Neguinho da Beija-Flor relata racismo em avião e quer filha fora do Brasil

Enviado por / FonteUOL

O sambista Neguinho da Beija-Flor voltou a comentar a morte do seu neto, Gabriel Ribeiro Marcondes, de 20 anos, que morreu ao ser baleado junto com mais três pessoas em um baile funk em Nova Iguaçu, na Baixa Fluminense, Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Neguinho associou a perda ao racismo no Brasil e relatou que pretende ver sua filha estudando fora do país.

O intérprete e compositor de sambas memoráveis da Beija-Flor ainda relatou casos de racismo que aconteceram com ele em viagens de avião.

“No avião já teve pessoas que trocaram de lugar. Foi lá e cochichou com a comissária se não tinha outro lugar. Você vê que o cara vai ali na viagem o tempo todo do meu lado mal-humorado”, contou Neguinho em entrevista ao “Altas Horas”, da TV Globo.

O sambista também aproveitou para esclarecer declarações que fez logo após a morte do neto, há cerca de dez dias, quando disse que ia deixar o Brasil.

“Eu amo o Brasil, não estou querendo ir para Portugal ou Itália, que tenho amigos na Itália”, disse o sambista, completando que a intenção é que sua filha caçula, de 12 anos, possa estudar fora do país.

“Vou atender aqui um pedido da minha esposa, quero a nossa filha estudando fora”, afirmou. “Infelizmente, criar filho no Brasil com essa violência, principalmente sendo negro. Eu já tive um filho baleado na porta da faculdade há 20 anos”, lembrou o sambista.

Neguinho deu exemplos de como o racismo ainda é presente no país. “Uma blitz, né, na esquina tem dez parados, um é pretinho, é a primeira coisa onde a blitz vai atingir, depois vai revistar os outros”, exemplificou o sambista.

O neto de Neguinho morreu em 18 de outubro enquanto montava uma tenda para um baile funk no Morro da Bacia. Segundo o sambista, Gabriel trabalhava com montagem de eventos.

A versão da PM (Polícia Militar) para o ocorrido é de que agentes foram recebidos a tiros por participantes da festa quando foram até o local para checar uma denúncia sobre o evento, que bloqueava a rua e não tinha autorização para acontecer.

Fonte: UOL

+ sobre o tema

Ministério Público vai investigar atos de racismo em escola do DF

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT)...

Desigualdade ambiental em São Paulo: direito ao verde não é para todos

O novo Mapa da Desigualdade de São Paulo faz...

Nath Finanças entra para lista dos 100 afrodescendentes mais influentes do mundo

A empresária e influencer Nathalia Rodrigues de Oliveira, a...

Ministério da Igualdade Racial lidera ações do governo brasileiro no Fórum Permanente de Afrodescendentes da ONU

Ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, está na 3a sessão do...

para lembrar

Corregedoria da Câmara de SP aprova cassação de vereador por fala racista

A Corregedoria da Câmara Municipal de São Paulo aprovou...

Curiosidade sobre como vivem pobres alimenta turismo nas favelas

No início do século 20, a curiosidade sobre como...

Por que ser antirracista é tão importante na luta contra a opressão racial?

O Laboratório de Estudos de Gênero e História, da...
spot_imgspot_img

Ministério Público vai investigar atos de racismo em escola do DF

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) vai investigar atos de racismo registrados durante uma partida de futsal entre alunos de duas...

Gibi, 85 anos: a história da revista de nome racista que se transformou em sinônimo de HQ no Brasil

Um dicionário de português brasileiro hoje certamente trará a definição de gibi como “nome dado às revistas em quadrinhos” — ou algo parecido com isso....

Estudante negra de escola pública ganha prêmio com pesquisa que apontou racismo em dicionários: ‘racismo enraizado na fala’

Uma aluna do Ensino Médio do Instituto Federal São Paulo, de Bragança Paulista (IFSP), conquistou medalha de ouro após apresentar uma pesquisa sobre racismo, durante a...
-+=