“Nenhum africano é estrangeiro em África!”

Achille Mbembe escreveu sobre a violência contra os estrangeiros na África do Sul.

Do REDE ANGOLA

O filósofo, cientista político e intelectual camaronês Achille Mbembe, autor do livro Crítica da Razão Negra, escreveu ontem sobre a violência xenófoba na África do Sul, esse “cancro que metastizou”, nas suas palavras, chegando à conclusão que “a actual caça aos ‘estrangeiros’ é produto de uma complexa cadeia de cumplicidades – algumas vocais e explícitas e outras tácticas”. Na base de tudo, as acções do próprio governo que, “através das suas novas medidas anti-imigração”, tenta até ilegalizar imigrantes que estavam legais.

Num artigo publicado no site Africa is a Country, Mbembe afirma que, à diferença da última vaga de violência xenófoba no país, em 2008, quando morreram 72 estrangeiros, esta tem uns “rudimentos” de ideologia subjacente, uma “aparência de discurso destinada a justificar as atrocidades”, que são mais negros, que são usados pelos brancos que preferem explorá-los a contratar sul-africanos, que roubam os empregos aos sul-africanos, etc.

No entanto, “nenhum africano é estrangeiro em África!”, exclama Mbembe. “É a África que pertencemos todos,  não obstante o disparate das nossas fronteiras. Nenhum chauvinismo nacional apagará isso. Nenhuma deportação apagará isso”, acrescenta.

Para o filósofo, em vez de derramar sangue africano, todos os africanos deviam estar a reconstruir o continente e colocar um ponto final a “uma longa e dolorosa história – que, durante demasiado tempo, tem ditado que ser negro (não importa onde ou quando) é uma desvantagem”.

Mbembe está convencido que cada golpe contra um estrangeiro na África do Sul “abre uma ferida enorme que nunca poderá ser curada. Ou se a conseguirmos curar, deverá deixar ‘nesses estrangeiros’ o tipo de cicatrizes que nunca mais poderão ser removidas”.

E, pergunta, como o governo sul-africano é incapaz de defender os estrangeiros desta violência, como nada faz para demover quem ataca, nem protege quem é atacado, será que não chegou a altura de apelar a uma autoridade superior para intervir na questão? “A África do Sul assinou a maior parte das convenções internacionais, incluindo a convenção que estabeleceu o Tribunal Penal Internacional de Haia. Alguns dos instigadores da actuar ‘época de caça’ são conhecidos. Alguns têm feito discursos políticos a incitar ao ódio. Haverá alguma forma de os remeter para Haia? A impunidade alimenta impunidade e atrocidades. É o caminho mais curto para o genocídio. Se esses perpetradores não podem ser trazidos à justiça pelo Estado sul-africano, não terá chegado a altura de apelar a uma jurisdição superior para que lidem com eles?”

+ sobre o tema

“Papáveis” africanos disputam para suceder Bento XVI

Bento XVI apresentará sua renúncia oficial ao Pontificado...

Descolonização continua a ter «sentido negativo» para muitos portugueses

Quase quatro décadas depois, a palavra descolonização continua...

Europa caminha para o estado de mal-estar social

Tese é do sociólogo Boaventura Sousa Santos; ele...

Conflitos africanos são alimentados pelo Ocidente

O presidente do Zimbabwe, Robert Mugabe, acusou os...

para lembrar

Quénia – Uhuru, um ‘príncipe’ chamado ‘liberdade’

Uhuru Kenyatta – cujo nome significa liberdade na língua...

FBI inclui uma mulher pela primeira vez na lista de terroristas procurados

Joanne Chesimard foi condenada por assalto e assassinato,...

Alemanha é o novo “El Dorado” dos espanhóis e portugueses

  São cada vez mais os espanhóis que procuram emprego...

Caso Morales: Itamaraty repudia ‘arrogância’ de europeus

O governo brasileiro disse que repudia "a atitude...
spot_imgspot_img

Capitalismo é incompatível com democracia, afirma escritor Achille Mbembe

Um dos mais importantes pensadores do mundo, o camaronês Achille Mbembe, de 66 anos, rejeita simplificações ao falar sobre as ruínas da geopolítica contemporânea. Ele recorre...

Um Silva do Brasil e das Áfricas: Alberto da Costa e Silva

Durante muito tempo o continente africano foi visto como um vasto território sem história, aquela com H maiúsculo. Ninguém menos do que Hegel afirmou, ainda no...

Artista afro-cubana recria arte Renascentista com negros como figuras principais

Consideremos as famosas pinturas “A Criação de Adão” de Michelangelo, “O Nascimento de Vênus” de Sandro Botticelli ou “A Última Ceia” de Leonardo da Vinci. Quando...
-+=