Campinas investiga seis...

Demência atinge 6,6 milhões de mulheres, mais do dobro dos homens

A demência atinge na Europa cerca de 6,6 milhões...

Deputado diz que Veja era cúmplice de Cachoeira e pede investigação sobre a revista

Para Fernando Ferro, elo entre revista e bicheiro configura...
spot_imgspot_img

Marcelo Paixão, economista e painelista de Geledés, é entrevistado pelo Valor

Nesta segunda-feira, 10, o jornal Valor Econômico, em seu caderno especial G-20, publicou entrevista com Marcelo Paixão, economista e professor doutor da Universidade do...

Impacto do clima nas religiões de matriz africana é tema de evento de Geledés em Bonn  

Um importante debate foi instaurado no evento “Comunidades afrodescendentes: caminhos possíveis para enfrentar a crise climática”, promovido por Geledés -Instituto da Mulher Negra em...

Comissão da Saúde aprova PL de garantia de direitos à pacientes falciformes

A Comissão de Saúde da Câmara dos Deputados aprovou, na quarta-feira (5), o Projeto de Lei nº 1.301/2023, que reconhece a doença falciforme como...
-+=