Neste ano, em que o Dia da Mulher Negra Latino-Americana completa 30 anos, o Festival Latinidades homenageou personalidades que inspiraram e continuam inspirando as novas gerações

Há 30 anos, um grupo de mulheres negras latino-americanas e caribenhas se reuniram na República Dominicana para construir um novo futuro. Este movimento inspirou uma geração de mulheres negras destes continentes e trouxe um impacto significativo na sociedade contemporânea.

A cineasta baiana, Viviane Reis, que tinha 7 anos de idade na época, comemora os avanços e a influência que a pauta da época exerceu sobre quem ela é hoje. “Estas mulheres pararam para formular o que eu deveria ser 30 anos depois. Todo este conjunto representa a materialidade na minha vida, na minha atuação política e profissional”, afirmou durante o Festival Latinidades.

Neste ano, o Latinidades – o maior festival de mulheres negras latino-americanas e caribenhas -, completou 15 anos e foi realizado no Museu Nacional de Brasília, entre os dias 22 e 24 de julho. A Mídia NINJA esteve presente realizando a cobertura colaborativa do evento e conversou com mulheres negras que são destaque no cenário nacional sobre a importância desta data.

A cantora Tássia Reis é uma das jovens mulheres negras que já nasceram em um contexto de mudança, mas aos 32 anos – como mulher preta e artista – quer abrir novas portas como um sentido de existência. “Ter a consciência de que a arte nos permite abrir espaço para outras mulheres pretas é mágico”, diz. Outra forma que utiliza a sua arte é para quebrar um pouco a tensão e relaxar. “Criamos um corpo de guerra como mecanismo de defesa, mas precisamos também aprender a celebrar a nossa existência e a nossa resistência”.

A cantora baiana Nara Couto também concorda com Tássia Reis e por mais que não seja fácil quebrar esta dor, sugeriu colocar em prática diariamente. “Meu sonho de consumo para as mulheres pretas é que a gente consiga se curar de tudo o que a gente não sabe que aconteceu. Entrar em um processo de cura para quebrar todo um mal que veio antes”, desejou.

Homenagens

Após dois anos de atividades online, o Festival voltou ao forma presencial com o tema Mulheres Negras – todas as alternativas passam por nós. Neste ano, o Latinidades também fez uma galeria em homenagem a várias griôs – mestres portadores de saberes e fazeres da cultura -, que ainda estão vivas e são inspiração às novas gerações. A escritora Conceição Evaristo gravou um vídeo para agradecer a homenagem e a filósofa Sueli Carneiro demonstrou seu sentimento de gratidão pela nova geração presencialmente. “Considero que estamos juntas em uma das lutas mais importantes da humanidade, a luta por igualdade de direitos, por oportunidade e por justiça racial. Resistimos por todas que nos antecederam, por todas que estão aqui hoje e por todas que virão”, declarou Sueli.

Homenagem à 50 mulheres negras durante o Festival Latinidades. Foto: Karoline Leal / Mídia NINJA

A edição de 2022 homenageou 50 mulheres negras com diferentes trajetórias a fim de reconhecer a importância de seus fazeres na construção do país, dentre as homenageadas presentes também estava Mãe Nilce de Iansã, que declarou: “A nossa luta contra o racismo, contra o racismo religioso, é ancestral. Então é importante que a mulher negra esteja ocupando espaços, como este, como igualdade de direito e acima de tudo sendo muito respeitada.”

“Não é fácil empreender um festival de mulheres negras atuando na base, com a base, pela base. É sobre a gente saber que tem que levantar a melhor estrutura e as melhores condições possíveis para materializar projeto porque as mulheres negras são toda essa potência e em nenhum outro lugar essa potência é reconhecida, é uma responsabilidade enorme”, relatou Jaqueline Fernandes, coordenadora geral do festival.

A jornalista Griô Sueide Kintê também foi homenageada e comemorou a oportunidade do encontro que para ela é como um “vulcão explodindo”. “No Latinidades encontramos a oportunidade de juntar todas e fazer ecoar para os quatro cantos do país um pouco desta potência que as mulheres negras latino-americanas”, afirmou.

Para a chef de cozinha, Aline Chermoula, o dia 25 de julho é importante no sentido de reverenciar as mulheres que vieram antes. “Me inspiro e me fortaleço na fortaleza que estas mulheres foram”.

Já a secretaria de Cultura da Bahia, Renata Dias, comentou sobre as adversidades que trouxeram os povos africanos para a América Latina e disse sobre a importância em reconhecer a influência africana na constituição do Brasil e da região da América do Sul e Caribe. “Somos protragonistas nesta história”.

+ sobre o tema

Como resguardar as meninas da violência sexual dentro de casa?

Familiares que deveriam cuidar da integridade física e moral...

Luiza Bairros lança programas de combate ao racismo na Bahia

O Hino Nacional cantado na voz negra, marcante, de...

Barbados se despede de rainha Elizabeth e dá a Rihanna título de heroína

Rihanna foi nomeada heroína nacional de Barbados durante uma...

para lembrar

Dre Sueli Carneiro : “Le racisme produit une fausse conscience de supériorité “

La société brésilienne doit abandonner l'hypocrisie, assumer qu'elle est exrêmement...

Colorindo Egos, por Sueli Carneiro

Nesta semana ocorreu em São Paulo o I Congresso...

Falta o Congresso

Registramos em nosso último artigo nessa coluna que embora...

Raça, classe e eleições, por Sueli Carneiro

Análises das pesquisas de intenção de votos nos candidatos...
spot_imgspot_img

‘Não tenho história triste, mas ser mulher negra me define muito’, diz executiva do setor de mineração, sobre os desafios para inclusão na indústria

Diretora de relações governamentais e responsabilidade social da Kinross Brasil Mineração, Ana Cunha afirma que a contratação de mulheres no setor, onde os homens...

No Dia para Eliminação da Discriminação Racial ONU reforça importância de investir em mulheres negras

No Dia Internacional para Eliminação da Discriminação Racial, 21 de março, ONU defende investimento em mulheres negras como caminho para o progresso. A campanha "Investir...

Seis anos após assassinato, instituto mantém legado de Marielle vivo

Após a noite de 14 de março de 2018, a família da vereadora assassinada Marielle Franco se viu envolvida por uma junção de sentimentos:...
-+=